Mubarak manda provocadores ao final dos protestos do Cairo e de Alexandria para intimidar manifestantes. [As provocações continuaram pela manhã, desta feita na praça Tahrir centro dos protestos contra o regime, e feitas com polícias à paisana]

Aqui, no Huffington Post, na Al Jazeera, no Público e na Press TV.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

5 respostas a Mubarak manda provocadores ao final dos protestos do Cairo e de Alexandria para intimidar manifestantes. [As provocações continuaram pela manhã, desta feita na praça Tahrir centro dos protestos contra o regime, e feitas com polícias à paisana]

  1. JDC diz:

    Caro Renato,

    Já aqui deixei a minha preocupação acerca de uma possível substituição dos actuais regimes na Tunísia e Egipto por outros mais pró-islâmicos, dando como exemplo ou comparação o regime Islâmico. Na altura o Renato descartou as minhas preocupações. No entanto, o que tenho visto (e pode estar redondamente enganado) é que a Irmandade Islâmica no Egipto é quem se prepara para colher os dividendos destas manifestações…

    • Renato Teixeira diz:

      Se o Egipto e os restantes países do Norte de África e do Médio Oriente tiverem o privilégio de ter eleições livres não terei que ser eu ou o JDC a preocupar-se com as futuras lideranças destes países. Será finalmente o povo ser o sujeito da escolha.
      A Irmandade Muçulmana é o mais importante partido da oposição e teve um papel determinante nas manifestações. É natural que por isso mesmo “colha dividendos” nas urnas.

  2. José diz:

    Até pode ser que assim seja. Provavelmente é.
    Mas porque nunca coloca a hipótese de o povo não ser monolítico e até haver adeptos do Mubarak?
    Se houver, não têm o direito de manifestação?

  3. Pingback: Quando as revoluções não vencem, são derrotadas. | cinco dias

Os comentários estão fechados.