Uma tese do Caravaggio

É verdade. O 5 dias está a tornar-se um local perigoso. Carlos Vidal levou a nota máxima, por unanimidade, na sua dissertação de doutoramento, com um trabalho sobre a produção da verdade na arte. A tese com 825 páginas e com uma bibliografia de 511 títulos utiliza o instrumental teórico de Alain Badiou para discutir a arte. Defende que a arte encontra dentro do seu próprio espaço o seu vocabulário. A verdade não tem substância e manifesta-se no acontecimento, quando uma situação é destruída. A longa análise da tese foi devidamente arguida pelo júri. Realço a intervenção combativa da professora Maria Filomena Molder que criticou, apaixonadamente, o “fechamento” das teses de Badiou e a sua interpretação “brilhante”, mas “redutora” de Platão e Heidegger. Não fosse Caravaggio um pintor em que a sombra molda a realidade e em que o que não é visível determina a nossa leitura da pintura, e o facto de grande parte da discussão se ter literalmente feito às escuras, devido a um corte geral de electricidade, não teria tanta graça. O público que lotava a sala aplaudiu no final o novo doutorado. Apesar do grau suspeito, já na segunda-feira o nosso Carlos será forçado a ir para o campo de reeducação do 5 dias. O Renato acha que ele não abordou devidamente a Charia e tem dúvidas se Cristo repetidamente mostrado em pinturas era do Hamas.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a Uma tese do Caravaggio

  1. Pingback: Tweets that mention Uma tese do Caravaggio | cinco dias -- Topsy.com

  2. iskra diz:

    *****, Tive mesmo receio que tivessemos que acender os isqueiros para iluminar o júri…e torná-los visíveis! 😉

  3. M. Abrantes diz:

    Parabéns ao Vidal [se a tese ficar online dou lá um salto].

    Mas ….

    Vim aqui depois de um dia de trabalho á espera de vos ‘ouvir’ falar sobre a libertação do Assange. Estranho que um gato vos tenha comido a língua. Bem, as declarações que ele fez á saída não atingem só os EUA. Quem serão os países que têm prisioneiros em muito piores condições que as experimentadas pelo testa da Wikileaks?

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Curioso, o 5 dias ainda não é um país e não tem nenhuma cadeia. Não vejo em que medida as declarações que não escutei do sr. Assange alterem a nossa posição sobre o assunto. Já que está tão bem informado, quem era a loira que estava ao lado do Assange?

  5. António Figueira diz:

    Long live Carlos Vidal!
    Muitos e sinceros parabéns!

  6. ezequiel diz:

    parabéns Prof Vidal. 🙂
    O Badiou até lhe vai enviar um telegrama a agradecer. lol
    🙂

  7. josejose diz:

    Parabéns !

  8. Portanto a defesa da sua tese de doutoramento não foi um [i]’Teatro de Enormidades Apenas Críveis à Luz Eléctrica'[/i] ?

    😉

    Parabéns !

    😀

  9. Justiniano diz:

    Os meus expressivos parabéns ao caríssimo Vidal. O reconhecimento já o precedia! Vai daqui um bem haja de felicidades e saudações muitas!!

  10. Morgada de V. diz:

    Absolutamente Vidalesque! Bravo!

  11. Niet diz:

    O Cinco Dias através da ” perfomance ” universitária -absolutamente admirável- de Carlos Vidal ainda fica melhor equipado para fazer face aos desafios do futuro. Que são gigantescos, muito complexos e dificéis- como todos devemos saber. Renovo os parabéns
    ao C. Vidal, portanto! Niet

  12. daf diz:

    Parabéns ao Carlos Vidal.
    Esperemos um novo catedrático no Convento de S.Francisco.

  13. João Valente Aguiar diz:

    Muitos parabéns meu amigo.

    Um abraço grande!

  14. Pingback: Uma tese do Caravaggio 2.0: Carlos Vidal, estou contigo – mas o Nuno não percebe nada de pintura, pá | cinco dias

  15. José Jardim diz:

    Parabéns PROFESSOR Carlos Vidal!

Os comentários estão fechados.