“O INSURGENTE”, pela primeira vez, felicitou o “5dias”, mas eu prefiro felicitar Hugh Hefner pelo seu casamento e a revelação do jovem Daniéu Médjina, pela pertinência madura das suas colaborações nesta página (!)

Hugh Hefner

(aqui)

E aqui:

 ... crystal harris miss playboy

Crystal Harris, a noiva

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 respostas a “O INSURGENTE”, pela primeira vez, felicitou o “5dias”, mas eu prefiro felicitar Hugh Hefner pelo seu casamento e a revelação do jovem Daniéu Médjina, pela pertinência madura das suas colaborações nesta página (!)

  1. Renato Teixeira diz:

    Acho que o Combate de Blogues devia fazer como fiz aos Prémios de Mim Para Ti. Não há prémio que não assente ao Daniel.

    Podemos ver as coisas pelo lado positivo. Quanto a revelações, o Adeus Lenine e o Azevedo Neves, já eram.

    • Carlos Vidal diz:

      O Médjina é o cara blogger do ano, tens de conceder.
      Com 2 posts arrasou com os prémios que imaginar possas.

      E se juntares aquele célebre da Rainha Santa e do choro lancinante…..
      ‘Tás feito, tens mesmo de o premiar!

      • Renato Teixeira diz:

        Tá lá. Por unanimidade e aclamação. Do 31 da Armada ao Insurgente, do 5dias ao Vias de Facto. Bués da bués imbatível. Até o Tiago foi de férias com vergonha da ultrapassagem.

        • Carlos Vidal diz:

          Também me parece que o Tiago foi vergonhosa e humilhantemente ultrapassado.
          Só as férias o poderão compensar.

          • Carlos Vidal diz:

            Atenção que o 31 da Armada está atento à nossa navegação (sem link – não se linka merda):

            «O blogue “Cinco Dias” dará lugar ao Blogue “Capitalism, I Lóve U” e isto após o Renato Teixeira herdar um bairro inteiro apenas para descobrir que entre os inquilinos estão certos companheiros de blogue que não pagam a renda. Renato descobre então os confortos do capitalismo selvagem e, em Novembro de 2011, estará a ler as obras completas de Pedro Arroja enquanto na lareira da sua casa (Vila Cavaco) na Lapa crepitam as cartas de Carlos Vidal e outros inquilinos relapsos e chatos.»

            (“31 da Armada”, Azevedo qualquer coisa, não sei bem)

          • Renato Teixeira diz:

            Esse está fodido por ter perdido os Prémios De Mim Para Ti para o Daniel Medina.

  2. Koshba 666 diz:

    Ia pá!A gaija é boa comó milho.Tem ali muita coisa para se explorar.Ganda Hugo Heffner,o q lhe vale é o velho remédio popular:Enquanto houver língua e dedo, não há nada que meta medo.E ópois, claro,o ciális,o pau de cabinda….

  3. Niet diz:

    O Hefner diz que ainda toma Viagra, meus caro. Muito marisco, quotidianamente, vinho branco do Chile, o Terra Madre, umas costeletas de borrego à moda de Cahors, eh, hope, pelo chão-a-rasgar, em frente à lareira. O noivado do HH foi notícia de ” marca ” no NY Times…Niet

    • Carlos Vidal diz:

      O verdadeiro libertário, este nosso amigo.

      Olhe, amanhã vou ler umas coisas do seu Castoriadis. O “Como Lutar?”, que já não pegava naquilo há muito.
      Grande abraço.

      • Niet diz:

        Oh. Carlos Vidal: Se eu nunca tivesse citado/glosado ou comentado Bakou/Krop/Serge/Voline etceterra…era capaz de ser um insigne e valente libertário…Felizmente, não me pauto por esses padrões- tudo menos éticos e políticos- e jamais aceitaria um juízo sem o questionar…Coisas que fazem lembrar as ácidas e inesquecíveis invectivas -mirabolantes e preclaras! – narradas por Jorge de Sena no dealbar dos anos 60 sobre a ” feira ” literária e política nacional da época. Mas, c´um diabos, estamos em 2010 e
        ninguém imagina que ainda se possa construir por esses meios- sem controlo ideológico ou mesmo gramatical…- um projecto qualquer…Só para diversão! Bem, o Castoriadis que terá agora nas mãos é o da fase mais trotskista dele, com um grande texto sobre Sartre e o Estalinismo e comentários críticos a Montal( Claude Lefort) e a Pannekoek, extensos, a par de referências críticas a Mandel. Como indica Castoriadis a Sartre: ” O capitalismo impõe ao proletariado ” a miséria, a opressão, a degenerescência ” ao mesmo tempo que contribui para ” o unir, o disciplinar “; os dois aspectos condicionam-se reciprocamente; e são os dois em conjunto que estão na base da revolução – ou da barbárie “. Via post enviei hoje a narrativa sobre a Champ Libre, o outro lado do dossier. Niet

        • Carlos Vidal diz:

          Grato pela narrativa e história da Champ Libre. Cá o espero (o livro):
          Entretanto, logo envio-lhe dados e uma entrevista minha com o único frankfurtiano genuíno vivo: o Benjamin H. D. Buchloh.
          Quanto ao resto, certo, o capitalismo impõe ao proletariado a opressão e a degenerescência, ao mesmo tempo que contribui para o unir e disciplinar. Só não sei, hoje, que tipo de organização pode contribuir para estas duas últimas tarefas.
          Note que Badiou nunca rejeitou a “organização”, por isso é que facilmente ele se define mais como leninista do que marxista.

          • Niet diz:

            C. Vidal: Há nesse volume do Castoriadis um luminoso texto- que antecipa outro escrito mais tarde:” Marxismo e Teoria Revolucionária”- estou-me a referir ao sobre ” A história do Movimento Operário ” presente no volume- e que detalha, cito, o processo pelo qual ” o catecismo científico-religioso ” do marxismo se tornou a ” correia de transmissão das significações capitalistas no proletariado , o meio subtil assegurando a sobrevivência e a dominação dos princípios capitalistas ao nível mais profundo “( págs. 111/112). No II volume da série sobre ” A experiência do Movimento Operário -Proletariado e Organização “, existe outro texto capital- ” O papel da Ideologia Bolchevique no nascimento da burocracia “, que amplia e aprofunda as teses que referi anteriormente. Como sabe, tudo isso tem alimentado polémicas cruzadas nos Blogues, em que já estivemos em acção muitas vezes através de rudes e violentas polémicas. O fim das tendências no interior do Partido Bolchevique( Março 1921) coincidiu com o esmagamento da revolta de Kronstad, digamos isto emblemáticamente para terminar por agora esta intervenção, meu caro. Niet

  4. Pingback: Crystal Harris e a esquerda revolucionária « O Insurgente

Os comentários estão fechados.