Coisa de ocasião

Qualquer comunista percebe que Lopes se situa à esquerda do candidato apoiado pelo BE/PS

OPINIAO | 21 JANEIRO, 2011 – 02:50 | POR ANÓNIMO [MILITANTE DO BE]

Rapsódia a partir da nova Prodigiosa Fantasia do Luís Fazenda, divulgado aqui pelo Tiago.

O Bloco de Esquerda entendeu não ter um candidato próprio às eleições presidenciais. Já se esperava e o anúncio do apoio à candidatura de Manuel Alegre foi recebido com naturalidade. O BE não vislumbrou em Louçã a possibilidade de uma convergência de sectores da esquerda, nem avaliou o papel que este candidato podia ter como garantia democrática face à ofensiva ultraliberal contra a Constituição da República. O BE desvalorizou a zero a diferença entre a eventual candidatura de Louçã e a que protagonizou há cinco anos atrás: foi especialmente no percurso posterior que o bloquista entrou em choque com o PS acerca dos pontos fundamentais da política do governo de J. Sócrates, o que acumula forças para a resistência popular numa relação de forças tão adversa às forças de esquerda. O BE não quis mesmo saber se Alegre era realmente um desalinhado do PS, apoiado cedo e prematuramente sem saber se o PS o iria apoiar, como se isso não fizesse a diferença. Técnica que o BE conhece, desde que o Zé fez falta. Bem, ainda assim o BE achou tudo isso insuficiente. Respeita-se a opção. O candidato marialva já nem sequer periga uma passagem à 2ª volta, se ela fosse possível. Até aqui tudo normal.

O que já é incompreensível é o esforço de Manuel Alegre, José Sócrates, Luís Fazenda e outros dirigentes partidários para se desmarcarem uns dos outros tentando encostar Alegre ora ao PS, ora ao BE. “Entre PSD/CDS e PS não há alternativa, são duas componentes políticas do desastre”. Lopes dixit e frases do mesmo género há muitas de Jerónimo ou Fazenda. Rebuscam o argumento com o euro, como se todos eles não tivessem sido contra Maastricht e como se não percebessem que neste momento a divisória da luta de classes é os serviços públicos e o estado social, onde BE e PCP tem estado lado a lado, contra o centro-direita que domina os combates.

Seguramente que o espaço de crítica à consistência e coerência de esquerda é bem vindo, o que é qualitativamente diverso do ataque necessário ao liberalismo blairista de Sócrates e de todos aqueles que estiveram ao lado do PS nos momentos mais importantes, nos quais Alegre afirma ter estado. Mas não é isso que o BE faz. Para fins de pura demagogia eleitoralista este partido quer apresentar-se como se Alegre nunca tivesse apoiado nenhuma política do “regime”. Porém Alegre caçador, esteve com o 25 de Novembro e cerca de 30 anos como deputado eleito pelo PS. Foi mesmo eleito nas listas de Sócrates. Qualquer comunista, repito e sublinho, qualquer comunista percebe que Lopes se situa à esquerda do candidato apoiado por BE/PS e, mais recentemente, PCTP-MRPP. E é aqui que o processo tresanda a oportunismo. Ao BE só lhe interessa a eventualidade próxima de legislativas, está agora a fazer as suas primárias, as presidenciais não contam. O BE continua fazendo as escolhas do seu apodrecimento, mesmo quando troca o alvo e batalha. Tudo, claro, em nome da “esquerda democrática e plural” porque a esquerda tem as costas largas. Podem sentir-se a disputar o poder, mas o preço a pagar é alto. O poder, por definição, corrompe.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

15 respostas a Coisa de ocasião

  1. Renato Teixeira diz:

    A esquerda grande, tem preço. Parabéns pela coragem cujos factos começam a exigir que sejam ditos em voz alta e sem medo de o dizer com o nome próprio. Boas lutas Anónimo.

  2. Rui F diz:

    palhaçada 🙂

  3. Augusto diz:

    Os militantes do Bloco de Esquerda não se escondem em anonimatos, porque podem livremente dar a sua opinião.

    O que no PCP é impossivel…..

    • Pedro Penilo diz:

      Ai é? Não me diga!

    • Miguel Lopes diz:

      O que é que isso tem a ver com o que está a ser discutido?

    • António Figueira diz:

      Augusto, o Lopes está obviamente à esquerda do Alegre, porque está fora do “arco da governação”, e contra esse facto não há argumentos (nem reticências…..).

      • Augusto diz:

        Se Lopes é ou não de uma esquerda mais á esquerda do que Alegre , parece-me uma questão de lana caprina.

        Para mim o Bloco de Esquerda é de Esquerda, naquilo que eu acho que a esquerda tem de mais importante , a defesa da Liberdade, e do pluralismo de opiniões….

        E Antonio Figueira eu estava a responder, ao arremedo de opinião, de um tal “anónimo” que se diz militante do Bloco de Esquerda.

        E repito, nenhum militante do Bloco de Esquerda, se precisa de refugiar em anonimatos, para exprimir publicamente as suas divergências.

        Ao contrário dos militantes do PCP, que se exprimirem publicamente as suas divergências são expulsos…..

        Aliás nem se atrevem….

        • Renato Teixeira diz:

          É mentira, mas provar isso neste espaço isso sim seria de lana caprina. A seu tempo e em posta, quando voltar a ser assunto, farei um bom resumo disso com histórias tão macabras como pré-inscrições (negociadas entre correntes) para falar em Assembleias, militantes críticos afastados da estrutura profissional, negação de congresso a mais de 200 militantes, acordos palacianos para eleição de delegados, promoção de lambe cús, etc, etc. etc. A sério Augusto, nem tente ir por aí que é caminho onde o BE não fica bem na fotografia.

    • Renato Teixeira diz:

      Está visto.

    • A.Silva diz:

      Augusto, não diga disparates.

  4. Teixo diz:

    Subscrevo inteiramente o artigo de Luis Fazenda.
    Só o sectarismo cristalizado impede uma votação massiça em Alegre.

    • Renato Teixeira diz:

      Só a falta de vergonha e de vontade para fazer melhor impede a capacidade de auto-crítica. Dialéctica para a gaveta, já!

  5. xatoo diz:

    o camarada Lopes é um Reformista, decerto ligado a um grupo de pessoas com boas intenções, mas que são reformistas. E a aceitação popular do reformismo não ultrapassa os 5/6 por cento
    O BE é social democrata, numa época em que o capitalismo já não está em estado de ser recauchutado… assim sendo…
    já que hipóteses de revolução nicles, devemos usar o voto, primeiro, para expelir de Belém a actual Múmia neoconservada, segundo votar pela soberania nacional possivel…

  6. rui david diz:

    Esta do militante anónimo do Bloco é hilariante. Parece que o hipotético homem tirou as palavras da boca a uma data de gente.

Os comentários estão fechados.