Faltam sete anos

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

11 respostas a Faltam sete anos

  1. António Figueira diz:

    Para ajudar à festa, aqui deixo uma versão do Lied der Kommintern http://www.youtube.com/watch?v=JJ48EEzORZ4&feature=related
    escolhida a pensar no nosso Renato, porque o Leo Bronstein (ainda) aparece duas vezes 🙂
    Eu acho mal que não haja consoada nem prendas no sapatinho em dias como este.

  2. Fernando diz:

    O espírito dos nossos tempos é já completamente diferente, os ideias socialistas foram para não mais voltar.

    • maumaria diz:

      xor fernando,na sua cabecinha sim!!!

      • A.Silva diz:

        aliás, nunca lá devem ter estado.

      • Fernando diz:

        Repare que no meu comentário não digo que o socialismo não voltará. Mas diga-me lá, na sua cabecinha, há uma revolução no horizonte próximo? Olhe que em 1910 havia mais, de certeza. Depois de uma grande crise como esta, diga-me que perspectivas revolucionárias vê nas “massas”. As “massas” que eu vejo interessadas na revolução não vão além dos mesmos de sempre.

  3. Abilio Rosa diz:

    Há 93 anos Lenine apontou o caminho!

  4. Morgada de V. diz:

    Bela tag.

  5. Nuno diz:

    Fernando tem mesmo a certeza?

    • Fernando diz:

      Em 1910 havia um crescendo na propagação dos ideias de esquerda. Hoje não há.
      O socialismo só chegou devido a uma guerra mundial. Espero sinceramente que ela não esteja para vir nos próximos tempos, sobretudo porque depois da viragem à direita na política em todo o mundo nos últimos 2-3 anos é mais fácil voltar o fascismo. É tempo de esperar. Quem diz o contrário é para moralizar as tropas, assim tipo PCP, que vê sempre o partido a triunfar cada vez mais de eleição em eleição.

      • Leo diz:

        Eu o que vejo é o PCP a subir, paulatinamente, mas a subir desde há algum tempo. O que no ambiente mediático dominante é extraordinário.

        Acha que isso é vergonha? Eu não acho. Antes pelo contrário. Persistência, coerência, trabalho, trabalho, trabalho, luta, luta, luta, luta, luta é o caminho.

  6. Tiago Mota Saraiva diz:

    Ámen!

Os comentários estão fechados.