Nunca tive nenhuma dúvida acerca disto:

“Disto” [no título do post] quer dizer o seguinte:

– Agora que J Sócrates, pela calada ou sorrateiramente, se preparava para votar Cavaco Silva no próximo dia 23, e eu não tenho dúvidas desta opção claríssima do sujeito em causa, estas notícias sobre Cavaco, decididamente, são preocupantes. (Aliás, só os muito burros, como sempre os do “JUGULAR”, não querem perceber este “drama”.)

– J Sócrates e a sua alma gémea estão em maus lençóis. Espero que alguma coisa lhes aconteça de justo. Votos para 2011 (e para quanto antes).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Nunca tive nenhuma dúvida acerca disto:

  1. Abilio Rosa diz:

    Este homem não tem condições para ser Presidente da Republica Portuguesa.

    Não devemos esquecer que ele recebeu noutras épocas para financiar as suas milionárias campanhas eleitorais contributos generosos de pessoas ligadas a estes bancos e também a indíviduos conotados com o sub-mundo da finaça e dos negócios trafulhas.

    Isto diz muito da merda da qualidade da democracia portuguesa.

    Enquanto há candidatos e partidos que recebem pequenos contributos dos seus militantes e apoiantes, há aqui um candidato que tem recebido fundos para financiar as suas campanhas megalómanas dos banqueiros, dos donos do dinheiro e dos grandes interesses instalados.

    Como diz o Abominável João César das Neve: não há almoços grátis!!!!

    E

  2. Tiago Mota Saraiva diz:

    O socratismo não cresceu de geração espontânea. As suas raízes e força andam de braço dado com o cavaquismo.

  3. Hugo Moreira diz:

    Mais uma razão para irmos votar num candidato da esquerda e não fazer como alguns, neste blog, que apelam ao voto em branco.

    • Carlos Vidal diz:

      Candidato de esquerda diz bem o meu caro.
      Um candidato de esquerda não pode ser uma sopa da pedra, nem um cozido com todos. Só Francisco Lopes, nas suas declarações, exerce a intenção e projecta demarcações: ele diz muito claramente – não represento o capital nem os interesses!
      Que outro candidato fala com esta clareza?

  4. Carlos Vidal diz:

    O socratismo nasce do cavaquismo, e este do soarismo:
    as metástases funcionam como funcionam. Qualquer clínico explica isto (e muito mais).
    Em concreto, em concreto, só há ainda governo Sócrates (+Teixeira) por obra e graça de Cavaco. Cavaco é aquele que, desde sempre, tem imposto Sócrates e assegurado a sua sobrevivência (o caso do OE 2011 foi o mais recente exempl). Por uma razão simples:
    o homem do Heron Castilho, sozinho, não o conseguiria!
    O BPN é um assunto do PS e do PSD: Constâncio ainda não respondeu nada acerca do seu papel. Está em exílio dourado.

    • Koshba 666 diz:

      E com o aval do BCE!!!Como é que é possivel?é pq é tudo a mesma merda,por aqui se aquilata o ‘valor’ dos ‘tecnocratas’ europeus,tão adiantados que eles estão…..

  5. Uma destas décadas, quando tiver tempo, ainda hei-de ir ler isso do jugular, entretanto contento-me com as vossas recensões e etc..
    Porque é que os malditos dias não têm assim umas 36 horas ?
    Só porque zeus (ou o big-bang, ou o raio…) não pôs ixto a orbitar assim mais lá p’ra trás ?

    Secca…
    😉

    • Carlos Vidal diz:

      Caro Major,
      Refere-se ao facto, suponho, do aberrante JUGULAR não reconhecer Cavaco e Sócrates como almas gémeas.
      Mas são-no, e nós sabemo-lo, em tudo:
      na pequenez cultural e humana, nas “ideias” políticas, na cooperação estratégica (e atenção à palavra “estratégica”!!), na mundividência nula.
      Tudo é muito evidente: um deseja o outro e o outro necessita do primeiro.
      Não sebrevivem sozinhos. São o mesmo projecto político, isto é, são o mesmo “nada”.

  6. Justiniano diz:

    Sim, caro Vidal, de um certo modo são a representação do “impasse” desta nossa “social democracia”. Como diz o caro TMS o Socratismo advém do Cavaquismo e como bem completa o caro Vidal que aquele advém, por sua vez, do Soarismo!!! De onde provém, então, o lugar natural da social democracia, tão mais consensual que o princípio liberal!!?? Tão natural que antes de o ser já era, como se naquele tempo se adivinhasse o seu advento!!
    Finalmente, não sendo pertinente em relação ao seu texto, ouvi, hoje, do Louçã a mais perigosa ideia do último ano. Um poema travestido de banco de terras. Vem isto a propósito da ideia anterior! É sabido que o BE se rendeu perigosamente à social democracia como quem se rende a um pai endinheirado e aguarda…Bem, adivinha-se, evidentemente, que a coisa não terá aquela pulsão revolucionária de outros tempos, com discussão acerca da legitimidade do direito de propriedade ou sequer da prescrição por decadencia e desuso, isto, não obstante o seu ensaio (coisa aliás já adiantada em época de incendios florestais e a propósito da mesma). Será, a final se embalada, de outro modo, dentro do paradigma constitucional, mais um, mecanismo, do universo liberal, de “contrato forçado”, um híbrido atípico de arrendamento forçado onde a prodigiosa social democracia lá tratará de, fundamentalmente, financiar!!

    • Carlos Vidal diz:

      É isso meu caro Justiniano, o BE bem pode ser caracterizado como o novo-rico da social-democracia, ou seja, o recém chegado à família. Qualquer das suas propostas “radicais” parece-me que se resume a uma espera de que “pingue” algo de cima.
      Mas o problema é outro: onde está a social-democracia??
      Em Portugal nunca tal coisa existiu, e nenhum partido ou associação nela vê qualquer referência a não ser retórica. Então a pergunta é ainda outra, por fim: porque é que o BE adere a uma coisa que não existe por cá?, nunca existiu, é, por vezes, falada ao mesmo tempo que os poderes reais se encarregam sistematicamente de desmantelar todo e qualquer esboço de uma sua provável e remota edificação? Porque é que o BE adere a este jogo??

      • Justiniano diz:

        Caríssimo Vidal,
        Não é líquido que inexista, face à actual conformação do princípio da socialidade, “social democracia”. Pelo menos “ela” está entre nós no campo normativo dos princípios e das regras e tem sido, admita-se, “bondosamente” densificada, sendo precisamente esse o problema, tal como o caro Vidal quer referir, a bondade incidental!!
        Quanto ao BE, sinceramente, caro Vidal, não sei!! Para além do mercado da “bondade” “fracturante”, parecem-me genuinamente “absorvidos” e apostados em manter os dois que refere no texto, talvez como instrumento de manutenção do estado actual da arte!! É medo!!

        • Carlos Vidal diz:

          Eu entendo aonde quer chegar, meu caro.
          Mas, na universidade, basta a coisa “acordo de Bolonha” para se perceber que cá (mais cá, evidentemente – é a minha posição), como “lá fora”, a social-democracia já foi às urtigas.

  7. Abilio Rosa diz:

    VOTAR NO CAMARADA FRANCISCO LOPES DEVE SER OBRIGAÇÃO DE QUALQUER COMUNISTA QUE SE PREZE E APELO A TOSOS OS TRABALHADORES QUE DÊM O VOTO A ESTE HOMEM SIMPLES, AFÁVEL E DETERMINADO, PARA PODER ENFRENTAR OS CANDIDATOS QUE SÃO PROCURADORES DOS BANQUEIROS E DOS TRAFULHAS QUE IMPUSERAM A DESGRAÇA E A RUINA Á MAIORIA DOS PORTUGUESES!

  8. lingrinhas diz:

    Ó vidal voces sabem tudo porquê? aprenderam na coreia do norte ou em cuba?

Os comentários estão fechados.