Os impenetráveis segredos de Estado de José Manuel Fernandes – Em que é que ficamos?

Nisto: “Quanto aos inimigos da liberdade faço parte dos que acham que devem ter toda a liberdade – e nós toda a liberdade para denunciar os seus objectivos.”

Ou nisto: “Por outro lado, e este ponto é importante, defendo que devem existir segredos – todos nós necessitamos de ter segredos – e que o Estado deve proteger certos segredos.”

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

27 respostas a Os impenetráveis segredos de Estado de José Manuel Fernandes – Em que é que ficamos?

  1. Checks & balances meu caro.
    Uns protegem, outros descobrem, «cada macaco no seu galho».
    No meu ver isso vai resultar sempre numa estrada sinuosa, e às curvas, mas é capaz de ser mais útil e chegar a mais lados que uma auto-estrada toda direitinha, desenhada por alguém que não tenciona lá passar, e por onde se vai muito depressa para sítio nenhum (que interesse).
    🙂

  2. António Figueira diz:

    O problema é epistemológico antes de ser ético: – E quem é que define o que é a liberdade (e, por consequência, quem são os seus inimigos)? Conhecerá JMF algum ponto de vista de onde possamos, com imparcialidade, designá-los – ou tudo o que ele faz é uma espécie de marxismo às avessas (mas sem a coragem de assumir uma concepção materialista, e logo assumidamente partidária, da história), travestido de absoluto? Este late cold war warrior escreve tanto que, necessariamente, reflecte pouco; Macintyre, por exemplo, escapou-lhe de todo.

    • Renato Teixeira diz:

      É isso tudo. Depois de nos mostrar a capitulação através dos tempos, JMF passou agora a demonstrar que ela também é possível ao longo de um texto. Notável.

  3. Em relação ao que disse o A. F. sobre o que escapou ao Zé Manel, tenho uma hipótese criativa: como se calhar ainda não aprendeu a «multitascar» e está investido naquelas funções imenso responsáveis, ele não deve tempo para se coçar, ver televisão e ainda menos ler um livro…
    Capaz de ainda estar no antepenúltimo do Dan Brown, a meio…

    😀

  4. Niet diz:

    O A. Figueira tem toda a razão e grande pontaria. Acho que foi Vítor Cunha Rego
    que desvendou ( adaptou…) essa técnica politica de escabrosa manipulação do “marxismo às avessas” ou ” marxismo branco” , de que, como sabemos, se tornaram adeptos fervorosos, JC Espada, JMF1957, e seus contemporâneos do “jornal” ” Voz do Povo ” que foram ” estagiar ” com essa carismática personalidade, V.J. Silva, no Expresso, no final dos anos 80. Niet

  5. Niet o ‘Expresso’ era como que um ‘albergue espanhol’, o “tio” Chico aceitava de tudo um pouco.
    Montes de gente lá, e de antes disso.

    • Renato Teixeira diz:

      Pode ter sido assim, mas são dias que já lá vão.

    • Niet diz:

      Major Alverca: Conheci o João Isidro, um dos fundadores do Expresso, e com
      ele o Daniel Reis, o Orlando Raimundo, vários padres, o Mega Ferreira. E outros…
      Mas o papa do Jornalismo, o Fernando Carneiro, que ” substituiu ” pela força da razão Francisco de Sousa Tavares em ” A Capital “, e depois reintegrou-o, apreciava
      mais os repórteres como o Rogério Rodrigues, o Fernando …que foi de A Capital para o Expresso, o Dacosta dos velhos tempos e o Mário Lindolfo, que ensinou tudo ao Vitor Bandarra hoje na TVI. suponho. É que não existe uma história geral do Expresso, por exemplo, nem do Jornalismo Português. Só indo à Hemeroteca do Largo da Trindade, mas há colecções fragilizadas e incompletas…Niet

  6. Confucio diz:

    É claro que o JMF inclui o 5 dias na lista dos inimigos da liberdade.
    Ponto de vista com que eu concordo.

    • Renato Teixeira diz:

      O problema não é bem a inclusão do 5dias. Acredito que boa parte dos que por aqui escrevem preferem a igualdade tratada de forma superior. O interessante no pensamento (?!?) de JMF é ele próprio não se incluir entre os inimigos da liberdade, e ao contrário, considerar-se um dos seus grandes guardiões. Perna curta, como se lê no texto.

    • antónimo diz:

      eu concordo que o jmf é um inimigo da liberdade. pontos de vista.

  7. Confucio diz:

    Irão: Jornalista preso por “minar o regime”: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/irao-jornalista-preso-por-minar-o-regime

    Aposto que você aplaudiu a prisão deste inimigo da liberdade.
    Afinal o tipo se limitou-se a tecer considerações pouco abonatórias sobre o carácter do PR lá do sítio (eleito em eleições completamente livres, como toda a gente sabe) e não disse uma palavrinha contra o grande Satã.

  8. [b]Niet[/b], aki entre nos que ninguém nos ouve, eu era amigo do João desde setenta e troca-o-passo… ( e eu nunca fui da EDE).
    Foi ele (não apenas ele…) que a meu pedido (e de outros…) ajudou a ‘meter’ no jornal referido dois dos meus amigos que ainda lá estão, mas que não tenciono identificar, sim são jornalistas ( e engºs electrotécnicos pelo IST)

    Dos outros todos só conheço o Fernando DaCosta (mal) era vizinho e amigo de uma das irmãs do meu Pai (both dead).

    • Niet diz:

      Major J.C. Alvega: Andei horas a procurar o nome do grande repórter do Expresso, da época de ouro 1993/98, o tal que tinha vindo de A Capital , o Fernando Gaspar. Que não sei
      por onde anda:universitário ou reformado? Era amigo e cúmplice do ” Deus ” Afonso, e assisti a algumas conversas cheias de inteligência e ironia entre ambos!
      Adianto esta nota porque entendi que podia eventualmente ter percebido que estava a falar do F. Dacosta que, aliàs, nunca ” pisou ” o Expresso, creio! Niet

  9. ezequiel diz:

    Caro António,

    Não me parece que o problema seja epistemológico antes de ser ético.
    MacIntyre, se bem me lembro, diria que o problema é comunitário antes de ser epistemológico e julgo que não seria absurdo afirmar que o próprio conceito ou experiência da comunidade é uma das mais genuínas expressões (existenciais) da ética. É fútil definir ou tentar definir a liberdade. Ponto de vista onde se contempla a imparcialidade (coisa distinta do ser-imparcial, coisa distinta da presunção da infalibilidade)? Nah. Simplesmente inatingível.

    Cumprimentos
    ezequiel

  10. ezequiel diz:

    PS: Estava a tentar ser irónico na ultima parte do comentário. 🙂

  11. júlio costa diz:

    Não percam aqui em http://sempunhosderenda.blogspot.com
    o vídeo do republicano norte-americano Ron Paul a dar
    uma sova em todos os José
    Manuéis Fernandes de lá e de cá.

  12. Pingback: O Wikileaks e a máfia nórdica | Aventar

  13. Pingback: Todos já sabiam de quase tudo, só não queriam é que nós soubéssemos disso. O problema deles, é que agora ninguém pode negá-lo. | cinco dias

Os comentários estão fechados.