O ADÁGIO DO ALLEGRO – Razões para a falta de entusiasmo e do sectarismo ou porque é mais importante para a esquerda combater o governo de José Sócrates do que a estátua de Cavaco Silva.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

21 respostas a O ADÁGIO DO ALLEGRO – Razões para a falta de entusiasmo e do sectarismo ou porque é mais importante para a esquerda combater o governo de José Sócrates do que a estátua de Cavaco Silva.

  1. gg diz:

    era o que faltava agora… que estas eleições fossem um Ámen a estes senhores, todos tão comprometidos com a política que sem implementando em Portugal e, para todos aqueles que efectivamente querem um outro rumo, se refugiassem na necessária derrota de Cavaco, para limparem quem tem responsabilidades no desastre nacional… oh teixeira, foi uma boa tentativa, mas se podíamos viver sem ela, claro que sim…

    Francisco Lopes é para aqueles que, querendo derrotar Cavaco, querem uma mudança a sério, vai o voto dia 23 de Janeiro!

  2. A. Trigueiro diz:

    Não vamos confundir a bota com a perdigota !

    A luta contra Cavaco e contra Sócrates são ambas essenciais; não se anulam uma à outra, porque são faces da mesma moeda.

    Apesar do folclore, estas personagens no essencial estão de acordo.

    Por isso, na 1ª volta das presidenciais qualquer voto expresso contra Cavaco não é inútil, apesar de uns serem mais úteis do que outros.

    • Renato Teixeira diz:

      E como se expressa o voto contra o Sócrates?

      • a anarca diz:

        Votando no Chico 🙂

      • A. Trigueiro diz:

        O voto contra Sócrates expressa-se sempre que o dito cujo se apresente a eleições, tal como ambos fizemos nas últimas e faremos nas próximas , seja o próprio ou um qualquer “clone” que se apresente a defender as mesmas políticas.
        Já a luta contra estas políticas é um trabalho de todos os dias, que cada um faz como melhor pode e sabe.

        • Renato Teixeira diz:

          A. trigueiro, tem razão no que diz mas isso não muda o facto de que cada voto em Alegre é um voto que vai reforçar o governo do Partido Socialista. Veja os vídeos. Verá que é isso, especialmente entre os adágios da candidatura, que motiva toda a gente.

          • A. Trigueiro diz:

            Eu voto no Francisco Lopes e vai para ele o meu apelo ao voto. Mas se encontar alguém que se recuse a votar neste candidato e que se prepare para não ir votar ou a ir votar branco ou nulo, então tentarei que essa pessoa vá votar num dos outros candidatos, excepto no Cavaco.
            E o Renato, nestas circunstâncias, o que aconselha ?

  3. Pascoal diz:

    Está bem.
    Podes votar no Cavaco.

  4. Mariano Carvalho diz:

    Mais uma ajuda a Cavaco do pseudo-esquerdista, dito anarquista, do Renato.

    Nada a acrescentar quanto ao caso BNP, aos amigos de Cavaco.

    Tudo está centrado em torno de um ataque repetitivo e desequilibrado contra a candidatura de Alegre.

    No entanto, as repetições, em excesso, cansam e daí já não aparece assim tanta gente a escrever na caixa de comentários do Renato.

    Porque razão será?

    • Renato Teixeira diz:

      Mariano Carvalho, veja que as repetições nunca serão mais insistentes de quem faz campanha à esquerda só a falar de Cavaco. Para quem não gosta de repetições e para quem acha inócuo o que têm a dizer os “pseudo-esquerdistas” é a quarta vez que diz que eu sou um “dito” anarquista, pelo que se insistir sem o demonstrar não o voltarei a aprovar, evidentemente. Continuação de boa vigilância mas sugiro que se quer ver odes a Alegre procure outro autor ou outra tasca onde esse discurso é dominante.

    • alves diz:

      Um esquerdista já é um pseudo-comunista… um pseudo-esquerdista é o quê mesmo? A perfixação é um jogo muito divertido para ideólogos de café.

  5. xatoo diz:

    tenho acompanhado a tua sanha contra o “candidato do capitalismo fofinho”. É verdade que assim é, compreendo que prefiras o outro (ou no minimo isso seja indiferente para o pensamento radical)… Cavaco não é nenhuma estátua. Longe disso. Cavaco Silva é o chefe do Estado maior das Forças Armadas e é nessa qualidade que reporta à NATO. Aliás, esta empreitada guerrófila multinacional nem sequer faz parte do orçamento de Estado. Portanto, é completamente descabida, e faz o jogo do status-quo, a mensagem que se vai fazendo passar por aí a sugerir que o “presidente não manda nada”

  6. LAM diz:

    o actual e provavelmente futuro PR não é o Sócas. Não há que tergiversar em relação a isto. Se nas personagens da direita (Sócrates, Cavaco e resto da trupe no mesmo balde), quem disputa esta eleição é Cavaco, é contra Cavaco que devem ir os votos. A Sócrates lá chegaremos, mas não há-de ser agora, antes de mais porque Sócrates, agora e com a vitória de Cavaco, pode ser dos que ao longe também festejem a festa na marquise da travessa do Possolo.

    • Renato Teixeira diz:

      LAM, muito sinteticamente, a vitória do Alegre reforça ou fragiliza o Governo Sócrates? Ou se quiser inverta os factores: uma derrota esmagadora de Alegre, reforça ou fragiliza o Governo Sócrates?

      • LAM diz:

        Muito sinteticamente e com o que já sabemos, não vai haver nenhuma vitória de Alegre. Partamos daqui.

        • Renato Teixeira diz:

          É preciso que a derrota seja total. Estrondosa. Canta-se vitória se somados, os votos de Alegre e Cavaco forem menos que todos os outros, abstenção inclusivé.

  7. Joaquim Lopes diz:

    A repetição leva ao excesso. O excesso à desgraça. A desgraça ao desespero.

Os comentários estão fechados.