A eleição da miss t-shirt molhada

O actual presidente Cavaco Silva recusou-se a responder a uma pergunta do Público sobre o Serviço Nacional de Saúde, dizendo que como árbitro não podia ter opinião sobre a matéria. Essa ideia de um presidente castrado que não tem convicções sobre nada despoleta a seguinte questão paradoxal: então como eleger um presidente? Qual é o critério dessa escolha? Se a gente não decide com base na posição política, vota com que fundamento ? A beleza é uma caracterísitica pouco provável atendendo às trombas dos candidatos, será a perícia para comer bolo rei?
Estranhamente, no mesmo jornal, o candidato/presidente tem opinião sobre a economia. Parece que quando a questão é pouco cómoda ele não tem posição ou manda o Alexandre Relvas ter por ele. Quem quiser confirmar que Cavaco é contra o Serviço Nacional de Saúde basta ler o Compromisso Portugal do Relvas. Esta espécie de Jorge Coelho do árbito está lá para nos dizer o que o candidato pensa, mas não confessa.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

3 respostas a A eleição da miss t-shirt molhada

  1. Pingback: Tweets that mention A eleição da miss t-shirt molhada | cinco dias -- Topsy.com

  2. Abilio Rosa diz:

    Dêm voz a este antigo «camarada» que denuncia o regime do tiranete da Madeira, o qual apoia o Sr. Silva, o tal que ganhou 140% num investimento em dois anos!
    Nem com o Madoff!!!!

  3. Bom, o Alexandre Relvas (que só conheço muitíssimo vagamente porque foi colega de um dos meus irmãos ou de uma das minhas cunhadas numa fc. qualquer) tem sobre o outro urso uma vantagem competitiva ou duas: é muito mais novo creio que era o melhor aluno do seu curso.
    Agora eu julgava que o gajo andava a fazer vinho e a andar de iate, pelo visto velhas fidelidades voltaram ao de cima ou o mar e as uvas já não são o que eram…
    Santa paciência…
    Se calhar ainda me prejudico com isto, mas vou repetir à mesma: o Cavaco Silva é um absoluto idiota, mas suponho que enquanto povo levamos exactamente com os «lambécunas» que merecemos.

    🙁

Os comentários estão fechados.