O cartão foi amarelo, mas o Coelho tem toda a razão.

«Agradeço a votação expressiva no Continente, onde tive 4,5 por cento. É um resultado extraordinário, atendendo a que a candidatura foi marginalizada nos debates televisivos. É um sinal de que os portugueses estão cansados do capitalismo selvagem. É um sinal para Cavaco Silva mudar de política e obrigar o primeiro-ministro a fazer política de combate à corrupção e em prol dos ideais de Abril. Gostaria de ter debatido os casos do BPN e Quinta da Coelha e a situação anti-democrática da Madeira onde temos um tiranete que fecha a assembleia quando quer. A situação do nosso país já não será mesma, Cavaco Silva recebeu um cartão vermelho»

Via leitor.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

Uma resposta a O cartão foi amarelo, mas o Coelho tem toda a razão.

  1. o da boa-fé diz:

    J. M. Coelho, o único candidato digno do meu voto (como se o meu voto valesse um caralho): o único que NÃO FEZ PROPAGANDA no tempo de antena da Antena 1.

    ‘Política sem propaganda’ é uma bonita prenda que este candidato decidiu oferecer ao mal agradecido povão deste país.

Os comentários estão fechados.