WikiLémias – Quem me dera que a verdade dos jornais fosse a verdade do João Miranda

A verdade como ela é e a verdade do que nos contam, é sabido, são coisas completamente diferentes. O João Miranda dizer que “o impacto acumulado dos aumentos do salário mínimo já é muito significativo” porque “nos últimos 10 anos de estagnação económica o salário mínimo subiu 50%”, não é verdade e causa alguma repulsa. Já dizer que “entre um trabalhador que custa 500€ e uma máquina com a mesma produtividade que custa 499€, os empresários tenderão a escolher a máquina”, é verdade e também causa repulsa. Percebe-se a indignação do Luís Rainha com o primeiro mandamento mas não se entende a exaltação com o segundo postulado. Saber a merda que a maioria anda a ser obrigada a comer não é meio caminho andado para que a mesma maioria deixe de babar com as cerejas dos outros? Não será a verdade, ou se preferirem, a desconstrução de propagandas pífias, a condição primeira para a tomada de consciência e de posição na luta de classes?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

24 respostas a WikiLémias – Quem me dera que a verdade dos jornais fosse a verdade do João Miranda

  1. koshba diz:

    E que tal o joão miranda ir trabalhar mais de 8 h /dia a ‘ganhar’ o ordenado minimo.

    • Renato Teixeira diz:

      Nah. Trabalhar oito horas por dia é demasiado benemérito. Desemprego prolongado e a mulher que ele ama arrependida. Mais nada.

  2. antónio diz:

    pq n se aumenta a o salário minimo para 1.500 euros !?

  3. Gajos que dormiram em republicas de combra deviam ser proibidos de colocar imagens em posts. Foda-se, dás cabo disto. Arghhhhhhhhh

  4. Xavier Brandão diz:

    Uau! Que burguês rebelde o Renato Teixeira me saiu!

    • Renato Teixeira diz:

      Rebelde, vá, um bocadinho. Para burguês faltam-me os meios de produção. Lá chegará o dia. Não é assim Xavier?

  5. mesquita alves diz:

    Boa tarde.
    Vocês nunca poderão ser quadros superiores de referência do PCP.
    O Comité Central poderá padecer de Alzaimer, mas não são malucos.
    Vocês, quando têm razão no conteudo, perdem-na, na forma…
    Bom natal

    • Renato Teixeira diz:

      Mesquita Alves, reformule lá. “Vocês, apesar de quase sempre terem razão, às vezes perdem-na na forma”. Não seria isso?

      Só falo por mim, claro, mas olhe que espero mesmo não morrer de Alzheimer.

      De todo o modo gostei da formulação: “quadros superiores de referência”. Muito bom. Como se chega lá?

Os comentários estão fechados.