O candidato dos Metralhas

Cavaco tem feito a sua campanha centrada em duas ou três respostas-base nas quais procura evitar escorregar. A que me parece mais extraordinária é a ideia que terá avisado o governo de todos os males do capitalismo ainda que ninguém o tenha ouvido. Quem pense um minuto sobre o argumento interrogar-se-á certamente, porque carga de água é que se deve então eleger Cavaco? Mas adiante, pois o argumento não é verdadeiro.
A desvalorização do papel do Presidente da República é uma defesa de Cavaco. Com o mesmo quadro constitucional, Jorge Sampaio não hesitou em chamar a Belém António Guterres, para o fazer demitir Armando Vara – depois de umas falcatruas numa Fundação.
Cinco anos de silêncio sobre o Procurador Geral da República, Cândida Almeida, Armando Vara, famiglia Penedos, Rui Pedro Soares, Dias Loureiro, etc… não desvalorizam o papel do Presidente da República, descredibilizam o candidato Cavaco Silva.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 respostas a O candidato dos Metralhas

  1. Pingback: Se estabilidade é isto, viva a instabilidade! | cinco dias

  2. Carlos Vidal diz:

    O candidato de Sócrates, evidentemente.

Os comentários estão fechados.