Fábrica Flaskô ocupada pelos trabalhadores no Brasil

Via Blog de Esquerda Marxista

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Fábrica Flaskô ocupada pelos trabalhadores no Brasil

  1. antónimo diz:

    E se neste período festivo que se avizinha, se descascasse o que os hipermercados fazem com a comida e outros produtos que se aproximam do fim do prazo ou com as sobras da pastelaria ou das refeições que servem para fora. Segundo sei são destruídas com detergentes e nem os funcionários têm direito a elas.

    Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar, deixou o lugar de financeira em Bruxelas e veio para Portugal parando de trabalhar para ajudar os filhos a integrarem-se no sistema de ensino português. É a mesma mulher que diz que quem recebe o rendimento mínimo devia ser forçado a trabalha na limpeza de mato e assim – passando por alto que muitos pais receberiam misérias de 450 euros que teriam de gastar em amas para os filhos, transportes, e refeições fora.

    A mulher no fundo ajuda a aumentar os lucros das distribuidoras.

  2. antónimo temos a quem sair…
    Do meu pal Rob, que vive em NYC mas tb. já viveu em Londres:

    roban
    Location: New York
    Posts: 2,013

    The amount of food that gets trashed here in the USA is tragic. It’s easier to throw it away than it is to recycle it.
    According to Second Harvest over 41 billion pounds of food are wasted every year and the avarage household wastes 14% of their food.
    Official surveys indicate that every year more than 350 billion pounds of edible food is available for human consumption in the United States. Of that total, nearly 100 billion pounds – including fresh vegetables, fruits, milk, and grain products – are lost to waste by retailers, restaurants, and consumers.

  3. ah pois é diz:

    Nuno, não acho justo cortar o meu comentário e ao mesmo tempo tolerar as gajas descascadas do Renato Teixeira e a pornografia mangaa do Carlos Vidal. Só lhe peço coerência.

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Peço-lhe desculpa, os outros autores não podem cortar os meus disparates, nem eu os dos outros. Apenas posso cortar os seus comentários disparatados e somente quando não têm nada que ver com o tema do post ou são insultuosos. Mas, se puder, não volto a aprovar nenhum.

Os comentários estão fechados.