Perder sem concorrer e ganhar sem vencer

Coelho ganhou no Funchal e quase ganhava na Madeira e provou que nem sempre quem tem mais eleitores ganha. Jardim viu o seu partido e o seu candidato somar mais votos, mas foi o grande derrotado da direita pneumática.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 respostas a Perder sem concorrer e ganhar sem vencer

  1. Luís diz:

    Vou citar o Coelho em notícia da TVI:

    José Manuel Coelho: «Cavaco recebeu cartão vermelho»
    Candidato lamentou não ter podido debater nas televisões.
    José Manuel Coelho, reagiu assim aos resultados eleitorais:

    «Agradeço a votação expressiva no Continente, onde tive 4,5 por cento. É um resultado extraordinário, atendendo a que a candidatura foi marginalizada nos debates televisivos. É um sinal de que os portugueses estão cansados do capitalismo selvagem. É um sinal para Cavaco Silva mudar de política e obrigar o primeiro-ministro a fazer política de combate à corrupção e em prol dos ideais de Abril. Gostaria de ter debatido os casos do BPN e Quinta da Coelha e a situação anti-democrática da Madeira onde temos um tiranete que fecha a assembleia quando quer. A situação do nosso país já não será mesma, Cavaco Silva recebeu um cartão vermelho».

  2. Luís diz:

    Porquê o apoio de PND a Coelho?
    Hitler tinha um discurso socialista até radical antes de chegar ao poder, não era só conversa racista sobre a superioridade da raça.
    Mussolini foi durante mais de 10 anos militante de um na altura, marxista, operário e radical, Partido Socialista Italiano, e não era um militante qualquer, era redactor de jornais que agitavam a luta de classes, sendo preso por participar na agitação de greves operárias. Ao agitador operário juntou-se as ideias reaccionárias, e pequeno-burguesas, de Nitchze – elitistas e anti-igualitárias. E voilá: discurso de esquerda + experiência em agitação marxista + adesão a ideias elitistas (leia-se sede de poder e adesão a partido de ultra-direita) = ascenção fascista.
    Ainda não é isto que se passa com o Coelho, mas a realidade é que a extrema-direita já está a usar os velhos truques do passado, com sucesso.
    O discurso de Coelho canalizou votos que estavam contra Cavaco mas que não apoiariam Nobre nem Alegre, o discurso de Coelho foi sem dúvida um discurso comunista, e tirou votos a Francisco Lopes.
    Ao contrário do que Coelho diz a comunicação social deu-lhe um destaque até inesperado, provavelmente mais do que ao Defensor Moura que começou mais cedo a candidatura.

  3. E também uma enorme derrota para a UDP-M, perdão, para o BE-M, e restante oposição.

  4. Pingback: O cartão foi amarelo, mas o Coelho tem toda a razão. | cinco dias

Os comentários estão fechados.