Hung with piano wire from meat-hooks

Quando eu era puto, e andava de bicicleta pelos campos, uma noite houve em que estava muito escuro, eu vinha muito depressa e ia ficando sem um braço quando bati à altura do ombro num cabo de aço muito esticado que ajudava a aguentar um poste de electricidade. Na realidade, eu não ia perdendo um braço, isso foi confabulação minha na altura (for children sometimes confabulate, as we all know), mas fiquei com um vergão na pele que me durou dias e me criou um medo duradouro do efeito seccionador de cabos & cordas (apenas agravado quando soube que alguns dos autores do atentado falhado contra Hitler em 1944 foram enforcados com cordas de piano presas em ganchos de matadouro e demoraram muitas horas a morrer até à sua decapitação final). Serve este intróito para explicar a minha inquebrantável solidariedade com aquele ouriquense da blogosfera que nunca se despe com headphones nos ouvidos, já desde a época do walkman, não vá o diabo tecê-las (e isto apesar, como ele tão bem explica, das maravilhas que, tanto o walkman como os aparelhos que lhe sucederam, operam em favor das artes).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.