Uma dupla imbatível de “chefes”

Note-se que o acordo PS-PSD, a ser formalizado amanhã, é a garantia de que o senhor da foto, com os votos de facto de ambos os partidos, vai vencer facilmente as próximas presidenciais (é o nome da coisa) para aí com uns 60 a 70% dos votos. Nunca percebi porque é que os (ligeiramente) imbecis jugulentos não gostavam (fingiam não gostar) da personagem: ele é, sempre foi, o aliado por excelência de alguém que por aí anda como “primeiro-ministro” de há uns anos a esta parte (o facto consumado do OE 2011 deve-se mais à personagem da foto do que ao engenheiro da UNI). Ká Wamos Yndo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Uma dupla imbatível de “chefes”

  1. Diogo diz:

    A múmia vai continuar a aparecer nos telejornais a balbuciar que não será essa a melhor altura para se pronunciar…

  2. Carlos Vidal diz:

    Nem mais, caro Diogo.
    E nós, vamos ter de aturar a democracia?

  3. Abilio Rosa diz:

    Não é preciso ser «pulhitólogo» para chegarmos à conclusão que Cavaco tem sido o sustentáculo do «sucialismo socretino» e tem sido ele a fazer a ponte com o «bloco central de interesses».

    Grande parte da actual direcção do PS prefere Cavaco a Alegre.

    O Alegre, coitado, ainda não deu pela marosca socretina, e vai direintinho para o áltar com vista a ser sacrificado.

    Se o Alegre, apesar das suas contradições pessoais e politicas, descolasse do PS e do BE, e denunciasse os «consensos» socretinos/cavakianos com intuitos «anibalescos», talvez tivesse alguma hipótese em enfrentar estas eleições com dignidade e independência.

    Alegre, com o PS socretino e o BE esquerdista atrás de si, não vai a lado nenhum.

    (Para ilustrar este post, a fotografia dos «compadres» Dias Loureiro e Jorge Coelho, vinha mesmo a calhar!)

  4. Dupla não. Tripla, visto o contributo das finanças e económicas do grande Anacleto via Conde.

Os comentários estão fechados.