TAROLOGIA ELEITORAL: As contas de ontem e de amanhã.

As contas de amanhã são simples de fazer: para haver segunda volta a hecatombe da candidatura do Alegre tem que chegar pelo menos aos 30% dos votos expressos, Francisco Lopes tem que fazer um brilharete de dois dígitos assim como os restantes três candidatos juntos. Se tivermos em conta o que se passou durante a campanha eleitoral nenhum dos três poderá cumprir com o que diz ser necessário, mas se qualquer um dos cinco conseguir ir acima destes valores até pode compensar o fracasso dos restantes. Eu, sinceramente, acho que vão todos morrer na praia dos seus objectivos e só a candidatura do PCP parece ter condições para surpreender. O povo, mesmo que todos se venham a unir contra Cavaco numa hipotética segunda volta, tem a garantia que vai continuar a ser fodido.

*Os votos nulos e brancos não contribuem para o plebiscito contra revolucionário entre Alegre e Cavaco.
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

8 respostas a TAROLOGIA ELEITORAL: As contas de ontem e de amanhã.

  1. rui david diz:

    eu diria mais. Francisco Lopes só terá condições para surpreender, se não surpreender.
    Como representante do partido que representa a maioria do povo trabalhador, é inevitável, e portanto sem surpresa, que ganhe folgadamente, o que não será surpresa nenhuma. Surpresa seria se por eventual fraude eleitoral ou manipulação Ciosa (ou uma outra qualquer condição objectiva ou subjectiva que se tornasse objectiva mediante certas condições…) tivesse uma votação da ordem dos 10% para baixo. Aí sim, certamente que representaria um avanço das forças democráticas, um reforço da democracia e um cartão amarelo à política neoliberal do Governo PS, mas mesmo assim, seria um bocasdinho surpreendente.

  2. Pedro Penilo diz:

    Boas contas, sim senhor. O contexto é diferente, mas serve de guia.

    • Renato Teixeira diz:

      Tem linhas cruzadas, claro, mas o central na análise pode passar por aqui: Nobre e Alegre juntos não serão mais votados do que foram Alegre e Soares e está visto que os votos do BE não se vão somar por inteiro na contabilidade Alegre. Lopes dificilmente será mais votado que Jerónimo (vejamos o quanto o voto do BE aterra aqui) e dificilmente Cavaco irá perder muitos votos. Apesar de achar que os números nem sempre falam alto, desta feita a coisa está de maneira a que serão bastante esclarecedores.

  3. A minha bola de cristal diz que Nobre e Coelho amanhã vão surpreender muita gente, em particular toda a gente que milita em partidos, e ainda não percebeu que a revolta está muito apontada contra “os políticos”, indiscriminadamente.
    E a abstenção vai surpreender Cavaco, que vai ter muito menos votos do que teve.
    Mas admito que o cristal esteja embaciado. Logo se vê.

    • Renato Teixeira diz:

      Veremos. Eu continuo a achar que com as pessoas nesse estado de espírito, ganha acima de tudo a abstenção e não mais ou menos nebulosos candidatos de protesto. Infelizmente nestes casos as máquinas partidárias contam e acho que ao contrário do que prevês será mais fácil perceber os votos do aparato. Esperemos que tenhas razão. Seria uma boa notícia. Quanto a Nobre viu passar-lhe ao lado uma grande oportunidade. O ridículo às vezes mata.

  4. LAM diz:

    Boa contabilidade. Talvez com mais uns pós na abstenção, a coisa não deve andar longe disso.
    Não há muita margem para esticar, se Alegre conseguir (que não consegue) os 30%, nenhum dos outros chega aos dois dígitos.

    • Renato Teixeira diz:

      Não há margem, de facto, e concordo que qualquer um dos três factores necessários só serão possíveis com uma grande abstenção.

  5. Pingback: Os grandes derrotados – O milhão do concílio do Alegre: 1.138.297 vs 814.556 votos. | cinco dias

Os comentários estão fechados.