Kosovo: lembram-se?

Obama mandou para o Cairo um conhecido especialista de guerra suja, Frank G. Wisner que, junto de Mubarak e do seu vice das secretas e comandos militares, preparará as saídas à americana: ser favorável às democracias que gerem “boas escolhas” (dirigentes servis) e opor-se aos povos que “façam más escolhas” (independentes). Isto quer dizer que os EUA estão preparados para dar cobertura a um banho de sangue.

(António Abreu, no Antreus)

Frank G. Wisner, um currículo de dinheiro, guerra e dominação:

Secretary Condoleezza Rice appointed Mr. Wisner Special Representative to the Kosovo Status Talks in December, 2005.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

17 respostas a Kosovo: lembram-se?

  1. Leitor Costumeiro diz:

    Claro!!
    Um banho de sangue, começa a ser quase inevitável, a revolução não vai parar e o Mubarak está a ajudar a atear o rastilho…
    Os EUA são omnipresentes na geopolítica, e vão resolvendo as coisas com uns telefonemas ou envia ( à la Mafia) o homem das limpezas. Mas enfim, também é por isso que a revolução está na rua…
    Vamos todos desejar-lhes sorte e que isto se expanda o mais possível.

  2. Leo diz:

    Kosovo foi o último tacho. O currículo dele é tenebroso. Vejamos por onde andou:

    Frank G. Wisner começou a trabalhar no Departamento de Estado em 1961 e serviu todos os presidentes desde Kennedy.

    Começou pela embaixada dos USA na Argélia na altura da independência.

    Esteve no Vietname nos primeiros anos da guerra, de 1964 a 1968.

    Depois de 1968, passou pelas Embaixadas da Tunísia e Bangladesh regressando em 1975 à Task Force da Indochina – a agência responsável por evacuar perto de um milhão de refugiados.

    Em 1976 trabalhou sob o Secretário de Estado Kissinger nas negociações sobre o Zimbabwe e Namibia.

    Na presidência Carter foi Sub-Secretário de Estado. Embaixador na Zâmbia em 1979. Foi Sub-Secretário para Assuntos Africanos (1982-1986) quando do conflito em Angola, Moçambique e Namibia. Depois foi Sub-Secretário de Estado para Assuntos de Segurança Internacional, e Embaixador dos USA nas Filipinas e depois no Egipto.

    Foi Sub-Secretário de Defesa(1993-1994). E foi nomeado por Condoleezza Rice Enviado Especial para o Kosovo em Dezembro, 2005.

    Actualmente está no Conselho de Administração do Conselho de Negócios U.S. India . É Membro dos Conselhos de Directores da EOG Resources, Ethan Allen e da American Life Insurance Company (ALICO).

    É Vice-Presidente do Business Council on International Understanding.

    Está nas direcções da Rockefeller Brothers Fund, UNA-USA, Universidade Americana de Beirut, Universidade Americana do Cairo, Refugees’ International, United Service Organization, Instituto para o Estudo da Diplomacia em Georgetown, Assuntos do Médio Oriente da Princeton University e Columbia University’s SIPA.

  3. Renato Teixeira diz:

    E entretanto Obama diz que só resta rezar. Bando de pulhas é só o que me apraz dizer.

    • Pedro Penilo diz:

      Fico sempre enternecido com os discursos de Obama… A sério, fico mesmo! (Doses cavalares de “Música no Coração”, em criança, dão nisto… Felizmente, passa-me mal acabam (como nos filmes, a legenda “the end”, aparece).

  4. Nunca pús os butes nesse lugar, e também não tenciono pôr agora.
    Tenho ideia que não há nada de especial p’ra ver, e que pode ser (muito) perigoso.
    Demasiada gente com raiva uns aos outros, a acotovelarem-se numa coisa do tamanho de um penso.
    🙁

    • Pedro Penilo diz:

      Curiosamente, (no Kosovo) viveram séculos dentro do mesmo estado, com as mais variadas configurações, e só recentemente lhes deu para as “raivas”… Não seriam “raivas de 2ª circular” que alguém, como o Sr. Wisner, consegue transformar em “raivas de jeito”?

  5. Pingback: Regime coloca snipers ao longo de todo o perímetro e o exército prepara-se para limpar a zona | cinco dias

  6. Pascoal diz:

    Sabes bem que nem Mubarak e a direita egípicia, nem o governo e os magnates americanos, nem o Estado de extrema direita israelita, nem os neo-liberais de todo o mundo nem vários outros ofícios correlativos podem permitir que o levantamento popular no Egipto tenha sucesso.
    A luta vai ser dura, muito dura e por enquanto o seu resultado é incerto.

  7. Von diz:

    O petróleo, sempre o petróleo, à conta do qual todas as atrocidades são justificadas.

  8. V. KALIMATANOS diz:

    E parece que as comadres se estão a zangar, tudo indicando que este caso do Egipto apanhou os serviços de espionagem dos interessados do costume de cu pro ar. A Euronews e o Channel 4 da Inglaterra falam de operativos israelitas em território egípcio e o Obama está com o saco cheio do Mubarak e pede às pessoas para rezarem pela saude dos sitiados da Praça da Liberdade.

    Talvez seja teatro improvisado ditado por nervosismos, mas nunca se sabe. E o marroquino que trabalha aqui na peixaria do meu bairro pediu-me para dizer aos “gajos marxistas leninistas do Cinco Dias”, foi mesmo assim que ele falou, “que não estejam à espera duma revolução vermelha ou preta no Magreb, que nós temos mais que fazer do que andar a fabricar políticos oportunistas para se irem encher em coisas como a União Europeia”. Ingrato.

  9. Pedro Penilo diz:

    Não percebi bem o peixe do peixeiro : ) (Não creio que alguém esteja à espera de uma Revolução Vermelha… Mas se for revolução será sempre vermelha.)

    • V. KALIMATANOS diz:

      Penilo, tem razão, não me ocorreu observar isso ao marroquino. As Revoluções são sempre Vermelhitas, lá dizem os liberais e outro peixe frito revoltado, também a cor preferida dos Rothschilds. Seria nisso que o homem estaria a pensar? Mébi…

  10. Pedro Pousada diz:

    Não há um sniper para o sr.Wisner?Nem a porra de um AVC?Estes eminências infernais, Kissinger, Brezinskys e associados não há meio de desampararem o mundo dos vivos! E ainda por cima estão sempre a ganhar porque os oportunistas e os vende-pátrias são mais que as mães!

  11. Pingback: O último dia de Mubarak??? « Praça do Bocage

Os comentários estão fechados.