A Christmas Carol

Aproxima-se o Natal, a sua comidinha, o quente do lar, as boas leituras, o número de Natal do Economist. Porque a realidade, teimosa, insiste em ultrapassar sempre a ficção, aqui vai um pedacinho de ficção que tenta “capturar” a realidade, a benefício das vossas horas de ócio, do convívio familiar, da meditação natalícia. Tudo começou um dia quando o Ocidente decidiu que, na ex-Jugoslávia, a Sérvia era o vilão e os outros eram os mocinhos (Richard Holbrooke ia explicar-nos porquê, mas à última hora declinou o convite). Desse facto incontroverso resultaram extranhíssimas consequências: o bando de criminosos auto-intitulado K.L.A., nomeadamente, ganhou estatuto de freedom fighter e o General Mladic deles até chegou a Primeiro-Ministro. Azarucho, um suiço chato como a potassa, já com cadastro noutras guerras, veio dizer que esses amigos do bem afinal traficavam os órgãos dos prisioneiros que faziam, que sendo sérvios eram maus, embora os bons afinal também não fossem tão bons como parecia. Política, crime… Temos então tudo o que faz uma boa história de Natal? Não, falta a religião: porque os prisioneiros eram mortos, e os seus órgãos vendidos… mas quem é que os comprava? Malta temente a Deus, que não deixa mexer nos seus próprios órgãos, nem morta!, mas que aprecia os órgãos alheios, sobretudo de quem morre de propósito para lhos deixar. Pensem bem: Esta é uma história maravilhosa, que ensina, que forma, que educa. Leiam-na bem: e aprendam a desconfiar do bem que é bem e do mal que é mal (porque o bem quase sempre é mal e o resto vocês adivinham). Merry Xmas to you all!

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

29 respostas a A Christmas Carol

  1. maradona diz:

    um dia (um ano) o número de natal da economist há-de não ser assim tão bom; há dez anos que, sucessivamente, vão superando as expectativas, até abstratamente é impossivel manter a série.

  2. Leo diz:

    E toda a gente – NATO, USA, UE, ONU – sabia disto antes do bombardeamento da ex-Jugoslávia ter começado. E pior, sabe que isto CONTINUA. Sim, este terror continua. Basta ler o Relatório que o Conselho da Europa aprovou. Foi com mafiosos deste nível e com este tipo de terror que os USA criaram condições para instalar no Kosovo a sua maior base militar fora do seu território e que tem um papel-chave no tráfico de droga do Afeganistão e na rota do petróleo da Ásia Central.

    São muito poucos os que têm as mãos limpas nesta neo-colonização imperial. Media, intelectuais, jornalistas, ONG’s ajudaram a este horror. E estão hoje muito calados.

  3. m diz:

    um nojo , esses tipos. nem há palavras. já aí há uns tempos tinham desmantelado uma rede usa/israel de tráfico de orgãos e apanharam uns 3 rabis. rabis , nada menos , ãh? compravam rins a 10 mil doláres em israel e vendiam-nos a 160 mil nos usa.

    • Leo diz:

      Isto não é um simples caso de tráfico de órgãos. Raptavam, engordavam, davam-lhes depois um tiro na cabeça e tiravam-lhes os rins. E fizeram isto a pelo menos 400 cidadãos sérvios e 100 cidadãos kosovares. E continua. Este horror continua.

  4. Francisco diz:

    Os Sérvios fizeram ou ainda fazem a mesma coisa. Na Alemanha, Austria, Holanda e Grã- Bretanha venderam-se muitos rins de prisioneiros etc de guerra Bósnios. Tudo isto ainda não foi devidamente estudado pelo dito jornalismo de investigação. Não há bons e maus naquela parte do globo. Não se trata de ofuscar o mal que é camuflado pelo bem. São todos maus. Os Croatas são uns nazis filhos da puta. Os Sérvios são nacionalistas-fascistas eslavos. Os Albaneses e Kosovares são uns criminosos de merda (toda a cultura política é criminosa). A Bósnia-Hercegovina está repleta de islâmicos radicais e de outros fanáticos.

    • V. KALIMATANOS diz:

      Francisco,

      Tu é que pareces um bom “criminoso de merda”, meu rapaz. Já não falo de “fanático” e das outras pérolas de insulto que usas com os teus “conhecimentos de alemão, contra toda a gente menos os criminosos do costume. Passe bem, seu nabo.

      Lê isto, labrego: Bundeswehr Office for Intelligence:

      March 22, 1999
      • The beginning of a coordinated large offensive of the Serbian-Yugoslavian forces against the UÇK in Kosovo can […] not be confirmed […]”.
      • “Tendencies towards ethnic cleansing cannot be detected.”
      March 23, 1999
      • Contrary to media reports, no large offensive of Yugoslavian security forces in Kosovo can be detected currently […].”
      • “New information regarding deployment of substantial reinforcements cannot be confirmed now. The intensity of the conflicts is not exceeding the currently known level of violence.”
      “Staff department FüS II, German Ministry of Defense: March 24, 1999
      “The Serbian-Yugoslavian forces are not yet capable of performing a large-scale operation against the UÇK throughout the Kosovo. To reach this level, significant reinforcements in infantry units would be needed […]
      In the following days, we have to expect more local and short-term operations against the UÇK. The UÇK itself will continue trying to provoke the Serbian-Yugoslavian forces with the well-known hit-and-run attacks and to goad them into massive reactions, hoping that these would reach a level in destructions and number of refugees which leads to immediate NATO air strikes.”

      E aqui muito mais para o Figueira te encher esse papo arrogante:

      http://www.currentconcerns.ch/index.php?id=782&print=1&no_cache=1

  5. Francisco diz:

    O Figueira deveria praticar o seu cepticismo moral. Se souber falar Alemão, recomendo-lhe a leitura do Frankfurter Allgemeine Zeitung de então (durante e imediatamente após a guerra).

  6. Francisco diz:

    Nota de roda pé: O que raio tem a ver o trafico de orgãos com as causas da guerra da Bósnia-Hercegovina? A guerra foi iniciada pelos traficantes? Iniciou-se a guerra porque o “ocidente” decidiu que os Sérvios eram os mauzinhos??!! Não seja estúpido, Figueira.

  7. António Figueira diz:

    “O que raio tem a ver o trafico de orgãos com as causas da guerra da Bósnia-Hercegovina?” Não sei, diga o Francisco; estava a falar das incidências da guerra do Kosovo, não sei a que propósito se refere às causas da guerra da Bósnia-Hercegovina. E não, as guerras da ex-Jugoslávia não foram iniciadas pelos traficantes nem declaradas pelo Ocidente, outros o fizeram por eles; o Ocidente limitou-se a escolher uma das partes, moralmente tão corrupta como a outra, e a bombardear uns e apoiar outros, por razões altruístas, claro. Raramente a mais baixa política terá sido tão hipocritamente embrulhada no mais alto humanitarismo: basta pensar no destino que tiveram as acusações da Carla del Ponte por crimes de guerra: os sérvios, perseguidos e presos, o Hashim Thaçi, primeiro-ministro do Kosovo.

    • V. KALIMATANOS diz:

      Figueira,

      Parece impossível! No meu tempo de crente de ideias politicas similares às tuas, as pessoas ainda tinham coluna vertebral. Agora, vejo eu, recorrem à ironia, como tu. Então um gajo (diria melhor se dissesse um badameco de braguilha liberal que lê o Zeitung) chama-te “estúpido” e tu ficas-te?
      De facto, só um um fulano relamente “estúpido” , bronco e outras coisas mais como o “Francisco” é que não vê que as guerras em todo o lado e em todos os tempos nunca nascem de altercações à porta de tabernas e logo não poderia também ver o enorme interesse do neo-conismo globalista (não merece a pena entrar no específico, mas é possível) na destruição e desmembramento de nações como a Jugoslávia, ainda melhor tratando-se duma federação, com os seus problemas de etnias e religião, mais fácil, portanto, de quebrar e dividir, como manda a experiência histórica e maquiavélica dos galifões.
      Aqueles, ou os descendentes daqueles que, com o Tito à frente, criaram a mais genuina e aguerrida resposta à ocupação nazi em todo o lado na WWII – nazismo cuja verdadeira história, incluindo os nomes dos que investiram financeiramente nele, ainda está para ser escrita, ao contrário do que muitos palafrões adreditam – tinham de ser destruídos, riscados do mapa com urgência, aproveitando o descalabro meticulosamente planeado na já dispensável USSR. Tratava-se de gente, esses jugoslavos, especialmente os sérvios, muito refilona que nem soviéticos nem americanos foram capazes dominar completamente no tempo da chamada guerra fria. Malta dura que era preciso eliminar. Há tendência para esquecer isso, porque nos puzeram a cantar a chanson da puta da “resistance française”, que o muito que fez foi limitar-se a dar uns tirinhos e a fazer umas sabotagens na área consignada a piqueniques de Vichy, e de que depois se fizeram muitos filmes e escreveram muitos livros, heroismo que engolimos com satisfação durante muitas décadas entre duas bicas no Rossio da Oposição a Salazar e de anuência ao aprilismo. A “resistência” oportunista italiana, muito cantada pelo neorealismo, também só começou quando começaram a desembarcar soldados nas praias italianas com montes de cigarros “Camel” para distribuição aos pobres.

      E o resultado é o que sabemos. Destruiu-se uma federação incómoda e perigosa, e engordou-se outra, a UE, mais domesticada e amiga de café.

  8. Francisco diz:

    Desculpe, queria escrever Guerra do Kosovo.

    O Figueira teria preferido que todos os moralmente corruptos e os seus respectivos povos tivessem sido bombardeados. A guerra da Bósnia demonstrou, sem qualquer margem para dúvidas, que os Sérvios eram os agressores: eram eles que detinham o monopólio das armas e do estado e foram eles que iniciaram as campanhas de limpeza étnica. (guerra da BHercegovina) O que vêm a seguir é mais do mesmo, ad eternum. O Ocidente escolheu a parte mais forte que controlava os recursos do estado, a parte que havia iniciado os conflitos e a parte mais motivada para os perpetuar. Os Sérvios com tanques e os Kosovars com guerillha!! É mais fácil destruir um tanque do que um guerrilheiro, Figueira.

    O “humanitarismo” das medidas adoptadas não se reflectiu nos factos embaroçosos que menciona, com toda a razão. Não nutro qualquer simpatia pelos líderes Kosovares ou Albaneses. São tão ou mais sanguinários do que os Sérvios. O “humanitarismo” de que fala reflectiu-se em algo muito mais elementar: interrompeu-se uma guerra. Carla del Ponte foi cordialmente ignorada porque o ocidente não queria alimentar ainda mais o conflito com acusações infindáveis.(são todos igualmente maus, ou seja, nunca mais acabavam as acusações!!) O Ocidente poderia ter acusado todos mas teria perdido a “legitimidade” para assegurar a estabilização pós-guerra. Por conseguinte, o Ocidente preferiu perverter a moralidade que professava a troco da estabilidade (?) no pós-guerra. Se o Ocidente tivesse sido coerente na sua moralidade (castigando todos por serem moralmente corruptos) é muito provável que não se tivesse conseguido a paz. Este parece ter sido o raciocinio do “ocidente.” Se o tivesse feito, provavelmente todos os beligerantes teriam iniciado uma guerra de libertação contra o “Ocidente.” Seria este um bom resultado para si? É muito provável que a “hipocrisia” Americana e Britânica (O UÇK era considerado uma organização terrorista pela GB e EUA) tenham impedido a continuação do banho de sangue.

    Agora que a Sérvia se prepara para entrar para a UE as acusações de crimes de guerra contra Kosovars, Albaneses etc são desenterradas. É o mesmo Ocidente, Figueira. Você pensa que o Ocidente está interessado em admitir a Albánia ou a Kosova à sociedade das
    nações civilizadas?? Nem pense nisso, meu caro. Foi isto que o Ocidente prometeu aos democratas Sérvios: sejam pacientes, aguardem, os criminosos de guerra Kosovars, Albaneses, Croatas e outros serão PUNIDOS. (estamos a assistir ao princípio deste novo volte face) Mas devo dizer que concordo consigo no essencial. Todos os criminosos de guerra deveriam ser punidos. Os Sérvios também foram (e são) vitimas de limpeza étnica.
    E será isto que vai acontecer. Há um tempo para tudo, Figueira. Até para a hipocrisia moral.

  9. Francisco diz:

    PS. Os criminosos de guerra Sérvios, perseguidos e presos.
    O PM da Kosova, criminoso de guerra…será julgado e preso. (e outros)

    Não se precipite, Figueira.
    Há um tempo para tudo.

  10. Francisco diz:

    tenhA impedido a continuação…

    perdão.

    FM

  11. Francisco diz:

    Não se esqueça do seguinte, Figueira: Os democratas Sérvios foram e são os aliados do Ocidente que o sr deplora. Para onde foram fugiram eles/as enquanto Milosevic governava a FRYugoslavia?? Londres e Paris, principalmente. Quem são os políticos mais influentes na Republika Srpska presentemente?

  12. Francisco diz:

    Pergunta: O que raio tem a ver o trafico de orgãos com as causas da guerra do Kosovo?

    “E não, as guerras da ex-Jugoslávia não foram iniciadas pelos traficantes nem declaradas pelo Ocidente, outros o fizeram por eles…”

    Pois. O Ocidente trabalha para os criminosos do UÇK e para os gangues de Albánia.
    Brilhante, Figueira.
    Positively brilliant!!

  13. Francisco diz:

    Kalimerotantas
    “The media are setting the course for war – the situation BEFORE the beginning of the war”.
    Esqueceu-se de mencionar o titulo da secção do texto que aqui apresentou.
    Relevante, o “before.” No before da guerra não havia guerra.

    O exército Sérvio-Jugoslavo nunca implementou ofensivas LARGE-SCALE. Nunca houve uma LARGE SCALE OFFENSIVE.

    “Tendencies toward ethnic cleansing” (TENDENCIES)

    Kalimero,
    O Tribunal internacional puniu au vai punir Kosovars e Albaneses.

    • António Figueira diz:

      Z,
      A fé move montanhas, e tu pelos vistos és um homem de fé (o Ocidente fez assim para conseguir assado, o Tribunal ainda não puniu mas vai punir…): bravo para quem prega o cepticismo moral!
      Abraço, AF

    • V. KALIMATANOS diz:

      Francisco,

      Já andas a meter as mãos pelas botas! Pára!

  14. Fernando diz:

    Figueira,

    Perdoe-me a intromissão na sua conversa com o Z.
    O comentário parece ser dirigido à minha pessoa.
    O Tribunal Internacional já nomeou criminosos de guerra Kosovars – Albaneses assim etc. Este é um facto que contradiz a sua tese.
    Há uma diferença abismal entre constatar e apregoar o cepticismo moral. Uma diferença que o sr é incapaz de discernir.
    Finalmente: não me parece que foi muito perspicaz na citação que aqui colocou
    Interprete estas duas frases, s.f.f:(no SEU LINK)

    The beginning of a coordinated large offensive of the Serbian-Yugoslavian forces against the UÇK in Kosovo can […] not be confirmed […

    (nada de large scale offensive MAS…)

    “In the following days, we have to expect MORE (in addition to, acrescentar às EXISTENTES) local and short-term operations against the UÇK.”

    Onde raio é que te formaste como historiador? Na Albânia?

    Nem sequer uma das campanhas militares dos Sérvios poderia ser considerada uma large scale offensiva.

    Chama-se a isto: playing with words.

    A verdade está nas entre-linhas que você não conseguiu ler. O exército Sérvio, aquando da guerra do Kosova, já estava ocupado em múltiplas mini campanhas na Bósnia-H. Esta estratégia, herdada dos Partizan, foi complementada pelas forças convencionais Sérvias-Jugoslavas.

    Passe bem, ignoramus.

  15. Fernando diz:

    Eu não sou um céptico, meu caro. Não é a dúvida que me atormenta. É a certeza empírica.

    Eu já li a sua tese. Decididamente medíocre, Kalimantanos.

    Um Feliz Natal

  16. Fernando diz:

    Publica os comentários se desejar. Pouco me importa. É mesmo para si, kalimantanos.

  17. Francisco diz:

    Bem me parecia que não iria publicar. Retórica. Retórica. Você até parece o curioso do Nuno Rogeiro. Você escreve bem mas analiza as a política internacional como se de uma telenovela proleteca se tratasse. E que tal a literatura? Não lhe seduz? Tá aqui a provazinha que o processo que mencionei já começou. Eu chamei-lhe de imbecil porque você FOI IMBECIL. E repito-o, adicionando o adjectivo de ignorante à lista.

    http://www.guardian.co.uk/world/2010/jul/21/hague-orders-ramush-haradinaj-retrial

    http://www.guardian.co.uk/world/2010/jul/21/hague-orders-ramush-haradinaj-retrial

    • V. KALIMATANOS diz:

      Francisco,

      O melhor é ires beber um copo com o charameleiro do Fernando, que isso passa-te, sua grafonola. A parte mais importante da alpista que te dei (há muito mais) é esta:

      “The UÇK itself will continue trying to provoke the Serbian-Yugoslavian forces with the well-known hit-and-run …. hoping that these would reach a level in destructions and number of refugees which leads to immediate NATO air strikes”.

      E não precisas de interpretares, basta traduzires. Key word PROVOKE.

  18. Francisco diz:

    Kalimatanos

    Quem foi que começou? A eterna questão. É correcto dizer que o UÇK provocou as forças da RFJ. Recordo-me perfeitamente da hedionda campanha do UÇK contra as minorias sérvias do Kosovo. Todavia,neste caso não é possível determinar com razoável precisão quem começou o conflito. As causas deste conflito perdem-se no tempo. Durante décadas as forças Sérbias-Jugoslavas suprimiram, por vezes brutalmente, os nacionalistas-separatistas Kosovars. Há aqueles que afirmam que foi Milosevic que iniciou, em 1987, uma campanha mais ou menos subtil da Serbianização do Kosovo. Em 1989 ele suspendeu os direitos autonómicos do Kosovo. Terá sido isto uma provocação? O UÇK foi formado em 1990. Repito: em 1990. Tá a ver: 1987 Milosevic no Kosovo VS. 1990 criação do UÇK. O UÇK iniciou as suas actividades militares (SÓ) em fins de 1995. Os Sérbios, no Kosovo, protegidos pelas forças Sérbias da “jugoslávia” exerciam um domínio quase total das estruturas do estado no Kosova. Outra provocação?

    Sim, é verdade que a UÇK provocou as forças da FRY mas também é verdade que as forças Sérvias há muito provocavam a ira dos Kosovars.

  19. Francisco diz:

    PS: Comparar o que os Sérvios fizeram aos Kosovars com aquilo que os Kosovars fizeram aos Sérvios é perfeitamente absurdo. Os Sérvios disponham do poder do estado. Implementaram, de facto, aquilo que o UÇK tentou implementar (a “libertação” do Kosovo = expurgação dos Sérvios Kosovars =limpeza étnica)

    Há aqui diferenças de grau substanciais que tem que ver com capacidades e não com ideologias radicalmente distintas (nacionalismo Sérvio vs nacionalismo Kosovar-Albanês)
    Em suma, a mesma “caquinha” mal cheirosa. Quando secar, envio-lhe como presente de natal.

Os comentários estão fechados.