VOTE! VOTE! VOTE!

Autoria de Daniel Amarelo, via Facebook.

Por um Domingo sem sapos, pela terceira volta e pelo povo a presidente!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

3 respostas a VOTE! VOTE! VOTE!

  1. Ricardo diz:

    Pois, mas assim o povo não será presidente, só mesmo os interesses do Capital representado por Cavaco Silva…
    É pena que o preconceito anti-comunista não o permita agir de forma consequente…

    • Renato Teixeira diz:

      Ricardo, não tenho nenhum preconceito anti-comunista. De resto, acho que o seu comentário enferma do que acusa. Porque raio alguns militantes do PC pensam ter o exclusivo desse campo ideológico?

      Votaria PCP sem problema nenhum, assim ele apresenta-se um candidato e uma campanha movimentista e não sectária, que quisesse mais do que um referendo ao brilhantismo do seu Comité Central.

      • Ricardo diz:

        Pelos vistos denunciar a hipocrisia dos que se afirmam estar com o povo e mostram-se comprometidos com os que estão contra o povo é ser sectário. Pelos vistos as denúncias que o Renato tem feito são, de acordo com as suas palavras, um sectarismo de um brilhantismo intelectual em que apenas e quase só o Renato é capaz e tem razão.
        Não quero ser preconceituoso, nem sectário, nem hostil, em relação ao Renato. Mas não posso deixar de assinalar que na denúncia e mobilização, na sensibilidade e forntalidade da candidatura de Francsico Lopes, o Renato não encontra, se quer vislumbra, a hipótese de contribuir para votar afirmando o seu justo protesto e um acto que dá força à abragência que tem que lutar por um novo rumo, patriótico e de esquerda para Portugal.
        Independentemente daqueles que o Renato considera (legitimamente) que estariam em melhores condições para na presidência protagonizar um novo rumo, será sectarismo desvalorizar e discordar de Francisco Lopes apenas porque representa a escolha de um colectivo partidário, representado no seu Comité Central, que prosseguindo o pensamento e a acção do Manifesto, colectivamente toma partido.

Os comentários estão fechados.