Qual será o apurado critério jornalístico que define que esta declaração não seja notícia?

«A candidatura de Francisco Lopes destaca-se pela escolha do projecto constitucional e dos importantíssimos conteúdos e parâmetros da nossa Constituição da República como referência e sustentação das suas propostas de ruptura e mudança. A candidatura apresenta múltiplos e claros compromissos, desde logo com as causas e anseios dos trabalhadores. É perante esta análise que saúdo e desejo os melhores êxitos à candidatura de Francisco Lopes, cujos objectivos fundamentais partilho.»
Carvalho da Silva

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Qual será o apurado critério jornalístico que define que esta declaração não seja notícia?

  1. má lingua diz:

    O critério é o do Master’s Voice,of course|!So that,eu não compro nem jornais nem revistas e quero que os jornaleiros se vão foder com a sua propaganda ao serviço de PARASITAS!

  2. João diz:

    Não será antes de perguntar porque é que esse apoio não aprece em destaque no site de Francisco Lopes? Acabo de gastar cinco minutos à procura e não encontro! Encontro ex-secretários gerais, actuais membros da executica da CGTP, apoiantes diversos com direito a foto onde se destaca Siza Vieira, mas de Carvalho da Silva nem rasto!

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      João, veja melhor. Está na 1ª página do lado direito.
      Queria onde? No cabeçalho?

      • João diz:

        Ok, da primeira vez não encontrei. Se fosse eu a mandar obviamente que estava no cabeçalho, ou vá lá, pelo menos sem necessitar de clicar para encontrar. É só o mais importante apoio de F Loopes, e não tão óbvio como isso.

  3. JMG diz:

    Se os jornalistas ignoraram esta importante declaração fizeram muito mal, ela tem todos os ingredientes do shock and awe. Por mim, ainda estou mal refeito do espanto: Carvalho da Silva é comunista?! E apoia Francisco P’tanto Lopes?! Não sabia.

    • rafael diz:

      JMG
      dispensa-se a ironia… Carvalho da Silva é o SG da maior central sindical do país. Por si só, o facto de apoiar fosse quem fosse constitui matéria de facto jornalistica…

  4. miguel diz:

    Ora aí está uma boa pergunta para fazer ao jornalista Renato Teixeira 🙂

    • Renato Teixeira diz:

      Escapou-me a encomenda, quer concretizar? Terá o PCP dado mais importância ao assunto do que a imprensa? O que diria Carvalho da Silva sobre a candidatura de Alegre?

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Renato Teixeira é aquele célebre editor de política daquela empresa que detém uma parte dos órgãos de comunicação social? Ou é o editor de política da empresa que detém a outra parte?

    • LAM diz:

      Ora, se calhar isso foi porque o António Costa não foi candidato.

  5. antónimo diz:

    óh, homem, então a sedona nanda não tinha dito que isso que os comunas dizem não interessa nada num jornal? chamou-lhe direito ao preconceito deontológico, salvo erro.

    é como aquele moço que edita a política deo jornal do balsemão, o mesmo jornal onde marcelo dirigiu qualquer coisinha. num debate da RTP Nê, o dito editor vociferava contra a wikileaks e iracundo bramava que os mesmos que louvam agora a wikileaks são uns malandros dúplices que não falam dos prisioneiros cubanos.

  6. fernando andré rosa diz:

    ou a questão será outra, serão os jornalistas que não querem divulgar esta notícia ou as editoras que decidem o que é em casa momento notícia, e o que importa tornar central para não abalar o bom nome do regime.

Os comentários estão fechados.