Patriota, de esquerda e internacionalista

Ao contrário da Diana isso não me parece contraditório. No nosso mundo de capitalismo globalizado há exploradores e explorados, mas também há povos que são oprimidos. Ser-se patriota, de esquerda e internacionalista é recusar o nacionalismo, mas afirmar que os povos , as pessoas e as comunidades de todo o mundo têm direito à autodeterminação. Só isso.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Patriota, de esquerda e internacionalista

  1. Pingback: De caixinha em caixinha, até à vitória final | cinco dias

Os comentários estão fechados.