Extrema-direita na Europa

Hoje, no Público, aparece uma pequena e simplista – mas útil – descrição da extrema-direita emergente na Europa. Sobre o CDS/PP ou do PNR, nem uma palavra, mas não deixa de ser assustadora a forma tão à vontade e sem grandes problemas que esses partidos e movimentos se passeiam nos parlamentos e nas ruas. E pior: isto aparece quase que como uma curiosidade e não particularmente preocupante.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

13 respostas a Extrema-direita na Europa

  1. José Manuel diz:

    O CDS/PP não é um partido de extrema-direita.

    O PNR é, mas tem muito pouca expressão em Portugal – o que não se passa com outros partidos de extrema-direita noutros países europeus.

  2. Youri Paiva diz:

    O CDS tanto pode ser de extrema-direita como pode não o ser. Ou seja, populista como é, a sua viragem pode acontecer muito rapidamente – basta existirem condições para isso. Estes cartazes que apareceram em 2009 e 2010 acho que demonstram bem isso, pegarem em assuntos que noutras alturas teriam pouca tolerância, mas agora pelo contrário, têm adesão.

    A imbecilidade do PNR – como a sua evidente ligação a movimentos neo-nazis violentos – é um dos motivos pelo qual não tem grande expressão. O CDS não tem, actualmente , esse problema.

  3. JMG diz:

    O CDS passeia-se no Parlamento porque houve aí uns 10% de votantes que o escolheram em eleições em que cada um disse o que quis; nas mesmas eleições houve também votantes que escolheram o PCP, o qual igualmente se passeia no Parlamento. Como isto é óbvio, e como o óbvio aparentemente não é óbvio, segue-se que os eleitores do PCP são mais lúcidos do que eu. Talvez. Mas quem decide? Se é este Youri Paiva, bem – não o escolhi para decidir por mim.

    • Youri Paiva diz:

      Que eu tenha dado conta não estou a decidir nada por ti. Lá por existirem 10% de votantes no CDS significa que isso não possa ser pensado e discutido?

  4. Ze de Fare diz:

    De todos esses grupelhos palermoides, incluindo CDS’s e PNR’s, o mais complicado é o Jobbik.
    Mas tenhamos esperança no futuro. Ben Ali fugiu à frente do povo e Il Cavaliere foi chamado a tribunal por mais um caso prostituição…

  5. Lara Croft diz:

    Particularmente preocupante é também a popularidade do vosso blogue e o número de visitas. Espero que venham todos como eu, divertir-se sem serem afectados com a ignorância e com os tiques totalitários que estão implicitos em todos os vossos escritos. CDS-PP extrema direita?? Obrigada pela gargalhada! 😀 ahahahah
    Podem dar graças a Deus por vivermos num espaço e tempo que não pretende privar movimentos de cidadãos de expressar as suas alternativas políticas, caso contrário, já há muito que vos tinham limpo o sarampo. Era uma purga bem retribuída de volta a este pessoal que aqui escreve.

    • Youri Paiva diz:

      É uma pena é que não nos tenham limpo o sarampo. Pouco autoritária essa visão, sim. Sobre o que o CDS passa, como o exemplo linkado (e nos comentários alguém lembrou outros exemplos), nem uma palavra.

  6. Miguel Vaz diz:

    Extrema-direita? Ai, que horror.

  7. André diz:

    Tipos da extrema-esquerda a criticar a extrema-direita, isto é no mínimo hilariante :D.

  8. Yuri Popov diz:

    CDS/PP extrema direita? :-))

    Aquele palhaço (não, não estou a falar do Berlusconi) Italiano condenado a prisão perpétua pelos tribunais de uma Democracia e a quem o Lula impediu a extradição com um despacho, passando por cima do poder judicial, é um “activista” de esquerda. Já o CDS/PP é de extrema direita!
    Espero que Museu de Fósseis da Política vos conserve em bom estado.

    • Youri Paiva diz:

      Mas eu não disse que o CDS era de extrema-direita, é uma discussão que se pode ter. O que há pela Europa fora é o crescimento de movimentos, partidos e ideias de extrema-direita, o CDS acaba por – defendendo aquilo que defende, vendendo esta imagem do cá democrático e lá populista – aproveitar essa onda.

  9. Pingback: A malta gosta do Sarkozy, só acha que ele faz pouco | cinco dias

Os comentários estão fechados.