Dois vídeos da acção dos 42 presos de ontem

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

33 respostas a Dois vídeos da acção dos 42 presos de ontem

  1. maradona diz:

    o gajo que está a ser preso entre o minuto 2:05 e o minuto 2:52 é gordo como o caraças. quando o voltam, logo no inicio, rebenta-se-lhe o botão das calças, com a pressão explosiva da barriga, como aqueles cetácios que dão à praia e cuja decomposição faz acumular gases até que rebentam; fiz umas contas rápidas e a pegada ecologica desse gajo deve ser o equivalente a um batalhão da NATO; o policia que fala no fim é atrasado mental; solicita-se aos comandantes das forças de segurança que tenham mais cuidado na escolha dos elementos com a responsabilidade de falar com os orgãos (de comunicação social). não sou uma pessoa muito sensivel, mas este happening pareceu-me organizado de maneira pouco convicta, sem muita energia ou imaginação; têm que melhorar. de resto, de amanhã a oito dias é o barcelona-real madrid, não esquecer.

    • Von diz:

      O seu testemunho é valioso como o caraças. Tão valioso como aquelas escarretas que ficam no chão a arroxar o pavimento.

      • Carlos Vidal diz:

        O trambolho do merdas “maradona”, diverte-se. Não é escarro, é trambolho. A sorte do gajo é ser anónimo, senão, lá teríamos de comprar-lhe, ajudando-o, as canadianas.
        E, mesmo assim, cuidado, ó tosco….

        • maradona diz:

          Vai correr tudo bem, vais ver.

          • JBT diz:

            Cale a boca, senhor professor Vidal. Cale a boca que só se envergonha com este comportamento. Tem boca suja.

            Tente estar a altura da liberdade que tem. Do facto de poder escrever num blogue e ter discípulos. E da sorte de poder conversar com maradonas e outros.

            Quanto às imagens dos manifestantes, pena é que não tenham apanhado.

  2. Diana Dionísio diz:

    Obrigada, Youri. Publiquei esse também.

    • Bolota diz:

      Diana,

      Sou dos que sabe o que é o antes e o depois ver parar o mundo para quem fode o mundo esteja bem, revolve-meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee as entranhas.

      Dia 24 ou paramos este rectagulo de chulos ou não temo outra oportunidade tão depressa.

      O Mundo é de todosssssssssssssssssssss e não de alguns.

    • Leo diz:

      Francamente, Diana, não acha uma palermice tudo isso? E que foi gratuitamente exibicionista mais a mais que decorreu duas horas depois de todos os gajos da Nato terem passado? Obrigação de justificar os financiamentos? A modos que picar o ponto e fazer prova de vida?

      Que tristeza!

      • Bolota diz:

        Leo,

        Se calhar tens razão…assim sendo, és capaz de dar uma ideia de como deviam gritar o seu desagrado???

        Repara nisto, estamos nas lonas, esteve cá tudo o que é poder politico e economico ou seja os tais mercados que ninguem sabe quem são mas que nos fazem a vida negra todos os dias. Alguem se chegou á frente com um donativozito e a prometer que a partir de agora a economia Portuguesa está á margem de ataques???

        Leo, triste é a tua submissa postura perante tamanha arrogancia das potencias.

      • Diana Dionísio diz:

        para si tudo o que não é convocado pelo PCP é exibicionismo
        a sua cabeça é tão fechadinha que nem sei por que passa o dia a ler e a comentar neste blog
        serve-lhe para quê?

        “Que tristeza!”

        • Leo diz:

          Eu nem quero saber quem convocou esta tolice.

        • andes diz:

          abramos então a cabeça com esperança que dela não caiam os miolos. Portanto, aquela acção (chamemos-lhe assim) tem uma qualquer justificação racional? Se sim, gostava de saber qual, e espero bem que permita justificar “à larga” o incómodo que aquela situação causa, não só à polícia (que suponho, num mundo ideal devia servir para combater apenas pessoas com claras e informadas más intenções; e não pessoas com boas intenções provenientes de cabeças demasiado abertas — das quais os milos se evadiram).

  3. zé neves diz:

    Leo, ainda vai acabar a dizer que é exibicionismo os camaradas levarem bandeiras do respectivo partido para as manifestações e criarem uma imensa mancha vermelha na avenida.

    • Leo diz:

      Comento as cenas palermas dos dois filmes. E não acredito que haja alguém com dois dedos de testa que não ache tudo aquilo uma parvoice gratuita.

      • Carlos Guedes diz:

        Ouvi dizer que o Leo tem 8 dedos de testa…

      • LAM diz:

        Leo, como diz e bem Zé Neves, se vamos por aí é tudo palhaçada, tanto os que se deitam no chão como os da bandeirinha. Ou, de outra maneira, porque é que uns são mais palhaços do que outros?
        O objectivo (um dos) de uma manif é chamar a atenção para determinada causa e torna-la o mais visível possível. Até ver, parece-me que aqueles a que chama palhaços conseguiram melhor esse objectivo. Os da bandeira, e é pena que seja assim, tiveram tanto impacto como os que ficaram em casa no sofá a ver tv.

        • Leo diz:

          Chamei-lhes palermas exibicionistas. Tenho respeito pelos palhaços. Como tenho respeito pelos que saíram das suas casas para virem, com todo o civismo, manifestarem-se. Alguns vieram de muito longe. Encontrei por lá amigos maus de Leiria, por exemplo.

        • andes diz:

          Suponho que não seja a visibilidade o único critério. Deve ser algo como “ver uns miúdos a fazer uma birra no chão” e extrair daí uma série de manifestos inteligentes. Lá está, ninguém anda com esses óculos, portanto, acho que ninguém viu nada. Se ninguém viu nada, então a visibilidade foi nula.

          Acho que chega a ser pior. Acho que o que é de facto dado a ver é tão grosseiro que mais nenhuma hipótese é concedida àquele conjunto de imagens: “miúdos birrentos à moda do Gandhi” (esta do Gandhi tem a ver com os meus óculos, um bocado mais sofisticados — leia-se, perto do que se pretende tentar dizer — do que aqueles a quem se pretende chegar.) Se é que se pretende chegar a alguém.

          Por favor, um bocadinho mais de inteligência faz-vos (apoiantes e promotores deste tipo de intervenção) falta urgentemente.

          • LAM diz:

            Eu não disse que a visibilidade fosse o único objectivo, é UM dos, e provavelmente, dos mais importantes. Mas ainda bem, e pior para nós se isso não acontecesse, que há ainda vão havendo jovens que não restringem o protesto ao “bem comportado”, “organizado”, disciplinado e “politicamente correcto” com palavras de ordem do século passado (que até desviam do fundamental das reivindicações de hoje que, concordaremos, serão diferentes do que eram há 35 anos atrás).
            A mensagem não passou da melhor maneira? paciência, para a próxima será melhor e será (ou não será de todo) assim que também irão, como os mais velhos noutros tempos, corrigindo e aprendendo.

          • LAM diz:

            Apontando-os às forças repressivas da polícia é que não é, de todo, o caminho. Esses jovens pertencem ao nosso lado da barricada, o corpo de intervenção NÃO! e é lamentável que haja dúvidas sobre isso.

    • GG diz:

      “Leo, ainda vai acabar a dizer que é exibicionismo os camaradas levarem bandeiras do respectivo partido para as manifestações e criarem uma imensa mancha vermelha na avenida.”

      Que poder de mobilização!!!! doí muito vêr?

      E os que vendiam o tal pasquim “ruptura” ou coisa assim… não os vi lá… tb havia pancartas do bloco e bandeiras anarcas, mas não conseguiam erguer-se como mancha ao longo de toda a manif.

      o zé neves aquilo que faz é constatar o que todos sabemos… o poder de mobilização está naqueles que não se separam das massas, que emergem das massas e das são representantes…

      Que bonita acção a de Sábado!!!!

  4. xatoo diz:

    realmente… é uma espécie de carnavalização obrigatória; não se aprende nada.
    uma ideia que fica para desobediências civis futuras é aquela maquineta da bófia para cortar o aço das algemas
    aquilo dava jeito para nos libertarmos, quando nos sentimos injustiçados pelos bloqueadores da Emel

  5. Abilio Rosa diz:

    Não tenho dúvidas que toda aquela malta que «protestava» é assalariada da CIA.

    TINHAM QUE FAZER AQUELAS FITAS PARA GANHAREM ALGUM «BAGO»…

    • Diana Dionísio diz:

      eu tenho a certeza que conheço alguns dos participantes e não são da CIA nem receberam qualquer tipo de dinheiro por fazerem esta acção

      mas, mergulhando na sua teoria da conspiração, o que ganharia a CIA com esta acção?

      • GG diz:

        havia tanta gente do estrangeiro… na sexta, no camões e com ampla cobertura mediaática, falou uma senhora alemã, em bom português, diga-se!

        no sábado de manhã, entre aqueles senhores que se acorrentaram, gritavam palavras de ordem em mau português, ou mesmo na lingua de william…

        como conseguem estar aqui? serão assalariados? de quem recebem o soldo?

        Acho estranho, muito estranho…

        Quanto aos ganhos da CIA basta constatar o apagar da acção de dezenas de milhar de pessoas na Av. da liberdade e da cobertura dada a estas acções.

        Sendo que todo o medo craido antes da manif tb não despresivel…

        • Diana Dionísio diz:

          “gente do estrangeiro” “como conseguem estar aqui?”, falam em “mau português”
          Se isto não é xenofobia, não sei o que seja.
          Eu também fui a Itália às manifs contra o G8 e na altura não falava italiano, e também era, para quem vive em Itália, “gente do estrangeiro”… e como conseguia estar lá? Simples, viajei, apanhei uma camioneta e cheguei a Itália – difícil, hein? Para si devia era haver mais fonteiras, não?

          Não duvido que em vários casos seja a própria CIA a criar coisas para instalar o medo e justificar o estado de sítio em que nos pôs a viver.
          Mas esta acçãozeca de uns pacifistas??!! Isto servir-lhes-ia para quê? Não meteu medo a ninguém, não houve sangue, não se partiram montras…
          Sinceramente não consigo perceber.

          Bom, agora também há outra hipótese em cima da mesa, que é o GG e o Abilio começarem a achar que eu sou da CIA. Força nisso. Embora sempre me pareceu de mau tom e muito perigoso andar a acusar pessoas de serem infiltrados, ou polícias, ou inimigos sem ter provas nenhumas de nada. Parece-me até que é o melhor caminho para a divisão de quem podia (podia?) estar unido em certas lutas.

  6. o da boa-fé diz:

    As discussões neste blog (exceptuando naturalmente as suscitadas pela Morgadinha dos Canaviais) têm acabado invariavelmente no “CCCP 4ever!” de uns (com ou sem 8 dedos de testa) a abafar qualquer tentativa de outros por argumentar, subverter, raciocinar, questionar, respirar… fora da lógica CCCP/PCP.
    Há-de ser assim até quando? Não percebem que estão a dar cabo do ambiente de tasca que em tempos chegou a existir por aqui.

    Uma nota apenas sobre esse lugar em vias de extinção que são as tascas:

    A tasca e o partido são dois pólos opostos,
    inconciliáveis por força da sua natureza.
    Entre ambos não há nem pode haver qualquer tipo de relação,
    que não seja de mútua suspeita.
    Porque a tasca nunca teve partido;
    e nenhum partido pode ter a sua tasca.

    Como o missionário, o militante resiste mal na tasca.
    Se for pregar as suas hipotéticas abstracções feitas de éter,
    arrisca-se a vir de lá com um prego de metal verdadeiro
    cravado no fundo da testa.

    A tasca é um dos raros lugares onde ainda impera o bom senso.
    Ao contrário do que se poderia imaginar,
    o vinho é um grande aliado da faculdade de bem ajuizar.
    É aliás por isso que a política profissional e a militância não frequentam a tasca:
    aí encontram o seu pior inimigo, o álcool
    – e o tão indesejado caminho para a verdade
    a que ele inevitavelmente conduz.

    Hic!

  7. António Figueira diz:

    Ó da boa-fé,
    sinceramente te digo
    que não percebes nada disto
    e que aquilo que dizes sobre tascas e partidos
    é de quem não percebe nada de tascas e partidos
    – quero dizer, de tascas e partidos populares.
    Anda, liga-te às massas,
    logo verás.

    Hic o caraças.

  8. o da boa-fé diz:

    Mestre Figueira,

    Claro que não percebo, nem disto nem do resto. Se
    percebesse, de certeza que não andava aqui
    a comentar num blog da terceira divisão
    mundial de blogs que, apesar de ter o
    Renato Messi e o Cristiano Vidal
    nas suas fileiras, não tem sequer
    uma única participação na
    Champions League da blogosfera
    – e que, sendo da terceira divisão, já nem
    sequer é tasca: foi despromovido a restaurante
    chinês…………………… quer dizer, vermelho (CCCP),
    onde a comida e as conversas são sempre as mesmas,
    e o vinho verde ‘Grande Muralha’ simplesmente imbebível.

    • António Figueira diz:

      O vinho verde “Grande Muralha” é porreiro, tem graça, o resto é uma tolice: tascas, restaurantes, o caraças, no campeonato mundial da blogosfera os terceiros são os primeiros.

Os comentários estão fechados.