O voto é útil quando não é fútil: o que nos separa, não me unifica.

NEM CAVACO, NEM ALEGRE! NEM SÓCRATES, NEM PASSOS COELHO!

PS E PSD SÃO O MESMO LADO DO PROBLEMA E NÃO SÃO SOLUÇÃO!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

37 respostas a O voto é útil quando não é fútil: o que nos separa, não me unifica.

  1. brie diz:

    Nem mais!

  2. miguel serras pereira diz:

    Ó Renato Teixeira, eu até tenho combatido a ideia de que é útil – excepto ao governo e alguns altos responsáveis e beneficiários do regime – votar Alegre contra Cavaco. Mas, você, não se unifique, não, e depois admire-se se ouvir para aí escandida, pelos pró-sionistas do costume, a palavra de ordem (oportunista): “Nem Renato, nem Teixeira”. Não é Pessoa quem quer…

    msp

  3. Carlos Vidal diz:

    Explica-te lá melhor.
    Nem…. nem…. Francisco Lopes?

    • Miguel Franco diz:

      Nem Francisco Lopes

    • Renato Teixeira diz:

      Confesso-me tentado. Só para ver o PCP alinhar na salvação nacional na segunda volta. De todo em todo foi claramente a melhor campanha e se a caneta escorregasse seria para o seu nome.

      • Renato Teixeira diz:

        Ou seja caríssimo. Para já para já, há que derrotar Cavaco e Alegre já na primeira volta. 😉

        Como dizia ao Bruno Carvalho num debate paralelo: “O PCP pode chegar aos dois dígitos e ser o garante da ida do Alegre à segunda volta. A questão vem depois. Onde é que isso nos aquece se colocamos de parte, e bem, o apoio a Alegre mesmo na segunda volta?”

  4. xatoo diz:

    com Manuel Alegre poderá haver um “acontecimento” que desencadeie uma implosão do sistema partidário tal como ele hoje se nos apresenta. Coisa que não acontecerá decerto com a troupe do Cavaco que é unha com carne com o mais reacionário que existe no P”S”, gama, vitorino, lellos, vitalinos, etc – esta seita, que gere um sistema moribundo, dispõe ainda assim de um poder inaudito! porque é apoiada e são meros serventuários de interesses estrangeiros.
    Face a esta situação, a abstenção e os votos nulos e brancos, independentemente das intenções de protesto que lhe estejam subjacentes, constituem autênticos votos a favor de Cavaco Silva

    • a anarca diz:

      nem mais !

    • Renato Teixeira diz:

      Um grande acontecimento esse. O que seria? Levantamento nacional? Organismos de duplo poder? Movimento popular que nem a campanha gerou? Mais depressa ficaria convencido do Obama. Para quem não gosta de neocons votar na Fatah cá do sítio o xatoo está bem encaminhado.

  5. Não tenham ilusões, nem recriminações, não vale a pena…
    É que não vale mesmo.
    O fulaninho que lá está vai lá ficar na mesma, e o mundo não vai cair a partir disso.
    Aposta ?

  6. o da boa-fé diz:

    Algum candidato é pelo fim da escravatura do trabalho assalariado? Da propriedade intelectual? Dos shoppings? Da ditadura do automóvel no espaço público? Da privatização da costa? Da elitização do nosso património histórico (por ex. através das Pousadas de Portugal)? Da gentrificação dos bairros e aldeias mais simpáticos deste miserável país? (Das roubalheiras do Pinto da Costa?) Não? Então não voto!

    (Nem… nem… nem no Francisco Lopes.)

    Claro que estou consciente que o meu não-voto (e o de MILHÕES de tugas) levará Cavaco a presidente!!!

    O meu não-voto terá assim o mérito de contribuir para que o poder se apresente sem máscaras, sem plásticas, sem cirurgias estéticas. Ca-va-co!!

    O meu apelo: por um poder sem disfarces. Por um poder opressor. Por Cavaco Silva!!! Para que todos desejemos cuspir na face do poder!

    Pelos atentados e pelas bombas!! Por Cavaco Silva!!!

    Só assim (apoiando Ca-va-co) conseguiremos despertar o povo estúpido e apático deste país para um novo 25 de Abril!!!

    No Domingo vota não-votando! Apoia Cavaco! Um novo 25 de Abril está próximo!! Mais meia década de Cavaco e ele já não poderá escapar-nos!

    • Renato Teixeira diz:

      Então não encontrou nada sobre o grande Coelho? Nada que faça acreditar que o seu voto mais não é do que o reforço do plebiscito entre Alegre e Cavaco?

  7. o da boa-fé diz:

    Xatoo, você está cheio de graça. O happening Alegre… Ah, ah, ah! Mas que rico acontecimento!! Tanto paleio, tanto paleio, e no fim de contas do que você precisa é de um happening. (Deve achar o Obama o máximo; e adorou certamente o Lula.)

    • Renato Teixeira diz:

      Pela lógica do Xatoo, como já lhe disse em cima, qualquer um desses dois representou mais movimento do que o Alegre. Ainda assim, e bem, creio que não apoiou nenhum dos dois. Mas rectifique-me se estiver enganado.

  8. José diz:

    Ah, sim, o Manuel Alegre é decerto o revolucionário que irá provocar a implosão do sistema partidário!

    • Renato Teixeira diz:

      A bomba atómica que a esquerda revolucionária nunca tinha descoberto. A direita, de resto, anda borrada de medo. Borrada, repito.

  9. xatoo diz:

    o “acontecimento” já está a acontecer. Sócrates, como aliado natural de Cavaco, apoiou a candidatura de Alegre apenas para a torpedear. (como por outro lado a fundação Soares paga a conta do Nobre). O terreno está armadilhado. Neste contexto o factor Alegre (não sendo o protagonista de facto revolucionário) pode muito bem provocar a resolução de clivagens que tenham resultados inesperados. Quem mais está em posição de o fazer?
    Será melhor deixar a iniciativa a Cavaco Silva e à polícia de choque?

    • Renato Teixeira diz:

      É uma merda a realidade não ser como nós a desejamos. Xatoo, não há esse candidato, e a haver teria que ter a base social do PCP, não do PS. O PS é no máximo um aliado para as reformas democráticas, foi-o na questão do aborto, é-o em cada vez menos questões. No que toca à dicotomia que os interessa o PS é um exercito de reserva do capital, não do que quer que conspire contra ele. Ou não tem sido sempre assim, com o PS daqui e com os PS’s por esse mundo fora?

  10. Uma coisa que ainda não entendi direito e completamente.
    Eu não vou lá pôr os butes , até porque me daria trabalho, e ‘brancos & nulos’ são contabilizados assim, assado, cozido ou frito.
    Agora, não ir também é ‘contabilizado’ ? ?
    i.e. se o fulaninho fôr eleito por mais de a metade de 30 ou 40% dos votos (em sendo que o resto da malta lhe deu com os pés, espero eu) isso vale na mesma ??
    Nos US of A a abstenção é ‘fenomenal’, mas os gajinhos estão-se a marimbar, fazem é continhas aos ‘votos expressos’.
    Aki também ???
    A branco.

    🙁

    • Ricardo diz:

      Brancos, nulos e não votos (abstenção) valem todos o mesmo: nada!
      Só contam os votos válidos nos candidatos. O que tiver mais um voto que os outros todos juntos, ganha logo na primeira volta. Caso contrário, os dois mais votados disputam uma segunda volta. Mesmo que só votassem 50%, 40%, 30%, 20%,… dos eleitores.

  11. Leitor Costumeiro diz:

    Úteis ou não a maioria os votos vão cair no Cavaco, seja na primeira ou na segunda volta…

    Até prefiro que só aja uma volta, senão qualquer dia quem arranja umas armas e sai a disparar aleatoriamente sou eu…É difícil manter a sanidade no meio de tanta anormalidade…

  12. Teixo diz:

    Pergunta direta: E se, por artes do diabo, houver uma segunda volta entre cavaco e alegre, em quem votareis?

    • Renato Teixeira diz:

      Na luta e na praia.

      • Teixo diz:

        Estamos conversados.
        É no que dá, o sectarismo, a intolerancia…
        Espero que ganhem coragem para derrubar os vossos muros.
        Por mim e neste caso, nem que do outro lado estivesse um coelho,
        porque o meu alvo é derrotar cavaco.

        • Renato Teixeira diz:

          Teixo, caminhamos pelo voto útil há 37 anos, quer-me dizer o que conquistou tamanho espírito de unidade?

  13. Teixo não conte muito com essa, não vai haver, e não é óbviamente por mim.
    🙁

  14. Hugo diz:

    No dia a seguir às eleições, aparece por norma um grafitti na base de uma estátua ou cantaria de um prédio em Lisboa a dizer “55% Ganhámos”. A abstenção tem ganho. O desinteresse cresce, e esta invisibilidade será a unica arma capaz de derrotar os sistema opressivo em que vivemos. É claro que o abismo que esta situação acarreta mais facilmente cria um estado de emergência (esse do Giorgio Agamben, que os Estados Unidos recorrem frequentemente).
    Para além do desinteresse, devemos perceber aqueles que não votam por opção, porque ao votar (mesmo em branco) estariam a dizer que acreditam no sistema vigente e apenas não encontram a força política que os represente.
    A esquerda, na forma participativa e crítica, dá pela sua visibilidade uma ferramenta preciosa ao sistema vigente.

    • Renato Teixeira diz:

      Não vejo a esquerda nem muito participativa, nem muito crítica, nem muito ferramenta, embora tem razão quando diz que é cada vez mais vigente.

  15. Ricardo diz:

    Mesmo sem acreditar no sistema vigente, temos mais e melhores condições para lutar que caso façamos como muitos por esse mundo fora que deixaram de lutar e intervir, também no sistema, e cada vez estão mais sós e incapazes de transformar o mundo.

Os comentários estão fechados.