Lições de Victor Jara a propósito da luta dos controladores aéreos do Estado Espanhol – Desalambrar, sem chicha, ni limonada, nem pré-aviso!

José Blanco, ministro do Fomento de Zapatero.

“Ahora toca hacer justicia. (…) El comportamiento altamente irresponsable de los controladores no puede quedar impune. (…) En estado de alarma no se negocia!”

Depois do posicionamento dos partidos da esquerda democrática espanhola (ler a posição da IU, via Zé Neves) e do papel vergonhoso do sindicato do sector, será que chegou a hora de passarem de fura-greves a capatazes e delatores?

Toda a solidariedade com os 442 controladores aéreos sob alçada disciplinar que nos mostraram que no actual momento tem que passar a valer tudo. Nenhuma forma de luta pode ser dispensada se queremos de facto derrotar os governos PEC. Acabou o tempo da concertação e das negociatas que só servem para tutelar o descontentamento e castrar a capacidade transformadora que, ficou visto, ainda vem da força de trabalho.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

31 Responses to Lições de Victor Jara a propósito da luta dos controladores aéreos do Estado Espanhol – Desalambrar, sem chicha, ni limonada, nem pré-aviso!

  1. Leo diz:

    Agora até chama à controladora aérea de nome Cristina, “força de trabalho”. E nem sequer percebeu que são todos os 2.400 controladores que correm o risco de processos disciplinares e que os 442 são apenas os primeiros que já foram despachados. E quanto ao sindicato, durante 15 dias vai estar de mãos e braços atados pois que não há negociação enquanto durar o estado de alarme.

    E entretanto se os sindicalizados discordarem do modo de actuação do sindicato podem e devem propor novas eleições e – dentro das regras – resolver qualquer eventual conflito, do qual, confesso, não tenho a mínima informação.

    Quanto à luta, se quiserem desta vez fazer greve, é recomendável que sigam os preceitos legais. Presumo que por lá, tal como cá, a entrega de pré-aviso não é monopólio sindical, mas seja por iniciativa do sindicato, seja por iniciativa dos controladores, é obrigatória a existência de um pré-aviso anunciado dentro de prazos legais.

    E que não torne a ocorrer a esperteza de pedir baixa médica para seguir cobrando. Todos os direitos, mas também os deveres.

    • LAM diz:

      Alto!! multiplicaram-se durante a noite!
      até ontem eram os “interesses corporativos de 200 trabalhadores” o que era “absolutamente condenável”. Passaram entretanto para 2400 controladores. Aquilo é que nem coelhos. Léo, ainda não li ninguém a contestar a acção dos sindicatos como uma peça fundamental nas estratégias de luta contra estes poderes. Mas isso não pode significar que a luta esteja estritamente confinada aos sindicatos e que não sejam aceitáveis estratégias criativas de combate nem que, porventura, algumas dessas estratégias não correspondam ao legalismo imposto pelo poder dominante e possam até, em alguns casos, não corresponder ao politicamente correcto da contestação “institucionalizada” personificada pelos sindicatos (talvez mais em Espanha do que em Portugal, mas isto é palpite). Não veja oposição em coisas que são complementares.

      • Leo diz:

        “não li ninguém a contestar a acção dos sindicatos” ??? Está visto que não seguiu o link do Renato (“Acabou o tempo da concertação e das negociatas”).

        E fartinho de lembrar que nem lutas nem greves são monopólio sindical estou eu. Até por aqui, há pouco tempo, fiz copy&paste da nossa lei sindical onde se declara que podem entregar pré-avisos de greve quer as associações sindicais quer os trabalhadores e que presumo não ser assim tão diferente da espanhola.

        Agora chamar luta ao abandono silencioso, não assumido, à traição, pela socapa do posto de trabalho é que não há estratégia criativa que lhe valha.

        E cheira-me que não tarda a sabermos do papel do PP nesta vaga de doenças súbitas, exactamente no início de um fim-de-semana prolongado e quando o Rei e o Primeiro-Ministro era suposto estarem na Argentina.

        • LAM diz:

          Leo, o 24 de novembro mostrou uma vez mais, se dúvidas ainda houvesse, que a própria legalidade concordada e consentida pelo poder, que julgávamos assegurada na lei da greve, é boicotada com as ameaças de despedimento, não renovação de contratos, perdas de progressão nas carreiras, etc. Tudo coisas à margem da lei e que lhe condicionam o alcance político. Como diz um comentador num outro blog, “Si se militariza a los que tienen un poder de chantaje sobre el conjunto de la sociedad, habría que empezar por los bancos ‘too big to fail’.”

        • A.Silva diz:

          Os controladores aéreos espanhois mostraram mais uma vez as fragilidades do poder em espanha e no mundo.
          São um incentivo para a luta dos trabalhadores europeus!
          Estou-me a marimbar se a greve foi legal ou ilegal, na luta de classes os formalismos vão prás urtigas.

  2. Renato Teixeira diz:

    Von, a andar, a andar daqui para fora que não lhe aprovo merda.
    Leo, como percebeu vou continuar a editar a sua prosa, mas estou perto de perder a paciência.

  3. Manuel Monteiro diz:

    Os governos da burguesia e do capital só será derrotado com acções radicais, fora dos esquemas legalistas…
    Manuel Monteiro

    • Renato Teixeira diz:

      É Manel, talvez por isso JMB tenha tanta razão ao dizer que esta merda não muda, porque a malta não quer que esta merda mude. O que vale, é que de imobilistas não reza a história. Aquele abraço

  4. a anarca diz:

    o meu aplauso 🙂
    para os controladores !
    Foi um dos bloqueios mais inteligentes que assisti !
    deram o exemplo
    deixem-se de tretas e percebam que o poder está nas mãos de quem trabalha

    que tal um choquezinho nos lucros da EDP…com um blackout (popular)??? e pôr o Mexia a mexer-se 🙂

    • Leo diz:

      Agora chama bloqueio a alegada doença e stress?

      Francamente, não estou a ver o que a sonsice tem de inteligência. Mais a mais quando já se sabe dos processos disciplinares em curso e dos processos judiciais prometidos e da ameaça de continuação do estado de alarme conhecida que é a posição do PP (“Os trabalhadores são responsáveis e culpados” disse a porta-voz).

      Afinal o que é que ganharam os controladores em particular e os trabalhadores em geral?

    • Von diz:

      O seu aplauso porque não foi prejudicado. Ora vá lá comer um hamburger ao Mac e deixe-se de merdas.

  5. A.Silva diz:

    A propósito Renato, não me parece que a posição da IU seja contra os trabalhadores.
    “Consideramos que la única forma de recuperar rápidamente la normalidad para evitar mayores perjuicios a los cientos de miles de ciudadanos afectados es la vuelta a la negociación y un inmediato acuerdo entre las partes, basado en el sentido de la responsabilidad y del bien colectivo”, concluye García Rubio.”

  6. maradona diz:

    boa tarde

    Comentador leo: não se percebe um caralho do que o professor doutor escreve.

    comentador manuel monteiro (um azar do caralho, ter um nome desses): espero que o governo que suceder ao governo da burguesia e do capital saiba aplicar a lei quando depois, pessoas como eu, embarcarmos em acções radicais para o restaurar (pessoas como eu, não eu próprio, eu acomodo-me a tudo, farei tudo o que me mandarem sem pestanejar)

    Renato teixeira: eh pá, então no principal blog da revolução (o 5 dias é o unico local que me permite contactar regularmente com revolucionários), depois de postares mais um excelente contributo de esperança, em que inclusivamente chamas o futuro para o presente, e menos de meia hora depois remetem-no para o fundo da página de entrada com um post de crítica musical de um concerto no Lux? assim não vamos lá. é que nem aqui a revolução se consegue começar a impôr, por deus.

    • Renato Teixeira diz:

      Maradona, as revoluções só não são musicadas na sua cabeça.

      • maradona diz:

        eh pá, tá bem, já nem peço que seja música tocada ao ar livre e de borla, mas podiam pelo menos acertar entre vocês que só se fazia crítica de musica que fosse apresentada em locais ideologicamente em sinfonia com as linhas gerais da esquerda radical, como aquela coisa não sei quê do operário. agora no lux?, um local de onde sou expulso regularmente, que democracia é esta? parece um daqueles maus clichês sobre a esquerda, por deus.

  7. Abilio Rosa diz:

    Para alguns tristes que aqui debitam os «controladores de tráfego aéreo» são agora a vanguarda da classe operária!

    E depois querem sere levados a sério pelo povo português!

    E colocar a música e os versos de Vitor Jara para esta empreitada é o cúmulo da cretinice!

    • Renato Teixeira diz:

      O Victor Jara é meu e a mim ninguém me tira. Vá descansar Abílio. Respire fundo que quando viajar para Madrid não fazemos chegar o recado à pista.

  8. lg diz:

    Renato, na maioria das vezes concordo com as suas analises.

    Todavia, estes tipos que agora esta a defender, sao uns capitalistazecos de m…a que ganham mais de 300 mil euros/ano.

    Os prejudicados por esta greve selvagem, foram pessoas normais e correntes: trabalhadores que ganham o salario minimo incluidos.
    Foram familias com criancas, foram imigrantes que provavelmente levam anos poupando para poder visitar as suas familias (ex: muitos sul americanos que trabalham em Espanha) etc.

    Isto que estes privilegiados da sociedade, com os seus bmw, porches e roupinha de luxo fizeram, foi prejudicar os mais fracos- aqueles que voce sempre diz defender…

    Um abraco

    • Renato Teixeira diz:

      Tem os números errados. No máximo ganharão 50 mil euros mês, longe portanto da aristocracia que fala.

Os comentários estão fechados.