Recuerdos de uma eleição presidencial

O candidato tinha vários tipos de apoiantes: o círculo dos próximos, a família, as várias gerações de afilhados… (um comentador disse que ele estava organizado “em rede”, o que foi a maneira mais airosa e moderna que arranjou de dizer que ele era um cacique à moda antiga).

Nenhum destes grupos lhe dava grande saúde política: como alguém também tinha escrito, o pior de Silva era o silvismo – porque se Silva tinha experiência e até (vamos admiti-lo) alguma graça, que o convívio fácil com o poder & as suas prebendas lhe ia dando, os silvistas não tinham nada disso: tinham a sua arrogância, mas sem nada em contrapartida (estavam ainda muito crus).

A ideia do apoiante-em-chefe: uma consoada com os sem-abrigo, nessa noite ele não janta em casa, já tratei de tudo e arranja-se uma coisa com muita dignidade.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Recuerdos de uma eleição presidencial

Os comentários estão fechados.