A normalidade em Azevedo Neves

O 31 da Armada é quase sempre um local aborrecido. As inúmeras postagens resumem-se quase sempre a um interminável bocejo, que não surpreende nem a inteligência nem o seu contrário. Qual bordel em auto-gestão, qual bando de rameiras indispostas, a esta gente motiva apenas o elogio das direitas, qualquer que ela seja que aquilo é gente de boa boca, e o que galvaniza são os lastros mais fétidos do poder. A sua fachada rebelde e as suas acções públicas, se equiparadas ao sexo, não passariam de um entediante e ortodoxo missionário onde o momento de maior prazer é o cigarro. De todos, nenhum se lê, com destaque evidente para o Azevedo Neves que mesmo no decorrer do jantar de aniversário do blogue, a única piada que esboçou foi aqui sobre o seu cozinheiro preferido. Eu, no seu entender, sou um bicho, com aspas, diferente, o que nestas cabecinhas ordenhadas, o melhor dos elogios é o pior dos insultos, a mais cruel e corrosiva das caracterizações. Zizek, em dois minutos, dá a solução para todos os problemas do Azevedo Neves, ao qual se aconselha vivamente uma passagem pelo submundo do ralo lusitano.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

19 Responses to A normalidade em Azevedo Neves

  1. Pseudo da Silva diz:

    Um riposte igualmente edificante.

  2. Abilio Rosa diz:

    Imaginem o Reino de Portugal com aqueles dois poltrões sentados nas Cortes a aparar as unhas e a palitar os dentes!

  3. Youri Paiva diz:

    Pois bem, isso quase merece um bocejo ó Renato.

    Se lhes queres prestar «homenagem» manda isto, já que são fieis defensores – ao ponto de lhe erguerem uma estátua – da personagem: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/coronel-louvado-suspeito-de-burla220514610

  4. “O 31 da Armada é quase sempre um local aborrecido. As inúmeras postagens resumem-se quase sempre a um interminável bocejo, que não surpreende nem a inteligência nem o seu contrário.” Sim, porque o 5 dias é um lugar deliciosamente interessante, pertinente e divertíssimo!

    • Renato Teixeira diz:

      Assim sim: “porque o 5 dias é um lugar deliciosamente interessante, pertinente e divertíssimo!” Vai uma aguardente velha para este senhor por conta da casa.

  5. o da boa-fé diz:

    Ao contrário do sr. Teixeira, eu sou sempre (ligeiramente, suavemente, assim-assim) surpreendido de cada vez (1 vez por trimestre) que visito o antro da Armada, caixas de comentários incluídas: fico a perceber que TUDO é defensável – da extrema direita israelita aos neo-conservadores americanos, das cargas policiais à homofobia, das guerras pelo Império ao Natal. Volta Salazar que estás perdoado.

  6. o da boa-fé diz:

    Pessoal,

    descobri “um lugar deliciosamente interessante, pertinente e divertíssimo!” (que raio será divertíssimo?).

    Chama-se Obliviário (será que escrevi bem?).

    ps: É um autêntico espanto. Assim que o descobri queimei imediatamente a colecção completa dos livros do Eça com capa dura que herdei do meu avô, as revistas Marie Claire que herdei da minha mãe e as Onze que ganhei do meu papá.

  7. Nunca me dei ao trabalho de ler nesse “trinta-e-um”, com o dito nome só me lembrava de um restaurante ao pé de Alcântara/Lxª, mas depois dessas imagens fab das ‘rameiras indispostas’, do ‘bordel em autogestão’ e do ‘submundo do ralo lusitano’ tenho que arranjar um minutinho para ir lá espreitar isso…

    😉

    • Renato Teixeira diz:

      Boldel em auto-gestão, na verdade, tem direitos de autor. Um velho compagnon de route assim baptizou a Direcção Geral da AAC. Por aí passaram e treinaram muitos do que fazem deste país um belo 31.

  8. a anarca diz:

    Renato,
    Aprecio a sua determinação 🙂
    Borrife-se

  9. pedro gama diz:

    A CRISE DE PORTUGAL FOMENTOU O APARECIMENTO DA BLOGOSFERA. OS INTELECTUAIS TROCAM PALAVRAS, INSULTOS E ANEDOTAS. ONDE ESTÁ O ILUMINISMO? ONDE ESTÁ A RADICALIDADE?

  10. ezequiel diz:

    O complexo sistema filosófico da merda.
    O Zizek poderia ter sido um esplendido comediante.

Os comentários estão fechados.