S.O.S. Educação PÚBLICA

Este post é, pasme-se, um elogio a uma medida do governo: o corte nos subsídios no Ensino Privado.

Não só por ser uma poupança adequada de fundos, mas por ser uma obrigação moral que já há muito deveria existir. Só peca por tardio e por escasso. Com excepção de algumas escolas que compensam a falta de oferta de ensino público (e se assim é, é de perguntar porque é que isso acontece), todas as outras estão em verdadeira concorrência com o Ensino Público. Cada pessoa é livre de optar pelo Privado, mas, se quer um luxo, que o pague devidamente. Como tal, o Estado não só não deveria financiar este tipo de escolas (quanto a mim, os cortes deveriam ser totais, com os fundos reverteriam para a escola pública), como tem obrigação de as fiscalizar devidamente, para que não se tornem escolas-empresa. Assim, o que acontece é que as Escolas Privadas recebem do Estado e dos alunos. É uma festa rumo a lucros bestiais.

A imagem é do Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra. Um dos tais que o Estado deveria financiar com 0€, pois está situado numa zona onde a oferta educativa é mais que muita

Em relação a esta medida governamental, enquanto o Presidente Aníbal asssitiu impávido à destruição do Ensino Público pelos Ministérios da Educação Socratino,  o Candidato Silva mostrou-se muito preocupado com estes cortes na educação, no que considera ser um “desígnio”. O cinismo e oportunismo pseudo-responsável já não surpreendem…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a S.O.S. Educação PÚBLICA

  1. Leitor Costumeiro diz:

    A lista de pedidos de S.O.S é demasiado extensa…
    S.O.S Portugal!

  2. Renato Teixeira diz:

    Que dia chocho para elogiar o governo…

  3. a anarca diz:

    Sou tão ingénua 🙂
    pensava que o ensino privado era privado e independente do estado .
    não tenho pachorra para pedinchices !

  4. O Colégio Rainha Santa Isabel, não precisa mesmo de dinheiros do Estado.
    Porque uma coisa é certa, quem vai para este colégio… pobre não é, portanto pode sustentar o estabelecimento dito privado.
    Segundo, sei que esta escola é da equipa do “deixo-te passar se pagares”… como a ARCA… e afins…
    No outro dia questionei a minha professora de design e comunicação… e… artes visuais, perguntei de onde vinha ela, onde estudou…
    Ao responder “Estudei na ARCA” decidi fazer logo a segunda pergunta… “E a professora era daquelas que pagava para a passarem… e que se quer saber vou mudar de turno, nunca mais irei querer ter aulas consigo, porque aulas… sabe o que é isso?”
    São privados, são privados. Sustentem-se… Porque se recebem recebem fundos públicos, é porque os estatutos da instituição devem estar com erros a esse nível.

  5. Não era para elogiar o governo, Renato, mas referir uma questão absolutamente ridícula (o privado ser altamente financiado pelo Estado) e expor mais uma atitude impressionante do Professor Silva. Mas como poderiam ter surgido todos os escândalos e mais alguns que nada mudaria, como isto é um país de atrasados mentais, temos reeleição à primeira volta.

    Mais 5 anos de cavaquismo, a que se seguirão (espero que me engane) 10 de Barrosismo, o herói nacional vindo gloriosamente da Europa para “servir” o país.

  6. Falas do corte financeiro ou do protesto.?

    Se é do protesto, dou-te razão. Há tanta coisa para reclamar com este governo, esta é das poucas em que age com justiça.

    Se é do corte (presumo que não), não te reconheço. Adapto a tua frase: com tanto corte escandaloso e socialmente injusto, este não fará sentido, não afectará primordialmente as classes mais priviliegiadas?

Os comentários estão fechados.