Cavaco Silva integrado no regime fascista

cavaco
“Integrado no actual regime político”, respondeu o actual Presidente da República à PIDE. Estávamos em 1967 e António de Oliveira Salazar cumpria o seu 35º ano como cabeça da ditadura fascista. Quase quatro décadas depois da Revolução de Abril, são os mesmos interesses que dominam a vida política do nosso país. Agora ficamos todos a compreender que o dia da raça não foi uma gaffe.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 respostas a Cavaco Silva integrado no regime fascista

  1. alexandre costa diz:

    Por favor, não dê tiros no pé, isto é, não vá por aí. Eu detesto o homem mas lembro que centenas ou milheres de democratas assinaram nas calmas (e até com o perfeito propósito de não a respeitarem) uma declaração obrigatória para poderem ser funcionários públicos em que declaravam a sua integração na ordem social vigente e « o seu activo repúdio do comunismo e de todas as ideias subversivas».
    Grave em Cavaco, mas isso já está esquecido é que, quando já era primeiro-ministro declarou a uma «Revue Internationale» que o regime de Salazar estava bem até à 2 ª Guerra Mundial, depois é que já não se tinha sabido adaptar aos novos tempos.

  2. não aprecio arqueologia politica e desenterro de múmias.

  3. David diz:

    Bruno, não posso com o Cavaco, mas não é por aí que lhe pegam. Você sabia que, durante o fascismo, qualquer pessoa que se candidatasse a um lugar no Estado — desde funcionário a professor — tinha de assinar uma declaração a afirmar que estava “integrado” no regime então vigente? Há por aí, certamente, uns bons milhares de pessoas que não se orgulham dessa “profissão de fé”, porque dela dependiam o seu emprego e a sua sobrevivência económica, e que hoje estão, convictamente, nas diversas formações políticas de esquerda. Convivi com muita gente honrada e antifascista, antes do 25 de Abril, que fora forçada a assinar essa declaração.

    • pêga diz:

      Cresci precisamente com a lição de uma professora que tremia com ambas ideias de assinar e não, execrando o sinal que daria na sua pequena comunidade assinando. Foi salva pelo gongo e teve sorte, porque se preparava para não o fazer sem realmente se poder dar a esse “luxo”.

  4. João Figueiredo diz:

    o estar integrado é normal, a isso estava “obrigado”. o que é revelador é a declaração sobre o os sogro e companheira…

  5. Bruno Carvalho diz:

    Aqui não se está a desenterrar nada porque a múmia está mais do que desenterrada. E para além disso não se pode justificar o injustificável. Não estamos a falar de uma simples declaração obrigatória para entrar para a função pública. Falamos de uma declaração que lhe daria permissão para aceder a documentos classificados. Não só afirmou estar integrado no regime como indicou várias pessoas que lhe eram chegadas e que estavam próximas do fascismo.

    Trinta e seis anos depois do 25 de Abril, o regime económico vigente em Portugal, com as devidas diferenças, é o mesmo que se vivia durante o fascismo. O capitalismo avança a todo o vapor e tenta recuperar-se o tempo perdido. Destroem-se direitos conquistados e eleva-se a exploração. Quem o faz é sobretudo gente que se afirmou antifascista e até revolucionária em determinado período em que o tinha de fazer. São os mesmos que se afirmam patriotas e venderam o país às potências europeias. Há que denunciar quem vestiu e veste a pele de cordeiro.

  6. Renato Teixeira diz:

    “Há que denunciar quem vestiu e veste a pele de cordeiro.” O tiro é certeiro por todas essas razões e mais algumas, mas reconhecerás que Cavaco até tem sido fiel ao seu palavreado. Na semantica e na sintaxe da sua politica, os paralelos com o velho senhor sobram-se por todos os lados. Não haverá carneiros mais bem disfarçados? Nem diria reaça da mesma aguada, mas os democratas que permitiram o contra-golpe. Em suma, não terão melhor pele de carneiro os lobos assimilados?

  7. Há coisas que não são simples, quem dera…
    Nunca contemporizei, mas entendo as razões de muitos que o fizeram, promessas feitas sob ameaça ou coacção não valem, acho eu.

    Para reflexão, e por estética, recomendo a revisitação de isto aqui.

  8. Von diz:

    O Alexandre Costa tem toda a razão.

  9. Abilio Rosa diz:

    Comparar o Cavaco com Salazar, é comparar um Fiat600 com um Bentley clássico.
    Não vão por aí.
    O anti-salazarismo já foi chão que deu uvas.
    O socretenismo actual é muito mais pernicioso!

    • pêga diz:

      Uh, o método do “acima das discussões estéreis”, tipo cuspir o pirulito para ninguém querer provar é deveras….old school

  10. Bruno Carvalho diz:

    Não sei se já repararam mas a página em questão ficou indisponível…

Os comentários estão fechados.