“As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo” – Lula, num comício da Dilma

Com Dominique Strauss-Kahn, Secretário Geral do FMI

Nos tempos da fundação do PT

Via Filipe, nesta caixa de comentários.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

50 respostas a “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo” – Lula, num comício da Dilma

  1. A lista Forbes parece concordar com o Lula. Beneficiaram os ricos (natural, a economia cresce, as empresas globalizam as suas actividades) e os amigos do Lula, se bem que os últimos, supostamente, o fizeram à revelia dele, coitado, sempre no escuro.

    http://insurrectomeditativo.blogspot.com/2010/11/para-esquerda-radical-responder.html

  2. Leo diz:

    Andei à procura de reportagens de discursos de Lula na campanha de Dilma nada encontrei com tal frase. Aproveito e deixo esta reportagem particularmente feliz:

    “Temos que ter alguma coisa a mais que a arrogância tucana; precisamos da humildade humana”, disse Lula em Juiz de Fora     

    “O presidente Lula voltou a Minas pela terceira vez participando de um grande comício em Juiz de Fora com todas as lideranças da Zona da Mata, prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, lideranças maiores da nossa região e deixou aqui um discurso emocionante em que ele mostra a mineiridade, a importância do relacionamento de Minas com todos os estados da Federação. Segundo Lula, Minas não pode se isolar. Essa é a oportunidade que temos agora de eleger uma presidente mineira, nascida em Belo Horizonte, e poder eleger um senador e um vice que trabalharam com a ministra Dilma durante o seu tempo na Casa Civil. Isso certamente vai ser muito importante para que os nossos projetos sejam todos muito bem avaliados, trabalhados e aprovados pelo governo federal.

    Vale ressaltar que presidente deixou uma frase aqui antológica, ao dizer que é ‘contra a arrogância tucana e que precisamos da humildade humana’. Isso é muito bonito e nós, certamente, vamos lembrar desse conselho do presidente”. Esse foi o balanço do candidato Hélio Costa, da Coligação “Todos juntos por Minas” (PMDB/PT/PCdoB/PRB) sobre o comício realizado nesta sexta feira em Juiz de Fora com o presidente Lula, a candidata Dilma, seu companheiro de chapa Patrus Ananias e os candidatos ao Senado, Pimentel e Zito. O evento reuniu mais de 30 mil pessoas.

    Em seu discurso, Lula comentou a participação de Hélio Costa no debate da Rede Bandeirantes na noite de quinta feira (16/09) e criticou a fala do candidato ao governo da coligação adversária quando este falou sobre a soberania dos mineiros para escolherem em quem votar. O presidente ressaltou: “quem são eles para falar de soberania, já que quem cuida do povo somos nós. Eles pegam os nossos programas implantados em Minas e mudam o nome para falar que são deles, como por exemplo, o Luz para Todos, que virou o Luz de Minas. Isso não pode continuar”, disse.

    Patrus falou sobre a tentativa tucana de diminuir a campanha em Minas. “A campanha do nosso adversário está querendo reduzir Minas, eles não querem que Dilma e Lula venham até nós.  Aqui nós temos orgulho de ser mineiros e o nosso presidente nos apoia, assim como a primeira presidente mulher do Brasil”.

    Fernando Pimentel falou sobre o esquecimento da Zona da Mata por parte do governo estadual. “Se não fossem os projetos do governo federal o que seria da Zona da Mata? Eles querem nós derrotar na mentira, pois não têm projetos para o povo. Nossa vitória será no dia 3 de outubro”

    Ainda segundo Lula, “ninguém tem mais cara de mineiro que o Patrus. Tem mineiro que tem cara de carioca”, ironizou Lula, se referindo ao ex-governador Aécio Neves que costuma passar os finais de semana na cidade do Rio de Janeiro. “Faltam poucos dias para acabar o meu governo. Para minha oposição, foram oito anos intermináveis. Para mim, passou num minuto”, disse. Pela primeira vez em 20 anos vocês não ver o meu nome na cédula de votação. Vocês vão ver pela primeira vez o rosto de uma mulher, muito mais bonito que o meu”, comentou.

    http://ptmg.org.br/conteudo.php?MENU=13&LISTA=detalhe&ID=4135

  3. Leo diz:

    O que o Renato fez é feio e chama-se batota.

    “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo” – Lula, num comício da Dilma” (Via Filipe, nesta caixa de comentários.)

    Ora segundo filipe says:
    2 de Novembro de 2010 at 12:33

    Esclarecedor???

    “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo”

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso em Minas Gerais durante a campanha de Dilma.

    O Renato deixou cair Minas Gerais porque descobriu que o Filipe mentiu, certo? Mas tentou enfiar-nos o barrete.

    É uma desonestidade o que o Renato fez.

    • Renato Teixeira diz:

      Poupe-me Leo. Veja lá melhor o que Lula tem dito e feito. Desonesto é crescer eleitoralmente com um programa e fazer o seu contrário.

  4. Renato Teixeira diz:

    Há dezenas de fontes na net. Esta, apenas uma entre muitas: http://www.jornaldelondrina.com.br/online/conteudo.phtml?tl=1&id=1058080&tit=Ricos-nao-superaram-preconceito-de-ter-presidente-metalurgico-diz-Lula

    E agora Leo? Quem é desonesto e quem quer tapar o sol com a peneira? Lula pode ter muitos defeitos, mas em matéria de honestidade bate-o aos pontos.

    • Leo diz:

      O que está na reportagem é:

      “Depois de participar de uma carreata em Belo Horizonte com a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, na manhã deste sábado (16), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os ricos, embora sejam “os que mais ganharam dinheiro em seu governo”, “não conseguiram” superar o preconceito de ter um metalúrgico na Presidência.”

      E isto é diferente, é mesmo muito diferente do que o Renato escreveu: ““As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo” – Lula, num comício da Dilma”

      1.

    • Leo diz:

      “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo”, urrou Lula num comício eleitoral em Belo Horizonte, pronunciando um diagnóstico inquestionável.”

      É isto que está na reportagem da Veja.

      Em que é que ficamos afinal? O Lula urrou num comício eleitoral como escreve a Veja ou como escreve o Globo”“Depois de participar de uma carreata em Belo Horizonte (…) afirmou que os ricos, embora sejam “os que mais ganharam dinheiro em seu governo”, “não conseguiram” superar o preconceito de ter um metalúrgico na Presidência” ?

      Se as duas reportagens que o Renato apresentou como “prova” dão duas versões diferentes do local das supostas afirmações, que credibilidade têm as alegadas afirmações?

  5. Renato Teixeira diz:

    E agora Leo, perdeu o piu?

    • Leo diz:

      Já que está tão interessado no Comício em Belo Horizonte deixo-lhe uma reportagem muito mais interessante:

      Grande comício recebe Lula e Dilma em Belo Horizonte

      Um grande comício marcou a arrancada em Belo Horizonte da campanha de Dilma Rousseff à Presidência e Hélio Costa ao governo mineiro nesta terça-feira (10). Mais de 10 mil pessoas foram até a Praça da Estação para ouvir os candidatos e o presidente Lula, que visitou pela primeira vez Minas nesta campanha.

      Com uma rosa vermelha, que entregou para Dilma, Lula elogiou a serenidade e paciência da candidata durante a entrevista que concedeu na véspera ao Jornal Nacional, na Rede Globo. O presidente se disse indignado com a forma em a candidata foi tratada pelos entrevistadores.

      Lula disse que esperava que, pelo fato de ser mulher e candidata, o entrevistador tivesse “um pouco mais de gentileza com a candidata”. O público concordou com as ponderações do presidente e respondeu em muitas vozes com o tradicional “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”.

      Apesar da ferocidade dos âncoras do Jornal Nacional, Lula disse que Dilma se saiu muito bem, assim como foi positiva sua participação no debate na Bandeirantes na semana passada. Durante o seu discurso, o presidente enfatizou a importância de eleger os candidatos da base aliada em Minas e pediu empenho da militância para Hélio Costa (PMDB), candidato ao Governo de Minas, Patrus Ananias (PT, vice na chapa) e os candidatos ao Senado, Fernando Pimentel (PT) e Zito Vieira (PCdoB).

      Mineiridade

      A candidata Dilma aproveitou seu discurso para reforçar suas raízes mineiras. Falou da sua infância em Belo Horizonte, cidade onde nasceu. “Tive que sair de Minas, mas Minas não saiu de mim, da minha forma de fazer política e do meu coração. Carreguei o espírito do mineiro e da mineira”. Além da afetividade que tem com sua terra, a candidata falou das referências que tem com políticos mineiros. Ela citou Juscelino Kubistchek como exemplo de desenvolvimentista e Tancredo Neves como modelo de democrata.

      Além de Lula e Dilma, também discursaram, Zito Vieira, Pimentel, Patrus, Hélio Costa e Dilma. Todos os discursos procuraram dar ênfase aos programas sociais do Governo Lula, destacando as ações nas áreas de saúde, educação e emprego. Enfatizou-se também a necessidade de o país não retroceder nas ações que vêm sendo implementadas.

      Senado

      Primeiro a falar no ato, o candidato do PCdoB ao Senado, Zito Vieira, dedicou sua intervenção ao economista Celso Furtado e disse que Lula seguiu o caminho desenvolvimentista traçado por Furtado e que o país caminha para se consolidar cada vez mais no cenário internacional com uma grande potência.

      O outro candidato ao Senado, Fernando Pimentel (PT) evocou Carlos Drummond de Andrade para falar no país que o presidente Lula começou a construir. Usando versos do poema Cidade Prevista, falou do sonho de construir uma sociedade sem desigualdades.

      Já o candidato a vice governador, Patrus Ananias, manteve a tradição excelente orador e animou o público com uma fala onde ressaltou a importância da aliança dos partidos de esquerda com o PMDB. “Essa é uma aliança histórica, que vai levar Minas a se encontrar com o rumo do Brasil. Vamos implementar aqui os programas sociais que estão mudando a vida de milhões de brasileiros”.

      Dois governadores

      O candidato ao governo, Hélio Costa, enfatizou em sua fala o conceito da campanha desenvolvida pelo publicitário Duda Mendonça, “Dois grandes homens, um só governo”. Disse que sua chapa tem na verdade dois nomes para governador e que Patrus terá um papel destacado em um futuro governo.

      O candidato lembrou em seu discurso os tempos em que era jornalista internacional. “Quando eu viajava o mundo, ficava triste quando dizia que era brasileiro e as referencias que ouvia era que vinha do país do carnaval e do futebol. Hoje, quando viajo para outros países, ouço com alegria que sou do país do presidente Lula”. Costa afirmou que o programa de governo para Minas da sua coligação é muito simples. Vai implementar no estado o que o presidente Lula fez nestes anos no país.

      De Belo Horizonte,
      Kerison Lopes

      http://www.vermelho.org.br/mg/noticia.php?id_noticia=134855&id_secao=76

      Como vê, não se confirmam as alegadas afirmações de Lula.

  6. A culpa, em Portugal, é dos submarinos; em Cuba, de acordo com o humilde Lula, é dos presos políticos, esses criminosos; e no Irão, também de acordo com o humilde Lula, é dos terríveis manifestantes.

    A política externa do Brasil personifica o verdadeiro Lula da Silva, um político que não esquece as suas origens comunistas, portanto fanáticas e cegas, um político que, quando pensa que não está sob o poder revelador do microfone, se revela, criticando quem não merece, quem
    é oprimido por diversos Estados ditatoriais.

    Nem tudo é mau; eu elogio abertamente, porque é justo, o plano Bolsa Família. Porém, aplicar os critérios da Bolsa Família em Portugal seria “escravizar os pobres”, sacrificar as “classes desfavorecidas”, “ataque à Democracia”, etc.

    • Leo diz:

      Não acha um tanto redutor culpar os submarinos por todos os desmandos neo-liberais cometidos há mais de três décadas pelos sucessivos governos do PS e do PSD com e sem CDS? A mim parece-me.

      E quanto ás questões internas cubanas e iranianas obviamente que o Lula nunca se pronunciou como aliás nunca se pronunciou sobre questões internas portuguesas, norte-americanas ou chinesas. Como qualquer outro estadista responsável faria, aliás.

  7. Leo diz:

    A má vontade contra Dilma e Lula, a desinformação e manipulação mediática que também por cá foi a tónica durante toda a campanha de Dilma, e o azedume, desonestidade e invencionices pós-eleitoral de quem se auto-proclama de esquerda faz-me lembrar os ataques descabelados contra o PCP no pós-25 de Abril.

    Valia tudo, da direita à suposta extrema-esquerda: desde as injecções atrás da orelha aos velhotes, até ao “reformismo” e à “traição” da revolução. Juntaram-se todos: CDS, PPD, PS, MRPP, LCI, UDP, PCdP, PCP-ML, AOC, etc., tudo ao molho e fé em deus para atacar o inimigo, o PCP.

    Com Lula antes, com Dilma agora acontece exactamente o mesmo. Parece que ambos chateiam o império. Felizmente para os brasileiros que Lula e Dilma dão prioridade ao interesse nacional. Só espero que Dilma continue a prática de Lula e que faça exactamente o mesmo discurso esteja em Porto Alegre ou em Davos, Washington ou Teerão, Bruxelas ou Maputo, Lisboa ou Havana. Como Lula sempre fez, com toda a clareza e exuberância.

    • Renato Teixeira diz:

      Leo, deixe-se de merdas. Disse ou não disse? O que é que importa onde disse???

      Se as dezenas de jornais e de blogues que citam a frase são caluniosos onde está o desmentido do PT?

      Seriedade é isso. O resto é conversa da treta.

      • Leo diz:

        Acha mesmo que o PT iria responder a todos os dislates dos media e dos blogues? O PT disputava eleições, tinha a sua própria agenda, não embarcou em agendas alheias. E teve resultados. Óptimos resultados.

      • Leo diz:

        Disse ou não disse?

        Segundo um link que aí em cima deixou do Jornal de Londrina que teve o cuidado de escrever ao lado da foto: “Londrina rejeita o PT”, ele escreve:

        “Enquanto a gente passava pelo bairro Mangabeiras, percebi as pessoas fazendo assim [gesto negativo com o polegar virado para baixo]”, disse Lula. “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo. O que elas não conseguiram superar é o preconceito de um metalúrgico ser presidente desse Brasil”.

        Segundo o link que deixou da Veja: “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo”, urrou Lula num comício eleitoral em Belo Horizonte, pronunciando um diagnóstico inquestionável.”

        Segundo a reportagem que lhe deixei de Kerison Lopes, de Belo Horizonte, publicada no Vermelho, nada consta.

        Você decidiu que Lula disse apenas: ““As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo”.

        Tirou a conclusão, carregue com ela.

  8. miguel serras pereira diz:

    Abra os olhos, caro Renato. Você ainda não percebeu que o Leo já decidiu que o Lula é progressista e que quem disser o contrário está feito com o imperialismo? O que ele diz e faz pouco importa, porque, segundo o Leo, há que defendê-lo. Se você provar que ele disse o que citou ou coisas piores, o Leo dirá que isso são citações descontextualizadas e que as palavras dele provam que a linha justa é a do Leo e que o Leo tem razão porque segue a linha justa. É sempre assim. Poupe-se você para outras discussões eventualmente mais fecundas.
    Saudações livre-pensadoras

    msp

    • Renato Teixeira diz:

      O problema não é discutir com quem acha que Lula é progressita. Vários o fizeram com elevação. De resto, gosto particularmente de debater com quem pensa o contrário do que eu.
      O Leo caiu numa armadilha fácil. Não lhe dei o link à cabeça da posta, e sai a desmandar em quem a escreveu. Agora, ou apresenta o desmentido do PT, ou o único aldrabão aqui é ele.

      • miguel serras pereira diz:

        Claro, Renato. Inteiramente de acordo com a ressalva. Mas eu também não quis dizer outra coisa.

        msp

    • miguel cunha diz:

      pois é, caro msp, faz lembrar alguém que também decidiu que o José Casanova disse determinada frase e depois, quando confrontado com a falsidade do que tinha dito, nunca teve coragem se retratar. A cada um a sua linha justa…

    • Leo diz:

      Só me resta aconselhar-lhe a leitura deste texto:

      Luis Nassif: A psicologia de massa do fascismo à brasileira

      Há tempos alerto para a campanha de ódio que o pacto mídia-FHC estava plantando no jogo político brasileiro. O momento é dos mais delicados. O país passa por profundos processos de transformação, com a entrada de milhões de pessoas no mercado de consumo e político. Pela primeira vez na história, abre-se espaço para um mercado de consumo de massa capaz de lançar o país na primeira divisão da economia mundial.
      Esses movimentos foram essenciais na construção de outras nações, mas sempre vieram acompanhados de tensões, conflitos, entre os que emergem buscando espaço, e os já estabelecidos impondo resistências.
      Em outros países, essas tensões descambaram para guerras, como a da Secessão norte-americana, ou para movimentos totalitários, como o fascismo nos anos 20 na Europa.
      Nos últimos anos, parecia que Lula completaria a travessia para o novo modelo reduzindo substancialmente os atritos. O reconhecimento do exterior ajudou a aplainar o pesado preconceito da classe média acuada. A estratégia política de juntar todas as peças – de multinacionais a pequenas empresas, do agronegócio à agricultura familiar, do mercado aos movimentos sociais – permitiu uma síntese admirável do novo país. O terrorismo midiático, levantando fantasmas com o MST, Bolívia, Venezuela, Cuba e outras bobagens, não passava de jogo de cena, no qual nem a própria mídia acreditava. (…)

      Leia o resto aqui:

      http://www.blogdoatheneu.org/blog/?p=9600

      • Renato Teixeira diz:

        assim se chuta para canto sem qualquer auto-crítica. Sim senhor. Um nobel da seriedade para este senhor!

        • Leo diz:

          Não provou que num comício da campanha de Dilma Lula tenha dito “As pessoas ricas foram as que mais ganharam dinheiro no meu governo”. Apenas provou que jornais anti-PT disseram isso.

          Agora quer pôr-me na situação em que Bush e Blair pôs Saddam: provar o que não existe.

          Não nos sites de partidos que apoiaram Dilma e que relatam esse comício de Belo Horizonte nenhum deles menciona tal afirmação. Que tal provar o contrário?

  9. Carlos Vidal diz:

    Bonita aliança Renato:

    Basta o tarado msp do “Vias” ter uma posição para nós estarmos do outro lado.
    Comigo funciona.
    Contigo não?

    CV

  10. Abilio Rosa diz:

    Meus amigos, o que Portugal precisa é de indíviduos como o Lula e como a Dilma.
    Não tenhamos medo do poder.
    O PCP tem que estar preparado para, após a implosão do partido «socialista» socretino, ser alternativa de poder,
    Deixemos os purismos patetas e o rótulo do «contra».
    Se queremos ser consequentes com aquilo que dizemos, devemos fazer tudo para chegar ao poder.
    Como o Lula fez. Lá podemos mudar o rumo aos acontecimentos.

    A gritar em arruadas apalhaçadas como faz o BE é que não chegamos lá!

    Lembrem-se bem: CHEGAR AO PODER!!!!!

    • Renato Teixeira diz:

      Abílio, esse grito de guerra não é muito diferente do que está a levar o BE para o colo do PS…

      • Abilio Rosa diz:

        Mas devemos chegar ao poder com o PS estilhaçado e o BE pela trela…

        Não esquecer que os comunistas tem bom «know-how».

    • Leo diz:

      “Como o Lula fez. Lá podemos mudar o rumo aos acontecimentos.”

      Tem razão, mas parece que é isso que o Renato não quer, mudar o rumo aos acontecimentos.

  11. José diz:

    Mas que discussão mais bizantina!…

    • Leo diz:

      Nisso dou-lhe toda a razão. Basta reparar como arredaram para debaixo do tapete as acusações que fiz e que recupero dum comentário mais acima:

      A má vontade contra Dilma e Lula, a desinformação e manipulação mediática que também por cá foi a tónica durante toda a campanha de Dilma, e o azedume, desonestidade e invencionices pós-eleitoral de quem se auto-proclama de esquerda faz-me lembrar os ataques descabelados contra o PCP no pós-25 de Abril.

      Valia tudo, da direita à suposta extrema-esquerda: desde as injecções atrás da orelha aos velhotes, até ao “reformismo” e à “traição” da revolução. Juntaram-se todos: CDS, PPD, PS, MRPP, LCI, UDP, PCdP, PCP-ML, AOC, etc., tudo ao molho e fé em deus para atacar o inimigo, o PCP.

      Com Lula antes, com Dilma agora acontece exactamente o mesmo. Parece que ambos chateiam o império. Felizmente para os brasileiros que Lula e Dilma dão prioridade ao interesse nacional. Só espero que Dilma continue a prática de Lula e que faça exactamente o mesmo discurso esteja em Porto Alegre ou em Davos, Washington ou Teerão, Bruxelas ou Maputo, Lisboa ou Havana. Como Lula sempre fez, com toda a clareza e exuberância.

  12. Camarro diz: