CHEGA DE CAUDILHOS – El Baradei é o novo fantoche norte-americano, um Spínola cuja missão é derrotar a revolução do povo.

A nomenclatura da esquerda volta a cair no mesmo erro: o messianismo. El Baradei, um amigo de Washington e de Barack Obama, conviveu sem grandes engulhos com  o regime de Mubarak e sempre esteve mais preocupado com os interesses  dos EUA do que com os desígnios dos egípcios. Agora, da Irmandade Muçulmana aos diferentes partidos da oposição, todos parecem confiar neste homem para negociar as condições da rendição de Mubarak e o futuro do Egipto. Ao contrário da França com Ben Ali, a Casa Branca não deve deixar sem exílio o seu velho compagnon de route. El Baradei vai ser o homem do negócio e vai também lançar as bases para destruir tudo o que a revolução tem semeado, dos organismos de duplo poder ao avanço de um programa de acção mais ambicioso, em particular no auxílio à Palestina. Que o povo egípcio confirme a inteligência que tem demostrado e que não se limite a trocar um déspota por um lacaio. Se assim não for escolherá o caminho mais rápido para derrotar a revolução e para mais cedo que tarde ter que voltar a fazer tudo de novo.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

45 respostas a CHEGA DE CAUDILHOS – El Baradei é o novo fantoche norte-americano, um Spínola cuja missão é derrotar a revolução do povo.

  1. Desculpa lá a ironia, Renato, mas não resisto:
    Ainda bem que existes tu para guiar o povo egípcio para o bom caminho!

    • Renato Teixeira diz:

      Sem nenhum problema Paulo. Todos o caminho são melhores do que o do senhor Baradei. Ou estarei enganado? Será este o vovô que os egípcios precisam para lhes iluminar o caminho? Tenho para comigo que eles fizeram bem as coisas bem antes dele ter aterrado no Cairo.

  2. CausasPerdidas diz:

    A propósito da revolução egípcia, um artigo interessante reproduzido no “Viento Sur” sobre a forma como ela é vista do lado do Estado de Israel: http://www.vientosur.info/articulosweb/noticia/?x=3547

  3. Leo diz:

    “A nomenclatura da esquerda volta a cair no mesmo erro: o messianismo. El Baradei, um amigo de Washington e de Barack Obama, conviveu sem grandes engulhos com o regime de Mubarak e sempre esteve mais preocupado com os interesses dos EUA do que com os desígnios dos egípcios.”

    Está a chamar “nomenclatura da esquerda” a deputados do BE e do PS? Eu chamar-lhes-ia antes Rui Tavares e Ana Gomes.

    • Renato Teixeira diz:

      Esses pelo menos. Mas já vi mais Baradei lovers por aí.

      • V. KALIMATANOS diz:

        Não vale estigmatizar quando não há um nome de anarca ou mao-mao para apresentar como herói garantido. Eu também pensava assim, mas depois encontrei isto na wiki e acho que o homem merece, pelo menos, um pouco de consideração:

        “In an interview with CNN in May 2007, Dr ElBaradei gave one of his sternest warnings against using military action against Iran, a state signatory to the Nuclear Non-Proliferation Treaty. Referring to “the extreme people who have extreme views” he said, “you do not want to give additional argument to some of the ‘new crazies’ who want to say let us go and bomb Iran.”[26]
        New York Times columnist Roger Cohen interviewed ElBaradei in April 2009. ElBaradei is quoted as saying, “Israel would be utterly crazy to attack Iran.” He considers an attack on Iran’s nuclear facilities would “turn the region into a ball of fire and put Iran on a crash course for nuclear weapons with the support of the whole Muslim world.”[27] ElBaradei believes the nuclear non-proliferation regime has “lost its legitimacy in the eyes of Arab public opinion because of the perceived double-standard” in relation to Israel’s nuclear weapons program.[28]
        In an interview with French newspaper Le Monde, ElBaradei said “I want to get people away from the idea that Iran will be a threat from tomorrow, and that we are faced right now with the issue of whether Iran should be bombed or allowed to have the bomb. We are not at all in that situation. Iraq is a glaring example of how, in many cases, the use of force exacerbates the problem rather than solving it.”[10]
        In an interview published on July 12, 2010 in the German magazine Der Spiegel, ElBaradei said “I do not believe that the Iranians are actually producing nuclear weapons. […] in general, the danger of a nuclear-armed Iran is overestimated, some even play it up intentionally.[29]”.

  4. Tiago Silva diz:

    Enfim, se um gajo de esquerda dá uma opinião num blogue, tem pretensões de ser o guia do povo. Se ouvirmos o Marcelo Rebelo de Sousa comentar na TV, é um “comentador”. Enfim…

    Mas Renato, chegaram-se a formar organismos de duplo poder?

    • Renato Teixeira diz:

      Parece que sim. Parlamento de rua, comissões de bairro, etc. Inclusive para defender as ruas das pilhagens que também tiveram dedo do Mubarak.

  5. resumo diz:

    Renato,ele sabe lá quem é o Baradei que dava uma de clerk dos americanos contra o projeto de energia nuclear do Irão?É 0 main stream,boy….

  6. Só uma observação lateral: estive com o PT referido na Guiné e posso garantir uma coisa: ele não era cobarde nenhum, não ficava a «ver a guerra» por um binóculo do alto de um monte distante.
    Ia lá pr’ó meio do barulho, punha-se à frente e arriscava o próprio coiro como qualquer soldado raso.
    É aliás o que se espera de qualquer comandante, e por isso a tropa toda o adorava e o próprio “inimigo” o respeitava.
    Já não podem porque morreram os dois, mas senão poderiam perguntar ao comandante João Bernardo “Nino” Vieira, o chefe do «outro lado»

  7. E já agora Renato as razões porque toda a gente (USA, Israel, etc.) trata o o assunto Egipto com pézinhos-de-lã e luvas de pelica é porque:

    1. O mundo árabe não tem nenhuma tradição de “democracia”.
    São imensas pessoas, a maior parte muito pobres, fácilmente fanatizáveis (até porque a esperança de vida — de qualquer vida — é minúscula) e akilo era um “império enorme, portanto sempre foi governado em tirania. Ache-me um país árabe que seja uma democracia e eu dou-lhe um dôce.

    2. O Egipto é ‘crucial’ na região. País enorme, 80 milhões de egípcios lá dentro. Se akilo cair nas unhas da referida Irmandade (ou outra) está toda a gente com medo que expluda uma bomba, por exemplo à sua porta.

    3. Não custa nada. Lembro-me de um ‘sheik’ qualquer do Hamas (um de voz fininha e histérica, ou morreu de velho ou Israel lhe limpou o sêbo) dizer qualquer coisa como isto:
    «Treino ? Qual treino. A gente ata-lhes um cinto com explosivos à cintura e manda-os ir. E como eles não têm mais nada que fazer claro que vão.»

    O interessante nisto é que os ‘chefinhos’ que mandam os putos faxer isto nunca vão.
    Lá devem ter as suas ponderosas e decerto muito bondosas razões…
    🙁

  8. E chegou a esta conclusão sozinho ? Um iluminado este vermelhusco teixeira.

    Então não foi o sr Baradei que lixou os Americanos com o programa nuclear do Iraque ?

  9. Ah e ia-me esquecendo…
    O Egipto controla o canal de Suez, se isso fechar a minha e a sua conta (e a dos outros) de electricidade vão duplicar, porque a barcaria que traz p’ra cá o pitrolim vai ter que dar uma de Bartolomeu Dias, ´tá a ver ?
    😉

    • A.Silva diz:

      Hai que medo!!… a ver se aquilo acaba se não os mercados… koisa e tal… o preço do gaisólio e da létricidade e aquéla gente aos gritosd…ke medo!

  10. flash gordon diz:

    O Baradei é o Kaulza. Ainda que pareça mais o Rosa Coutinho mas com bigode.

  11. Ernst diz:

    Como sempre vossas excelências confundem os vossos desejos com a realidade.
    Com que então, de repente, começam a acontecer “””””revoluções””””” (tosse, tosse, muita tosse) e vossas excelências desatam a aplaudir pois acham que estas são anti-americanas e tal e que vem ai o “sol radioso” e mais não sei o que !?!?
    Ahahahahahah
    A facilidade com que os USA mudam (ou deixam cair e/ou mudam de passeio e/ou fingem que nem os conhecem, etc, etc) de aliados e estratégia e espantosa e vocês………….nada parecem ter aprendido com a Historia.
    O ar “displicente” (passe o eufemismo) com que os USA (e, ja agora, a UE) estão a encarar esta situação não engana ninguém….a não ser quem queira ser enganado.
    (como se o Ocidente fosse completamente alheio ao que se passa, LOOOOL!)
    Eu se dirigisse um Estado e constatasse, a certo ponto, que o meu maior aliado eram os USA aproveitaria para me dedicar de imediato a outras actividades como a horto-floricultura ou a pesca.

    Declarações de intenções cheias de pompa?
    Desmentidos solenes?
    Apelos?
    Sobrolhos franzidos e ares carrancudos (desta vez nem isso acontece, mas enfim)?
    Acreditam????
    Estão a vontade. Eu também acreditei no Pai Natal ate aos 6 anos. 🙂
    Depois não se queixem das desilusões.

    • V. KALIMATANOS diz:

      Ernst,

      Se bem te entendi, consegues ser o primeiro idiota que transparentemente acredita que os americanos iriam cometer a alarve iniciativa de porem 2 milhões de pessoas na rua para mudarem um governo. Essa nem lembrava ao director do DN, que pode ser parvo mas não nessas coisas. Os americanos quando querem mudar a água às castanhas pagam a uns quantos generais e coroneis e a operação nem precisa de anestesia geral. Comprenda?

  12. Niet diz:

    Carissimo R.Teixeira: Como dizia ironicamente K.Marx, a História só coloca em palco
    os problemas que consegue resolver. El Baradei gera consensos-
    até no interior da Irmandade Muçulmana…- parece ser um
    homem probo, honesto e um sincero democrata. A Liberta-
    ção democrática do Islão precisa de homens como ele nesta
    fase crucial. Niet

    • Renato Teixeira diz:

      Uma frente popular com o homem de mão dos EUA à frente não me parece solução para nada. Muito pelo contrário.

      • Niet diz:

        R. Teixeira: Documentei-me- como o faço sempre,claro- e o El Baradei está longe de ser um incondicional dos EUA. A ” marca do tempo ” na Imaginação, meu caro, só nos pode trazer dor, luto e grilhetas, apontava Freud,caso nos iludamos com a funesta ligeireza dos factos ou interpretações… Eu também gostaria muito que existissem Conselhos Operários e políticas ecológicas no MédioOriente e no Golfo, só que, tais ” sonhos ” implicam todo
        um processo histórico que não cessa de nos desiludir. Niet

      • V. KALIMATANOS diz:

        Renato,

        Enquanto não provares que o homem é de mão (fantoche?), manterei que te chamas Alice e que o teu mundo está cheio de maravilhas.

    • Manuel Monteiro diz:

      Niet
      Esse El Baradei é o Mário Soares lá do sítio…que veio de longe para foder a revolução.
      Manuel Monteiro

  13. Mariana diz:

    Baradei, o “lacaio” americano, foi escolhido pela irmandade muçulmana (anti-americana) como negociador-porta voz dos movimentos de contestação. Porquê, Renato?

  14. Bolota diz:

    Esta Comparação com Spinola é magistral.

    Abraços

  15. Mariana diz:

    Estranho???????
    Não acho nadinha estranho.
    É sempre um prazer perceber que V Exas sofrem de um deficit de elasticidade mental.

  16. josejose diz:

    “Esta Comparação com Spinola é magistral.”

    … eu cá para mim – a comparação – é mais com o Marocas !

    • Niet diz:

      Oh,activissimo Renato Teixeira: eu também apoiei o Ahmede Jibril. Fazia comparações com os discursos dele e os do Bakounine e Nietzsche. Depois, o grande guerrilheiro remeteu-se à clandestinidade no final dos anos 70. Estará na Síria ou estará morto? Isto para dizer, segundo apurei, que o pai do El-Baradei é membro da Irmandade e deu toda a latitude ao filho para entrar em negociações com o seu(dele) partido. Existem 19 partidos políticos no Egipto, qual deles o mais enfraquecido por causa de “compromissos ” com o poder, inclusivé a banda dos estalinistas e m-l. Portanto, as coisas não são fáceis e há que apostar na via democrática e eleições gerais para um Parlamento com poderes constituintes. Niet

      • Renato Teixeira diz:

        Eleições gerais, como é evidente, mas o apoio à revolução em curso nunca poderá ser feito com Baradei. Todo o tempo que estão a ganhar serve apenas para que este se constitua como a alternativa que nunca foi.

        • niet diz:

          O Tarik Ramadan diz que a Irmandade não é um partido politico, mas, sim, uma frente ampla de sensibilidades. O enviado especial de Obama- antigo embaixador no Cairo- vai ” confortar ” as F. Armadas na sua missão democrática e assinar com Moubarak a data da partida, que pode ser antecipada. A família do Rais parece que já voou para Londres, claro. Niet

  17. Pingback: El Baradei revela-se | cinco dias

  18. mesquita alves diz:

    O Paulo Tunhas esteve na Guiné?

  19. Pingback: Quando as revoluções não vencem acabam derrotadas. | cinco dias

Os comentários estão fechados.