Sim, concordo quase na totalidade, mas porquê “pacificamente”?

Ou seja, um processo de resistência, ou mais globalmente, digamos, de transformação política e social não terá efectividade nenhuma se se definir antes de tudo quer como “pacífico” ou “violento”. Nunca, mas nunca mesmo, saberemos como responder à violência do Estado. E porque é que a Revolução Cultural foi a última grande revolução do século XX? Porque nos ensinou que não temos de predizer ou prever como vai acabar um processo de resistência (sim, a Revolução Cultural em parte fez-se para resistir à burocracia dentro do Partido Comunista chinês) e/ou de rejuvenescimento social, colectivo; um processo de transformação da humanidade no seu sentido mais profundo (dizia-se então) é uma coisa inédita. Um processo destes (estaremos à beira da sua eclosão?) pode ser “pacífico”, “violento”, “bem sucedido” ou “fracassado”. Não é negociável. Passem todos muito bem.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Sim, concordo quase na totalidade, mas porquê “pacificamente”?

  1. João diz:

    A última grande revolução do século XX foi obviamente a que levou à queda do capitalismo de estado na UR”SS”…

  2. j diz:

    Concordo em pleno. Temos sempre de ter a cautela de não nos tornarmos menchviques. A mim parece-me que o que se vive hoje em dia na luta é uma espécie de mistura entre mencheviquismo e trade-unionismo. Os blocheviques ganharam, façamos-lhes a honra e optemos por vias mais activas para reentrar nos eixos da revolução!

  3. Carlos Vidal diz:

    j
    É fã do “Que fazer”, já vi.
    Saudações republicanas, como diz o outro.

    CV

  4. Já recomendei, volto a recomendar, akilo não foi revolução nenhuma, era o Mao a querer liquidar a oposição interna socorrendo-se do seu prestígio e influência, e fazendo o estudantariado e quejandos ter umas belas férias e levar à frente tudo o que pudesse levar à frente, enquanto ele estava tranquilinho no seu harém.

    Leiam, são dois livrinhos da Maspéro, dizem tudo:

    http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/tiers_0040-7356_1974_num_15_59_2046_t1_0894_0000_1

    e o autor é insuspeito, ele chegou a ser maoísta e tudo…

    http://en.wikipedia.org/wiki/Charles_Bettelheim

  5. isso das definições é um pouco conceptual, não?
    Ou é filosofia analítica?

Os comentários estão fechados.