Presidente deposto recebido como chefe de Estado – Depois disto ainda haverá quem fale bem dos EUA?

Ao mesmo tempo que, no Líbano, o Hezbollah provocava a queda do governo, nos EUA, Obama recebia “ex” primeiro-ministro Said Hariri como se nada se passasse.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Presidente deposto recebido como chefe de Estado – Depois disto ainda haverá quem fale bem dos EUA?

  1. l'outre diz:

    Portanto, devemos dizer mal do Brasil porque recebeu Marcelo Caetano depois da revolução de Abril.

    Também devemos dizer mal da Inglaterra por ter acolhido o Rei D. Manuel II aquando da republicanização do regime.

    E nem quero pensar nos nomes que devo chamar a Portugal por ter acolhido Carlos I da Áustria no final da 1ª grande guerra.

    • Renato Teixeira diz:

      Não está a perceber. Falo de receber como chefe de Estado. Que Hariri fosse aos EUA ver as modas não me faria confusão, mas é outro o problema.

  2. André diz:

    Não perceber muito da coisa dá nisto: uma posta de pescada. O Hariri não é, sim ainda se mantém em funções, Presidente do Líbano. É sim o Primeiro-Ministro e mesmo com a saída do Hezbollah (uma organização da qual o Renato certamente gostará muito) do Governo ainda se manterá em funções a pedido do Presidente.

    • Renato Teixeira diz:

      Coberto de legitimidade, no Líbano e nos EUA.

      • miguel serras pereira diz:

        Sim, Renato Teixeira, confesso que não o sabia tão preocupado com questões de protocolo, tão absolutamente ornamentais. Subestimei-o.
        Mas, já que está a falar do Hezbollah, talvez não lhe ficasse mal ler – e dar conta da leitura – do texto que o Jorge Valadas publicou neste post (http://viasfacto.blogspot.com/2011/01/contra-os-muros-construiremos-sonhos.html) e das palavras com que o apresenta.
        Sente-se com disposição para dizer aos jovens israelitas e palestinianos que escrevem: “Fuck Hamas. Fuck Israel. Fuck Fatah. Fuck UN. Fuck UNWRA. Fuck USA!” que, muito bem, mas comecem por engrossar as fileiras da “resistência islâmica” e assegurar a sua vitória militar?

        msp

Os comentários estão fechados.