sê um bom comPatriota

O título da posta do Tiago fez-me lembrar desta:

O Cavaco é um monstro, sim, mas estas eleições e estes candidatos e estas campanhas já me começam a dar a volta ao estômago… Um é o candidato apoiado pelo governo de Sócrates, o outro entre milhares de palavras que existem na língua escolhe para a sua campanha «patriótica» com P grande…
Cada vez uma pessoa se torna mais anarca.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

8 respostas a sê um bom comPatriota

  1. ricardo noronha diz:

    Não é?

  2. Von diz:

    Contando com os últimos dois posts, a banda sonora deste blog tem melhorado a olhos vistos.

  3. Ilídio PG diz:

    Querida Diana, se entenderes, como eu (como nós), como um teu saudoso familiar que muito respeitas (muito respeito, muito respeitamos), a Pátria (com P grande), não como uma entidade abstracta, mítica, corporificada numa bandeira a que se deve especial reverência, mas como um povo concreto, de carne e osso, que trabalha, que luta, que sofre, então digo-te que não pode ser bom internacionalista quem, antes de mais, não estiver disposto a compartilhar da luta e do sofrimento do seu povo.

    Não pode ser grande internacionalista aquele, ou aquela, que, antes de mais, não ama o seu próprio povo.

    E escuso de explicar a uma jovem bem intencionada e de esquerda, que, na boca das forças progressistas consequentes e, no caso que interessa, na boca do candidato Francisco Lopes, povo português inclui, naturalmente, os imigrantes que cá vivem e trabalham. Exactamente por isso, porque cá vivem e trabalham.

    Mas se a palavra Pátria, ainda que na boca do povo trabalhador ou dos que se reclamam e lutam pelas suas causas, te pode dar a volta ao estômago, pensa ao menos na palavra de ordem que a acompanha: “candidatura patriótica e de ESQUERDA”.

    Esquerda, amiga. Esquerda não apena em palavras (projectos, programas, medidas, orientações), mas em atitudes e em actos.

    Que não seja uma consoante do alfabeto, minúscula ou maúscula, a distraír-te daquilo que verdadeiramente importa, daquilo que verdadeiramente está em jogo. Contribuir para uma verdadeira ruptura com orientação política que, tanto o “monstro” Cavaco, como o pateta Alegre, andam a caucionar e, mais do que isso, incentivar e promover há décadas neste nosso desgraçado país.

    Boa reflexão, moça.

    • Youri Paiva diz:

      Acho que o saudoso familiar da Diana não tinha propriamente essa visão da coisa, em tudo o que li e ouvi dele nunca essa palavra me apareceu, mas posso estar enganado.

      Mas percebo onde queres chegar. E percebo que o patriotismo da candidatura do Francisco Lopes e do PCP é diferente do patriotismo nacionalista da direita. Ainda assim, acho que defender a pátria – ser patriota – não serve para rigorosamente nada. É que a pátria, o país, a nação, enfim, o território e a língua – pelo menos – não é só dos trabalhadores. Fico algo confuso com o que é ser patriota.

  4. Von diz:

    Sugestão musical para post a propósito: http://www.youtube.com/watch?v=bIHvjuhEnVk

  5. CD diz:

    não sabes se é de engolir ou deitar fora???
    Escolhe melhores companhias..

  6. miguel serras pereira diz:

    Para seu bem, Ilídio, espero que se envergonhe do que escreveu no seu comentário à la César das Neves. A Pátria e a Família já estão no seu altar – só falta a invocação de Deus para melhor intimar a Diana a emendar-se. Foi lapso seu, não?

    msp

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    Diana, olha que o João San Payo dos Peste e Sida não tem dúvidas no que deve votar: http://www.franciscolopes.pt/apoiantes-da-candidatura-de-francisco-lopes

Os comentários estão fechados.