Sexta-feira santa

Hoje foi um santo dia. Fiz quase 900 km de carro, de maneira que pude ouvir muitas rádios. Primeiro, foi o adeus do Le Pen. Continuou com o Berlusconi quase a ser agarrado devido a algumas das suas traficâncias. Cada vez tem menos pernas para fugir. E acabou com um que fugiu mesmo: o Ben Ali. What a day! Pelo meio, os meus ouvidos captavam vagamente, como se fossem sombras chinesas, uns ruídos de uma tal campanha presidencial

Hoje foi um santo dia! Fiz quase 900 km de carro, de maneira que pude ouvir muitas rádios, muitas notícias. E boas notícias: logo de madrugada, foi o adeus do Le Pen. Continuou com o Berlusconi prestes a ser agarrado devido a algumas das suas traficâncias. Cada vez tem menos pernas para fugir. Será desta? (Pelo meio, os meus ouvidos captavam vagamente, como se fossem sombras chinesas, uns ruídos de uma tal campanha presidencial.) E o dia acabou em glória, com um que fugiu mesmo: o ditador tunisino Ben Ali. O seu reinado de 23 anos, acarinhado pela França e pela UE, não acabou sem antes ter assassinado mais de seis dezenas de manifestantes. No último acto, hoje mesmo, começou a dia a decretar o estado de sítio, continuou demitindo o seu governo e anunciando que ficava «só» até 2014… e acabou em fuga para local ainda desconhecido. Peut-être chez son ami Sarkozy?

What a day!


Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Sexta-feira santa

  1. Pingback: Às vezes, vale a pena escrever… | cinco dias

Os comentários estão fechados.