Balanço musical 2010 (álbuns)

Tal como no ano passado, só nos finais de Janeiro, inícios de Fevereiro concluo o meu balanço musical do ano transacto. Pode ser tardio, mas julgo que faz mais sentido do que fazê-lo em Novembro ou inícios de Dezembro do próprio ano, ignorando 1 ou 2 meses de produção musical. Em termos discográficos, eis o meu top20 e uma lista extra de 20 menções honrosas:

20 – National – High Violet


Com uma produção grandiloquente e com a excelente colaboração de Sufjan Stevens no melhor tema, a melancolia de Berninger e companhia voltou a marcar pontos.

19 – Wild Nothing – Gemini


Com muito revivalismo 80’s e toques folky lo-fi na linha dos Woods, mas com mais sensibilidade pop, o projecto de Jack Tatum foi uma das surpresas do ano

18 – Cocorosie – Grey Oceans


Mantendo a experimentação vocal característica, mas com incursões por áreas como o jazz, a ópera ou o trip-hop, as irmãs Cassady transcenderam-se e, três discos depois, voltaram a lançar um óptimo trabalho.

17 – Arcade Fire – The Suburbs


Num disco mais arrojado, pela duração e pela aposta nos sintetizadores, era fácil que o resultado fosse catastrófico. Em linha inversa, The Suburbs foi mais uma excelente proposta dos Arcade Fire.

16 – Charlotte Gainsbourg & Beck – IRM


Entre a garra e a fragilidade, entre a candura e o negrume, Charlotte Gainsbourg aproveitou o génio de Beck para, em conjunto, elaborarem um óptimo álbum.

15 – Jacky Molard Quartet & Founé Diarra Trio – N’Diale

Uma das grandes fusões culturais do ano. Seja na linguagem tradicional bretã, quer no lado mais maliano, o resultado é sempre notável e indiciador de uma cumplicidade musical incrível.

14 – Vampire Weekend – Contra

Apesar de menos imediato do que o homónimo e do lado electrónico que inicialmente causa estranheza, o difícil segundo disco dos Vampire Weekend acaba por nos voltar a deixar inebriados com mais alguns hinos à cadência e ao ritmo

13 – Ali Farka Toure & Toumani Diabaté – Ali & Toumani

Resultado complementar das gravações da obra-prima In the Heart of the Moon, o disco póstumo da colaboração entre os dois grandes instrumentistas do Mali volta a ser fabuloso.

12 – Broken Social Scene – Forgiveness Rock Record

Com produção de McEntire dos Tortoise e pontuando a fabulosa predominância épica e eufórica com breves momentos de candura, eis o ponto alto da carreira da super-banda canadiana.

11 – Foals – Total Life Forever

Depois de um primeiro disco irregular, o excelente segundo disco da banda britânica  traz melancolia lindíssima, alguns toques de Fleet Foxes e melodias pop brutais.

10 – Galandum Galundaina – Senhor Galandum

Fieís aos seus caminhos da tradição de Terras de Miranda, os Galandum Galundaina foram mais longe neste seu terceiro disco. Acrescentaram o contributo de óptimos convidados e elementos sonoros mais arrojados, rumo à modernidade

9 – Deerhunter – Halcyon Digest

Com todo a carga de experimentação do universo de Bradford Cox, mas com temas pop cada vez mais soberbos, mais um grande álbum dos Deerhunter.

8 – Beach House – Teen Dream

Depois de um início de carreira algo insosso, Teen Dream é, com menos dormência, alguma aproximação ao shoegaze e óptimas composições pop,  o disco da rendição ao trabalho da banda de Victoria Legrand.

7 – LCD Soundsystem – This is Happening

Aí vão três discos brilhantes da banda de James Murphy. Pode não ter uma “All my Friends” ou uma “Yeah”, mas This is Happening é tão bom ou melhor que o homónimo ou que Sound of Silver

6 – Ariel Pink’s Haunted Graffiti – Before Today

Este revisionismo rendilhado de muita da pop (mesmo a duvidosa) dos 80’s podia resultar facilmente em kitch. Mas há qualquer coisa que, ao invés, o transporta para a dimensão dos discos irresistivelmente bons.

5 – Caribou – Swim

Um fabuloso disco de electrónica, mesmo para quem tem alguns anti-corpos no género. Muito menos pop e muito mais negro do que “Andorra”, mas tão bom ou melhor.

4 – Ry Cooder & The Chieftains – San Patricio

Levando os sopros celtas ao mariachi ou genericamente as tradições musicais da Irlanda até ao México, Ry Cooder voltou a ser mentor de mais uma obra-prima.

3 – Laurie Anderson – Homeland

O retrato negro da América do século XXI de Laurie Anderson está para 2010 como os discos de Portishead e de Flaming Lips estiveram para 2008 e 2009: com tanto de difícil como de brilhante.

2 – Afrocubism – Afrocubism

Reunindo a nata da música do Mali a um Elíades Ochoa inspiradíssimo e a demais talentosos músicos cubanos, Afrocubism confirmou ser o que se esperava: uma obra-prima.

1 – Massive Attack – Heligoland


Há melancolia, há poder claustrofóbico, há trip-hop das origens, há candura electrónica, há convidados como Hope Sandoval, Damon Albarn ou Tunde Adepimpe… No fundo é um verdadeiro best-of de carreira dos Massive Attack, só que através de um álbum de originais.

As 20 menções honrosas (por ordem alfabética):

Amparo Sanchez – Tucson Habana;

Beat Connection – Surf Noir EP;

Black Mountain – Wilderness Heart

Black Keys – Brothers

Chemical Brothers – Further

Delorean – Subiza

Deolinda – A Problemática Colocação de Mastro

Drums – The Drums

Ef – Mourning Golden Morning

Four Tet – There is Love in You

God is an Astronaur – Age of the Fifth Sun

Noiserv – A Day in the Day of the Days

Sharon Jones & The Dap Kings – I Learned the Hard Way

Sufjan Stevens – The Age of Adz

Surfer Blood – Astro Coast

Tame Impala – Innerspeaker

Twin Shadow – Forget

Walkmen – Lisbon

Wimme – Mun

Wolf Parade – Expo 86

Nota: Para terminar o balanço, falta ainda uma listagem de concertos, desilusões, surpresas, confirmações e óptimos discos de 2009 só ouvidos devidamente em 2010.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Balanço musical 2010 (álbuns)

  1. Gracias pela info e pelas opiniões [b]João Torgal[/b] !

    Procurando e escolhendo…

    🙂

  2. Pingback: Tweets that mention Balanço musical 2010 (álbuns) | cinco dias -- Topsy.com

  3. Party Program diz:

    E TU VOTASTE EM QUEM PÁ?!

  4. E tal diz:

    Contra, Forgiveness Rock Record e mesmo o Heligoland à frente do High Violet e The Suburbs.. bem, gostos não se discutem. Acho que Joanna Newsom merecia aí um lugar no top e Male Bonding nas menções honrosas. Vá lá que é dos poucos a valorizar o enorme albúum de Caribou.

  5. Vítor diz:

    Então e o Kanye?

  6. Reis diz:

    Lista mais fraquinha era impossível.

  7. agent diz:

    🙂
    E se essa música fizesse parte dos programas?

  8. agent diz:

    Programas escolares, dizia eu.

Os comentários estão fechados.