Bate-papo com uma Jugular – Como o Daniel Oliveira foi fazer oó, continuemos por aqui.

A propósito de uma posta do Daniel Oliveira, que já ninguém acredita que volte a escrever do Alegre como anda a escrever sobre Cavaco nem como escreveu sobre Alegre em 2005, tive o prazer de entabular dois dedos de conversa com uma Jugular. Ana Matos Pires, com a paciência que não conhecia a nenhuma Jugular, já deu luz sobre algumas das minhas dúvidas quanto ao carácter ortodoxo do dito cujo, bem como das possibilidades de se trilhar um caminho independente no seio do PS.

Como não gosto de ir ao Arrastão mais do que uma vez por semana, nem estou habituado a lá ir para ter diálogos muito prazerosos, sugiro que continuemos por aqui até porque ou muito me engano ou já teremos deixado os arrastados com um pontinha de ciúmes.

Ana Matos Pires

ah valente Renato Teixeira, viva o sectarismo, mesmo o cego, que V. é como o outro, nunca se engana e raramente tem dúvidas, ou nunca tem dúvidas e raramente se engana, ou lá como é que era.

Renato Teixeira

No Jugular têm dúvidas?

Ana Matos Pires

Eu tenho imensas. O hábito faz o monge, por isso percebo bem essa de dirigir uma pergunta ao “colectivo”, mas existem outras realidades.

Renato Teixeira

E Hábitos? e Monges? O Jugular é um sítio estranho.

Ana Matos Pires

Uma bota da tropa, portanto. Enfim, nada de novo.

Renato Teixeira

Nada disso. Às Jugulares ninguém dá lições de tropa. um, dois, esquerda, direita – um, dois, esquerda, direita. Deviam mudar a ordem dos factores. Agora a sério. O que é que ainda vêem neste Sócrates??

Ana Matos Pires

Julgo que ninguém tenta, aliás. Mas a que propósito vem o plural e o Sócrates? Que fixação, Renato, a conversa é entre mim e o Renato e nada tem a ver com o homem.

Renato Teixeira

Uma maçada. O tipo mete-se em quase todos os cantos da vida. Como é que isso se resolve? Como é que poderemos conversar os dois sem ruído no meio?

Ana Matos Pires

Xiiiiiii, um cochinho paranóide, não?

Renato Teixeira

Não a sabia tão palavrosa. Já estive mais longe de a convidar para um jantar tertúliano, mas desconfio que não se disponha a largar a ortodoxia Jugular.

Ana Matos Pires

eheheheh “ortodoxia” vindo de si tem graça.

Renato Teixeira

Já viu. Um poço de virtudes. Para a esquerda radical sou heterodoxo, para a democrática, ortodoxo. É a vida. Já a ortodoxia Jugular é ortodoxa para quem está à vossa esquerda como quem está à vossa direita. Como diria o DO, pessoas dotadas de uma posição ideológica coerente.

Ana Matos Pires

Vou avisar a militante comunista, julgo q a única militante de qq partido político de entre os jugulares, dessa sua opinião. A realidade é aquela que queremos – ou podemos – ver, constato isso todos os dias lá nas minhas lides profissionais.

Renato Teixeira

A única? O Galamba já saiu do PS?

Ana Matos Pires

É deputado independente eleito nas listas do PS.

Renato Teixeira

Ah, é independente. Gosto desses. São todos Zé que dão um granda jeito.

Renato Teixeira

Que lapso o meu. O vosso Galamba é João. Quanto ao independente, já faziam uma manifestação no camões para rectificar estes açambarcadores. Não há direito de deixar cair tão nobre palavra no CV da página oficial.

Ana Matos Pires

Ora já cá faltava a conversa da tanga, alinhadinhos ou nada, sim sinhora.

Renato Teixeira

Acha que é de outra maneira? Mesmo? Espreite lá o site do PS. Não saberão eles da sua independência? Uma injustiça, de resto. O camarada Galamba está farto de desalinhar, nós é que andamos todos distraídos.

Ana Matos Pires

Acho que existem mtas maneiras de poder ser, só isso. E que desalinhar, senhor, isso de desalinhar – ou deixar de andar na linha – é p quem tem linha pr andar e tenho a certeza que o meu amigo João não tem, nunca teve nem terá, conheço-o bem.

(não é importante mas só vi o seu último comentário antes deste – o penúltimo, portanto – agora, V. decidiu ter um monólogo e ele não me chegou)

Renato Teixeira

Então não sabe que não ter linha é meio caminho andado para ser um bom bombeiro da política dos outros?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Bate-papo com uma Jugular – Como o Daniel Oliveira foi fazer oó, continuemos por aqui.

  1. Simão diz:

    Quem é a jugular militante do PCP?

    • Renato Teixeira diz:

      Boa pergunta. Já se falou isso por aí, mas eu tenho pouca memória para essas coisas. Não se espante contudo com a “novidade”. Há comunistas para todos os gostos.

  2. laura diz:

    Se não fossem os jugulares e as jugulares, mais os independentes, os PSs, os PCs e os assim-assim e sobretudo o DO e o seu arrastão, não sei o que seria de ti, Renato. Acho que ninguém dava por ti.

    • Renato Teixeira diz:

      Pois Laura. Valeu a pena então, agora que nos conhecemos. A quem mando a nota de agradecimento?

      • Renato Teixeira diz:

        Aliás, ajude-me a Laura se souber, porque perde tempo comigo toda essa gente tão séria?

        • laura diz:

          Não disse que eram gente séria ou deixavam de ser. Não vou por aí. O que interessa é se as ideias de uns e outros são sérias ou não. Mas o que vejo por aqui e noutros lados também é uma luta de egos e não de ideias.

          • Renato Teixeira diz:

            É verdade sim senhora. Mas compreenderá que com algum esforço e em alguns casos sobra esta ou aquela ideia ao ego.

  3. Renato Teixeira diz:

    Ficou-se por isto e ainda por cima do lado de lá:

    “Ana Matos Pires
    Opinião sua, abonatória para os independentes, aliás.

    deixado a 29/12/10 às 12:26
    link | responder a comentário | início da discussão”

    É uma pena. Estava a adorar a conversa. Pode ser que seja por causa das festas. Aguardemos…

Os comentários estão fechados.