El Baradei revela-se

E apela para que as milhares de pessoas em marcha e concentradas na Praça Tahrir não se desloquem para a residência oficial de Mubarak. Percebido?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

16 respostas a El Baradei revela-se

  1. Leo diz:

    Que ingenuidade, Renato! Só agora é que o El Baradei se revelou?

    Nem sequer ainda percebeu porque é que deram o Nobel da Paz a este boy do ICG? Nem sequer ainda tinha descoberto que El Baradei foi a escolha de tipos da laia de George Soros e Zbigniew Brzezinski e não de egípcios que nem o conhecem? El Baradei é o género de pessoa com quem os líderes ocidentais gostam de lidar, que lhes faz os fretes e conhece bem as estruturas de poder e tem boas ligações às ONG’s, media e outras agências ocidentais.

  2. Eu só espero que uma das minhas amigas (alta, loira, magra, nítidamente europeia, “alvo a abater”…) que anda lá mais para o sul esteja a salvo.
    Não consigo comunicar, portanto…
    🙁

    • Marota diz:

      Porquê alvo a abater James? Eu também tenho andado muito preocupada com uma amiga minha, um tando atarracada, nariz de batata e vive no Cairo. Não atende o telefone. Ando muito preocupada. Será que ela também possa ser um alvo a abater? E se for? Será que dói menos? 😉 – Hehehe foi só brincadeira ^^

  3. Mário Reis diz:

    Não param de nos surpreender…
    Rui Tavares, deputado do BE no Parlamento Europeu, opina hoje no Público que «El Baradei é o homem certo no momento certo e tem de ser apoiado quanto antes para que organize a transição…»
    Estou em crer que Biden, Clinton e Obama perfilham essa opinião…

  4. Youri Paiva diz:

    Esse Rui Tavares também acha que o caso de Cesare Battisti é indiferente. Enfim, não espanta.

  5. Pedro Pousada diz:

    Está visto que sem partido revolucionário não haverá revolução, apenas transição género 1×0=0 (sendo o 1 as classes pobres, a maioria da população do Egipto e 0 o status quo económico obediente ao FMI, ao Banco Mundial, a Washington, Londres e Tel Aviv, os vende-pátrias ou como dizem os media estilo sky news, as classes menos radicalizadas e mais ocidentalizadas, convém que eles sejam iguais a nós para nos ajudarem com essa coisa complicada da democracia os outros ). Mas o Egipto, imagino eu pelo que aprendi nas aulas de História, não é só o Cairo, o que andarão a fazer os camponeses pobres pelas margens do Nilo?Agarrados ao transistor ou a tomar as terras dos latifundiários?

  6. Oh Marota sabe tão bem quanto eu.
    Quando as massas se revoltam, os bandidos juntam-se à cavalgada e fazem acontecer coisas parvas, porque sim…
    🙁

  7. Leo diz:

    Acabei de ouvir na Aljazeera que o Al Baradei nem os pés pôs na manifestação na Praça da Libertação, no Cairo, alegadamente por razões de segurança!…..

  8. Pedro Pousada diz:

    Pois um promitente viceroy para o Obama; só espero que os egípcios não se deixem “embaradar” com negócios palacianos…e assaltem o céu!

  9. Pingback: Quando as revoluções não vencem acabam derrotadas. | cinco dias

Os comentários estão fechados.