Longa vida ao Ariel Sharon!

Há cinco anos sem matar ninguém!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

79 respostas a Longa vida ao Ariel Sharon!

  1. Leitor Costumeiro diz:

    O senhor merece passar muito tempo sem essa e outras capacidades…
    Mas autêntica tortura….é não poder matar….

    • Renato Teixeira diz:

      Aquilo que parece uma cama não é um divã de tortura? Eu acho que dificilmente se poderia encomendar melhor castigo.

      • Leitor Costumeiro diz:

        Podia tornar-se imortal…Ou viver segunda vez nestas condições..EHEH!
        Gajos como o Sharon e o Cavaco são tão honestos…Nós deveríamos nascer mais que duas vezes pra fazer tantas asneiras…Eles teriam de nascer muitas mais para reparar a sua merda…
        Mas o Universo não funciona assim(é injusto), e só teremos uma oportunidade de os julgar…Ou glorificar…

  2. Von diz:

    E o atentado no Egipto contra uma igreja? Não merece umas linhas?

  3. Leitor Costumeiro diz:

    Não sei porquê…Ainda não vi o Islão a proibir Igrejas como se faz no mundo demo crático…
    Não devia era haver tal passividade dos Europeus, que não podem escolher livremente qualquer local de culto ou religião ou nenhum dos anteriores…E será que se queixam?

    • Von diz:

      Ainda não vi católicos explodirem mesquitas ou sinagogas… que me lembre…

      • Renato Teixeira diz:

        Tem má memória. Mas para tentar ficar preso ao assunto Sharon, recordo que os massacres de Sabra e de Chatila foram executados com a protecção do exército israelita (com Sharon no comando) por militantes ligados à Falange Libanesa (católicos dos sete costados).

        • Von diz:

          Má memória? Quer regressar às cruzadas? Bolas que você para justificar algo regride muito. Sabe perfeitamente que me refiro a que tipo de católicos me refiro. Mas se a sua atitude é a de olho por olho, dente por dente, há tanto a vingar que não fica cá ninguém.

        • Von diz:

          Falei de templos religiosos. Os massacres que fala aconteceram em campos de refugiados. Igualmente condenáveis e vergonhosos, mas neste caso, falo de templos religiosos.

          • Renato Teixeira diz:

            Fala bem. Há mesquitas em Sabra e Chatila.

          • Von diz:

            O debate ficou pendurado em loop.

          • Renato Teixeira diz:

            Debate? Era isso que estava a acontecer? Chegou a falar do Sharon? Isso é que eu gostava de ouvir da sua parte.

          • Von diz:

            O Sharon, os antigos sharons e os sharons actuais são nojentos porque atentam contra a dignidade e vida humana, em actos selvagens de desprezo pelo próximo, escudados em alianças políticas vergonhosas. Em poucas palavras é o que penso da política de Israel.

            Penso o mesmo de quem explode igrejas (no Egipto), campos de refugiados (em África), manifestantes (no Irão) ou civis inocentes (no Iraque).

            Ficou claro?

          • Renato Teixeira diz:

            Bem melhor. Junte-se então à festa do quinto aniversário sem que este assassino continue a sua caminhada.

          • Von diz:

            Não tenho ideias próprias para que as classifique de bem melhor, como um mestre da verdade universal. Tenho-as porque penso por mim, sem o auxílio de cartilhas.

            Já agora, continuo a estranhar a ausência de condenação do atentado no Egipto.

        • Antónimo diz:

          quatro costados. são os costados dos avós.

      • Leitor Costumeiro diz:

        Desculpa isso é uma piada?!?
        Está bem, deves estar a referir-te às pessoas que são mortas em teu nome, e nem o tecto de uma mesquita têm para se proteger….

      • daf diz:

        Eu já,na Alemanha…

    • vítor diz:

      O senhor tem muita falta de vista, não tem?

  4. Von diz:

    A questão é simples: quando se condenam actos vergonhosos, ou se condenam todos, ou então somos desonestos!

  5. Von diz:

    E eu condeno da mesma forma, as barbaridades israelitas, muçulmanas, cristãs e derivadas. Todas sem excepção. E vocês?

    • Leitor Costumeiro diz:

      Distingue, barbaridades de direito de legitima defesa?
      O que fazes para impedir as Barbaridades cometidas em teu nome?!?
      Condenar é fácil, e só começar uma frase por, “eu condeno”…Ui!

      • Von diz:

        Barbaridades em meu nome? Explica lá isso? Explodir uma igreja é um acto de legítima defesa?

        • Leitor Costumeiro diz:

          Sim. Pensas que eles olham para todo o Ocidente como inimigos porquê?!? Ao não fazer nada para o impedir(seja que por via for) também tu invadiste o Iraque e o Afeganistão e massacras palestinianos em Gaza…No momento em que não pedes satisfações aos Governos que chamam democracia ao facto de tudo ser feito nas nossas costas…Wikileaks…and so on, and so on…
          Se já tiverem destruído todo teu bairro, e a cidade, uma Igreja será mais um edifício…O que não é bem assim, pois, nas Igrejas também muito ódio(contra tudo e todos) é fabricado…

          • Von diz:

            Quando defendes actos bárbaros, por se tratarem de vingança, explicas a mesquinhez do teu raciocínio. E se fores por aí, tens de te dar ao trabalho de descobrir quem foi o primeiro culpado e quem atacou primeiro. Ir por aí é cómodo, porque não se consegue encontrar o fio à meada. Ir por aí é desonesto, porque justificas a violência com a violência. Ir por aí é desonesto, porque utilizas a mais desonesta das armas: a generalização!

          • serraleixo diz:

            Von, não me parece que seja defender acções de resistência, legítima defesa, vingança, frustração, ou do que quiseres adjectivar. Trata-se de compreender que, as condições em aquelas pessoas vivem onde são massacradas diariamente sem ninguém sequer do lado de cá dar por isso (ninguém de uma forma geral, uma esmagadora maioria não sabe o que se passa), condições impostas pelos imperialismos europeus e americanos, fazem com que de ENTRE essas pessoas, algumas se passem da cabeça e matem uns tantos que julgam co-responsáveis pela miséria das suas existências.
            E essa reacção bastante humana, de gritar em desespero, pois não é muito mais do que isso, até porque se tratam de acções suicidas na maioria dos casos, a mim merece-me mais respeito e compreensão do que o humanismo de sofá, à distância.
            Digo isto porque não sei o que eu faria se vivesse há 50 anos ou 5 séculos sobre uma repressão brutal e assassina, onde visse diariamente amigos, conhecidos, desconhecidos, pessoas minhas semelhantes, mais do que aquelas que parecem estar “do lado de lá”, morrer diariamente ou viver em condições de extrema miséria, fome, doença, desemprego,… Se calhar um dia passava-me da cabeça e matava o primeiro que achasse co-responsável pela minha condição.
            E tu que farias, Von?
            Tentarias dialogar com o teu (nem que apenas aparente) inimigo?
            “O diálogo? Que diálogo pode haver entre o condenado à morte e o carrasco que o conduz ao patíbulo? O diálogo é entre amantes, entre amigos, entre camaradas. Fora disso não há diálogo. Tens a palavra, explorado.” por António José Forte
            Um abraço, Ricardo

  6. a anarca diz:

    Bom, acalmem-se !
    Uma amiga Após ter vivido em Israel durante 2 anos afirmou :
    “o Hitler só exagerou um bocadinho “.
    E esta, eh* !

    * “Eh” is used in colloquial Lebanese Arabic and Syrian Arabic to mean “Yes”.

  7. Leitor Costumeiro diz:

    Von…Vingança?!?Mas não se trata de uma guerra?
    E quando generalizo na resposta, tento pôr-me no lugar de um islâmico…
    Quem generaliza és tu que mesmo condenando os actos, o fazes com duas palas nos olhos…
    Só sei que uns gajos que praticamente só têm terra para comer, levam com milhões de armamento em cima…Não será aí que está a mesquinhez e cobardia?!?
    Eu dou-me como cúmplice, porque mesmo não querendo mesmo lutando contra. a generalidade das pessoa desinformadas pensam como tu e a Demo cracia é exercida generalizando um desejo de representatividade que não o de todos…

  8. Antonio Cunha diz:

    Eu acho que os de israel deviam mandar uma salva de misseis sobre a palestina sempre que se celebrasse o aniversário do Ariel. Assim mantia-se a chama acesa e fazia-se controle de natalidade.

  9. Von diz:

    Num esforço mais universal para comemorar o aniversário em causa:

    Vladimir Ilitch Lenin

    Há 86 (quase 87) anos sem matar ninguém!

    Josef Vissarionovitch Stalin

    Há 57 anos sem matar ninguém!

    Mao Tsé-Tung

    Há 36 anos sem matar ninguém!

    Saloth Sar

    Há 12 anos sem matar ninguém!

    Kim Il-sung

    Há 17 anos sem matar ninguém!

    Sayyid Ruhollah Musavi Khomeini

    Há 21 anos sem matar ninguém!

    Ahmed Ismail Hassan Yassin

    Há 6 anos sem matar ninguém!

    Abdel Aziz al-Rantissi

    Há 6 anos sem matar ninguém!

    • Renato Teixeira diz:

      Vejo que o seu esforço ecuménico se perdeu na tempestade.

    • Koshba 666 diz:

      Josef Vissarionovitch DJUGASHVILI ( Stalin ).José FilhodoJUDEU David cujo pseudónimo (NO TEMPO da clandestinidade) era KOSHBA.(já agora sabe quem era?….)
      E pode falar também do Lenine….
      Sobre judeus estamos falados!Ah!Já agora sabe donde vem o ‘Ahmedinejad’?
      E sabe qual a etnia do avô do hitler?
      Já agora pq não palrar sobre o Fidel Castro,fica bem, e a sua mãe mestiça cuja ‘linhagem’ branca não era propriamente ariana….

  10. miguel serras pereira diz:

    Renato Teixeira,
    este post, com uma imagem que vale por mil palavras, é de um reaccionarismo soez. O modo como você alimenta com piscadelas de olho o branqueamento do nazismo e de Hitler mete nojo. Exultar com o espectáculo da miséria física e agonia prolongada seja de quem for – ainda que de Hitler, Pinochet, Estaline ou Pol Pot se tratasse – é uma vileza de esbirro e um refocilar de delator.
    Tenho pouca esperança de que reconsidere e prevejo que ou censure este comentário ou bolse as piedosas aleivosias do costume. Mas faço questão de o mandar para o diabo que o carregue. Já que se recusa a ter esse um mínimo desse ingrediente civilizador a que se chama vergonha.

    msp

    • Renato Teixeira diz:

      Saudações democráticas.
      Longa vida ao MSP!

      • Carlos Vidal diz:

        Falando a sério, caríssimo MSP:
        não se enerve muito, considere apenas que Sharon não é propriamente uma pessoa, ou, se preferir, um ser humano.
        Não, este não reúne as condições mínimas para tal.
        CV

        • Renato Teixeira diz:

          Fiquei sem perceber se o mestre-escola do anarquismo defende as melhoras ou se fica pelas condolências.

          • Carlos Vidal diz:

            É um homem de boas maneiras, Serras Pereira.

            Não condenaria Sharon sem, DEMOCRATICAMENTE, ouvir primeiro a versão do verme.
            Serras Pereira ouviria sempre, DEMOCRATICAMENTE, as versões das duas partes (esquecendo-se que aqui não há de facto duas partes).

          • Renato Teixeira diz:

            Pois, mas não só.
            Para lá da confusão oportunista com Hitlers e Pol Pots, que eu não sei onde a desenterram nem nesta posta, nem na resposta à Anarca (e ainda julgava, confesso, que MSP pudesse prescindir e não merece resposta dado bastar-se na sua infantilidade), para lá da confusão entre imagem e realidade, que também não interessa muito pois publicaria qualquer foto do Sharon sem a “dignidade” de um carniceiro engalanado, ou da simpatia com que o Bruno Peixe se esforça em nos convencer, há algo que merece um debate mais aprofundado.
            A mais interessante questão que se levanta desta conversa é frontalidade do humanismo face a factos e não face a intenções ou a confortáveis juízos de valor. É precisamente aqui que MSP não só não tem razão, como não supera em porra nenhuma.
            É tão lamentável como revelador.
            Sobre o assunto o Bruno Carvalho já aventou umas ideias mais à frente, mas é bom continuar a pensar alto.

  11. Posso entrar nesta conversa por o lado debaixo ?

    Dois /três pontos + declaração de interesses, comecemos por ela.

    1. Sou meio árabe, o meu nome do meio comprova-o, mas estes não são os «meus» árabes».
    2. O que se passa com Israel, dantes eram todos magrinhos>/i>. agora parecem uns baldes de banha
    3. Mal conheço esse fulano, mas conheci o general Yitzhak Rabin
    http://en.wikipedia.org/wiki/Rabin
    um militar notável, já aki disse porkê, não me vou repetir, gostava de ter tido a idade e o feitio para faxer parte da brigada Har-El do Palmach,descubram «vosselências», assassinado por outro judeu idiota qualquer com uma ‘pichola’

  12. Koshba 666 diz:

    O meu coment anterior era adressed(não me lembro a palavra em port) ao senhor Von (Braun?)

    • Von diz:

      Koshba, viu-me defender judeus? Não verá porque não acredito em povos escolhidos. Mas não me verá a justificar acções do nazismo apenas pelas barbaridades israelitas de agora. E não me verá a branquear Pinochets e derivados, pela mesma razão que não deixo de apontar Stalines, Maos e sucedâneos. Vejo-os a todos, todos, do mesmo saco, farinha de bolos para enganar tolos, mas que todos juntos não conseguem ser pão que alimente.

      • koshba diz:

        Já que é um experto qual a sua estimativa para o numero de gente q se passou para o lado de lá no ‘reinado’ de Staline?Tenho uma curiosidade doida os seus conhecimentos sientificos(sic!a ver vamos).
        Braun,além disso não tem sentido de humor…

  13. Von diz:

    E se para si todos os Vons têm de ser Brauns, alargue os horizontes e deixe de encontrar sinónimos onde, definitivamente, não existem.

  14. Carlos Carapeto diz:

    O MSP concorda que todos os seres humanos devem merecer o mesmo respeito?

    E este cavalheiro cumpriu isso enquanto teve poder?

    O que tem Estaline, Pol Pot, Hitler, Pinochet a ver com este assunto? Já arranjou nome para este acepipe?

    Exultado parece que anda o Senhor depois de ter traduzido Yakovlev e Zizek.

  15. Pingback: Tweets that mention Longa vida ao Ariel Sharon! | cinco dias -- Topsy.com

  16. Nuno diz:

    Gramei este post mas o que me deu mais gozo foi a luta contra a « barbárie » do Von,
    sempre bonzinho, tentando abnegadamente levar o «diabólico» Renato Teixeira a ver a luz
    da verdade redentora. Orai senhores.
    Também apreciei a indignação do Miguel Serras Pereira. Que indignação sublime!

  17. Pingback: Fiquei sem perceber o mestre escola do anarquismo: deseja as melhoras ou fica-se pelas condolências? | cinco dias

  18. Von diz:

    Em resumo, devemos ser mauzinhos com uns e mais simpáticos com outros. Olhe, no meu caso, não gramo o João Pereira. E sou do Sporting. No seu clube de anti-qualquer coisa, tem algum defesa sarrafeiro?

    • Renato Teixeira diz:

      Há coisas que lêem nas entrelinhas. Não precisava de dizer que é do Sporting nem que desdenha melhor jogador que por lá têm.

      • Von diz:

        Ah, claro. Sou do Sporting. Logo sou burguês. Logo sou católico. Logo sou cavaquista. Logo sou patrão. Logo… logo você Renato, é tão previsível.

  19. Leitor Costumeiro diz:

    No que isto foi dar…
    Não somos todos anti-nazis como anti-sionistas?
    Morte a quem os apoiar fds, acham que serão piedosos connosco?

    -Coitadinho do anarca, está empanado numa cama!!-dirão eles.

    Às vezes esmiuçar demasiado o assunto, deixa tudo tão turvo que já ninguém sabe por onde vai…

  20. miguel serras pereira diz:

    O Carlos Vidal já me tem lido melhor: o que eu contesto não é a legitimidade do tiranicídio, mas o post do Renato, eivado do ressentimento da impotência. E não, não acho que a doença terminal de Franco ou a queda da cadeira de Salazar tenham sido vitórias das forças populares. Para tanto seria preciso que um atentado como o que projectou nas alturas o almirante Carrero Blanco tivesse valido o mesmo voo ao Caudillo ou que, em Portugal, o atentado de Emídio Santana se não tivesse gorado. Talvez o Carlos Vidal me conceda – embora seja um raciocínio que talvez exceda a capacidade do Badiou, mas que até o Zizek compreenderia ao primeiro relance – que o estado em que se encontra Sharon foi por certo um azar dele, mas que é repugnante aclamá-lo fotograficamente como uma vitória dos dominados. Ou que, sem mo conceder a mim, tenha reminiscências nietzscheanas suficientes para, malgré tout, o reconhecer por sua conta própria. Sem concessões.

    msp

    • Von diz:

      Uau, fiquei fã… (gritinhos abafados…)

    • Renato Teixeira diz:

      “eivado do ressentimento da impotência” – ora aí está uma explosão de emoções de que estamos livres que o Sharon nos aborreça.

      Oh MSP, a sua prestação neste debate limpou todas as dúvidas que poderiam sobrar sobre a sua fibra revolucionária e sobre a sua têmpera argumentativa.

  21. Tiago Silva diz:

    Realmente, é bastante inapropriado o regozijo pela situação precária do Sr. Sharon. Ele merecia bastante pior.

  22. Citando o C. Carapeto:
    …(…) anda o Senhor depois de ter traduzido Yakovlev e Zizek …(…)…

    E quando é que alguém traduz Plekhanov, o meu menchevique favorito, sei lá que é feito da minha ed. franciúsca, não me importo de reler em PT língua.

  23. msp, old memories… na altura a bocarra era bocadinho cruel, «arriba Franco, peró más alto qué Carrero Blanco»
    lolz !
    😀

    • miguel serras pereira diz:

      Sim, caro Alvega: palavra de ordem justíssima, que foi pena não ter sido concretizada. Ainda a gritei nalguma manif. do lado de cá desta anacrónica fronteira intra-ibérica. Vai um brinde à memória do Emídio Santana?

  24. Luís Teixeira Neves diz:

    Depois de Sharon sair da vida activa os israelitas voltaram ao Líbano e, depois, a Gaza… Parece que os sucessores tiveram necessidade de provar que eram tão maus como ele… coisa que ele já não precisava de provar…

  25. Nuno diz:

    Brindar à memória de Emídio Santana, muito bem e os outros?
    Por exemplo o Francisco Damião? Brindemos.

  26. mañanceiro diz:

    Carrero Blanco, olvidado amigo del Mundo Arabe

Os comentários estão fechados.