Vingativo – parece um projecto pessoal, um único projecto. Vingar, sim, mas vingar o quê? Já agora, e como?? Por onde começará??

Este homem não é o presidente dos portugueses.

Este homem foi eleito com 54% de abstenção.

Este homem não tem estatura para o cargo que desempenha: note-se que foi o único político desta noite que não saudou, cumprimentou nem felicitou nenhum dos adversários, competidores e respectivos espaços políticos. Antes os insultou, denegriu ostensivamente!

Não se trata aqui de cumprimentos de circunstância – não os aprecio igualmente.

Trata-se de dizer, como ele disse, que não esquecia (mas o quê??), de dizer que intenta marcar quem contra ele está e usou determinados argumentos (era o que faltava, não era, exigir escolher o tipo de argumentos dos adversários?…).

Trata-se de dizer que sabe apontar com o dedo.

Certeiro. Com pontaria. E total precisão. Que seja feliz. Que eu não sou, nem fico.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

20 respostas a Vingativo – parece um projecto pessoal, um único projecto. Vingar, sim, mas vingar o quê? Já agora, e como?? Por onde começará??

  1. Antonio diz:

    Mas eu nem sei porque me dou ao trabalho, mas, acha que só Cavaco teve culpa que 54% dos eleitores decidiu não votar? E porque é que esses 54% não votaram? Porque é que não votaram no seu candidato, seja lá qual ele for?

    E quanto a insultos… porque é que os outros candidatos não optaram por apresentar as suas ideias durante a campanha eleitoral em vez de passarem o tempo todo a insultar este presidente que, bem ou mal, foi eleito pela maioria dos eleitores que se deram ao trabalho de votar?

    E quem lhe deu a si autoridade para representar quem não votou? Quem não votou não votou e ninguém tem o direito de se apropriar desse espaço.

    Haja respeito pelo outros, por quem venceu justamente.

    • Carlos Vidal diz:

      Cavaco não venceu justamente.
      Tudo foi feito para afastar o maior número possível de pessoas das urnas.
      As eleições, como esta o demonstrou, são um processo pré-codificado.
      Hoje, Cavaco mostrou o seu nível, educação e civilidade.
      Insultou todos os seus adversários – e a todos ameaçou.
      Ninguém, mas ninguém mesmo o insultou na campanha.
      Está, de facto, tudo por saber acerca das suas relações com o BPN (ou as pessoas que o administravam).
      Passe bem.
      O futuro próximo é seu. Não é meu.

      • a diz:

        Jorge Sampaio não foi o “presidente dos portugueses” ao ser eleito (com o apoio do PCP) com uma abstenção superior a 50%?

        • Carlos Vidal diz:

          No contexto da actual democracia, que não é a minha, Sampaio, apesar de tudo, foi eleito com 50% e não 54% de abstenções. Além disso, como figura de representação, ou como figura apenas, tem um carácter e uma dignidade, sobretudo na vitória, ou teve-o, de modo que não se pode comparar com o “eleito” da noite de ontém!

  2. Abilio Rosa diz:

    SÓCRATES, O VELHACO, DEVE ESTAR A COMEMORAR MAIS A TRAMPA SOARISTA.
    ELIMINOU O ALEGRE, VAI PÔR O BLOCO DE ESQUERDA NA SARJETA, E TEM UM PRESIDENTE POLITICAMENTE DIMINUIDO E COM O ESTATUTO DE EX–IMACULADO.
    QUE MAIS SÓCRATES PODERIA TER GANHO NESTAS ELEIÇÕES??
    A LUTA AGORA DEVE SER NAS RUAS!!!!

    • Carlos Vidal diz:

      Caro amigo,
      Tudo, mas mesmo tudo certo o que disse.
      Aplaudo.
      Bingo! Diz o homem do Herón Castilho.
      E como ele, Sócrates, vai ser mais Passos Coelho que o Passos Coelho, tudo agora lhe corre de feição. E o outro tonto, o Passos propriamente dito, nem disso se apercebeu.

    • Rui F diz:

      Queres apostar comigo que nem assim o PCP se reforça?

      • antónimo diz:

        Pois, pá. O PCP é que é o teu problema. Desde que o PCP não se reforce, está-se numa grande, numa catita.

      • Carlos Vidal diz:

        Não é um problema de reforço, é um problema de força.
        Esse é um espaço da razão, ou da racionalidade, e não forçosamente da quantidade.

  3. maradona diz:

    Eu, na qualidade representante dos anónimos (eleito sem abstenção, mas só com votos em branco), estou obrigado a considerar que este post está bom e que com ele concordo em toda a sua extensão. Nada disto invalida, no entanto.

  4. Augusto diz:

    Cavaco obteve os votos suficientes para ser eleito, e isso em democracia tem de se respeitar.

    Só que Cavaco Silva tem explicações a dar pelos seus negócios duvidosos, com o BPN e a SLN, as suas ligações perigosas a banqueiros corruptos e ladrões , como o João Rendeiro, ou o Oliveira e Costa já para não falar do seu especial amigo Dias Loureiro, e mesmo a alguns empresários a contas com a justiça , e que estavam na sua comissão de honra de sua recandidatura.

    Em Democracia um Presidente da Republica em exercicio , tem de estar acima de qualquer suspeita, e Cavaco não está , e não são ameaças veladas, que o isentam de se explicar com clareza, e acima de tudo com HONESTIDADE.

  5. Pingback: Bravo, Abílio Rosa – o futuro próximo não vai ser muito diferente deste seu cenário e, já agora, da minha resposta (ver post em baixo, linkado) | cinco dias

  6. 3 ou 4 notas:

    1. O «abóbora» está ligeiramente (só muito ligeiramente…) menos “incivilizado”, deve ser da idade e do cargo, se estão lembrados a criatura era muito pior dantes.
    Agora também deve dispôr de uns ‘inteligentes” que lhe escrevem as coisas p’ra ele dixer, vá lá que parece que o home ainda sabe ler e tudo…

    2. O “serviço público” neste país está entregue da mediania para baixo, no sentido em que os melhores de entre nós estão fartos de aturar ‘gente estranha’ (mas faz parte disto a que chamamos democracia, é assim ou nada…) e portanto andam a tratar da própria vidinha.

    3. Estou de acordo com tudo o que o Abílio Rosa deixou acima.
    Mesmo que o «cócratelhudo» perca as próximas, estas já estão no papo.
    Ele que vá aproveitando, os tipos (ele, o Coelho, o filho mais novo do arqº…) são sopa da mesma gamela, é um jogo de espelhos e fingimento.
    Quem fingir melhor adianta-se, na próxima calha aos outros.

    4. Não me perguntem a mim por favor, também não sei qual é o«remédio» ou sequer se há um.

    🙁

  7. charles V diz:

    a vingança é a unica força do nosso povo, portanto o projecto pessoal do representante continua, mesmo após a declaração de fidelidade do manequim do BES-BCP.

    • Carlos Vidal diz:

      Sócrates votou Cavaco Silva.
      Louçã perdeu o norte e a legitimidade, ou seja, a vocação e propensão crítica.
      O PCP marcou a sua diferença, justíssima, com Francisco Lopes.
      É tempo de irredutibilidades, de não ceder a nada, de não hibridizar, o BE não é fiável.
      O manequim ri-se, mas deverá ser por pouco tempo.

Os comentários estão fechados.