Que chatice, Helena Matos.

Há dias, escrevi um artigo sobre a comunicação social na Venezuela. Acusei o governo de Hugo Chávez de ser tolerante com as sucessivas agressões dos jornalistas e políticos afectos à direita contra os membros da imprensa mais conotada com a esquerda. O texto focava os ataques à liberdade do trabalho dos repórteres e não ao conteúdo produzido por qualquer uma das partes, esquerda ou direita. Contudo, para Helena Matos, do Blasfémias, as agressões nada importam. O que importa é uma imprecisão que descobriu num dos vídeos que aqui publiquei para exemplificar as dezenas de agressões. Porque uma jornalista erra ao afirmar que Vargas Llosa renunciou à nacionalidade peruana, Helena Matos secundariza as agressões. Para além disso, diz que “ilustra muito bem o que se intende por informar na Venezuela de Chávez”.

Ou seja, uma jornalista de esquerda cometer um erro ilustra bem o que é informar na Venezuela de Chávez mas ser agredido consecutivamente por jornalistas de direita já não ilustra o que é informar com a perseguição e assédio da imprensa de direita. Estes são os critérios de gente como Helena Matos. A própria Fernanda Câncio, há uns meses, secundarizava a repressão policial sobre estudantes comunistas. O que lhe importava era que aquilo – pintar murais – não era ou não deveria ser permitido. São formas de ver as coisas. Depende sempre de que lado da barricada estamos.

Queira ou não Helena Matos esconder, o que fica patente, na Venezuela, é o excessivo à vontade com que economistas, políticos e jornalistas usam as páginas dos jornais para apelar ao assassinato do Presidente da República legitimamente eleito por eleições validadas pelos amigos de Helena Matos. Fica patente a postura violenta e anti-democrática dos que vêem no fim dos monopólios na comunicação social uma ameaça à liberdade. A explosão de meios de comunicação alternativos e populares representa, isso sim, uma arma dos povos para destronar a mentira dos ricos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Que chatice, Helena Matos.

  1. má lingua diz:

    Estes ‘democratas’ estão a ficar cada vez mais fascistas.Devem-se babar com a república de Weimar….

  2. Helena Matos diz:

    Não é chatice alguma e não é erro algum. Llosa é apresentado como tendo renunciado à nacionalidade peruana neste e nos outros video do canal estatal de televisão da Venezuela. Existem até videos em que a legenda é “Escritor espanhol”. Não é erro. É de propósito. Tão de propósito como escrever “Contudo, para Helena Matos, do Blasfémias, as agressões nada importam.” A técnica é sempre a mesma.

    • antónimo diz:

      Ui que atentado mesmo grave à liberdade de expressão é quebrar a deontologia jornalística e alterar a nacionalidade do Losa. Isso de agredir fisicamente, de bater em jornalistas e ameaçá-los nem devia ser crime. E depois ainda tem a lata de acusar os outros de duplicidade de critério. Não há espelho lá em casa, menina?

  3. Bruno Carvalho diz:

    É ou não verdade que secundarizou as agressões? É ou não verdade que o mesmo critério que usou para dizer que aquele erro, ou o que lhe quiser chamar, “ilustra muito bem o que se intende por informar na Venezuela de Chávez” já não serviu para as agressões que ilustram, essas, sim, bem a forma de actuar dos meios de comunicação da oposição? Realmente, a vossa técnica é sempre a mesma.

  4. Manuel Monteiro diz:

    Esta ex-esquerdista da Helena Matos é uma cabecinha tonta…
    Manuel Monteiro

  5. Tanta gente iluminada e eu ainda aqui a pagar electricidade. Com estes iluminados o país não precisa mesmo de investir mais em energias renováveis. “Eles andem aí…”

Os comentários estão fechados.