A DERROTA DO CENTRÃO: o país está a farto de Sobas!

Cavaco perdeu meio milhão e Alegre 300 mil.

O centrão teve 3.006.400 votos, menos de um terço dos eleitores.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

16 respostas a A DERROTA DO CENTRÃO: o país está a farto de Sobas!

  1. Portela Menos 1 diz:

    e FL perdeu 138 mil…
    mas isso agora não interessa nada; haveremos de fazer a revolução com os 7,15%.

      • Renato Teixeira diz:

        Já li o Ricardo Alves dizer isso umas três vezes hoje, e não lhe li uma palavra sobre o que se passou com Alegre. Também estou curioso para saber o que dizem os apoiantes de Francisco Lopes, mas de si gostava mais de ouvir outro tipo de explicações.

        • Escrevi sobre o que aconteceu a Alegre no meu blogue. Perdeu quase 300 mil votos, um quarto dos seus votos de 2006. Mas Francisco Lopes perdeu mais de um terço dos votos de Jerónimo.

          • Renato Teixeira diz:

            Não consegue. Tente novamente falar do Alegre sem falar do Lopes. A sério, só uma vez para bater com o seu marxismo analítico no peito. Orgulhosamente.

    • Leo diz:

      FL perdeu? Como se foi a 1ª vez que ele se candidatou? Há 4 meses era um ilustre desconhecido como por aqui se fartaram de lembrar.

      Cavaco perdeu mesmo mais de 500.000, Alegre mais de 300.000 e o candidato soarista ficou com quase 200.000 a menos do que Soares. FL candidatou-se pela 1ª vez, uma estreia absoluta e teve mais votos que Rosas e Loução – conhecidos e promovidos desde há décadas pelos media exactamente como Nobre.

      À primeira FL ganhou mais de 300.000. E está para lavar e durar.

  2. Quero-te felicitar, Renato, pela tua espectacular vitória nas eleições de hoje, que por aqui vais comemorando, transbordando de felicidade de um modo que até comove: pela vitória do Cavaco, quer dizer, a derrota do Alegre e dos outros todos, e pela espectacular taxa de abstenção, para a qual muito contribuíram os que estão fartos disto tudo, os que não querem saber, os que ontem se meteram nos copos e hoje não foram lá porque lhes doía a cabeça, e os que se atrasaram nas compras do centro comercial. Que bela vitória!

    • Renato Teixeira diz:

      Não se comova André. Nem todas as vitórias me cabem. Ajudei a derrotar Alegre, sim, assim como Cavaco, ao fazer parte dos perto de 60% de gente que se juntou à abstenção, aos brancos e aos nulos. Acha que qualquer segunda volta lhe tiraria mais legitimidade do que aquela que ele perdeu hoje?

      • Deve haver quase um milhão de eleitores que estão mortos ou a votar noutro sítio. Tire-os das suas contas.

        • Renato Teixeira diz:

          Tanto azedume, Ricardo Alves. A luta continua para derrotar o governo Sócrates.

          • Não é questão de azedume, é de de rigor analítico. Há um milhão ou mais de «eleitores fantasma». E portanto não devia estar a dar direito de voto aos mortos.

            Pensava que os marxistas se gabavam de uma análise «científica» da realidade. Não é, decididamente, o caso do Renato.

          • Renato Teixeira diz:

            Se gostam mas nem sempre acertam. Neste caso, o Ricardo está a errar faz pelo menos cinco anos. Mas anime-se. A esquerda grande ainda é possível e desta vez mesmo de esquerda.

  3. José diz:

    E, ainda assim, ganharam, não foi?
    Essa veia das vitórias morais ficou-lhe por ser adepto da Académica?

  4. Pahs, não se iludam.
    Nos US, onde o processo de votação é uma burocracia e uma complicação do escanimambo, há taxas de abstenção em eleições estaduais que chegam quase aos 70%…
    Depois os eleitos em sorte limitam-se a não falar disso, e a concentrar-se nos 30% de outros 30% (do the math) que tiveram acima dos 20 ou 15% da concorrência.
    E depois básicamente quase só se pode votar burro ou elefante.
    Nas tintas e toca a andar, é o mote deles…
    😉

  5. Pingback: Rescaldo. | vida breve

Os comentários estão fechados.