Gaza ao fundo do túnel

Passado um mês de ter saído de Londres, Casablanca e Doha, e dezasseis dias depois do braço de ferro com o Egipto, a caravana e a frota do Viva Palestina vergou finalmente a intransigência de Mubarak, e conseguiu autorização para usar o porto de Al Arish, a poucos quilómetros da Faixa de Gaza.

Apesar do entusiasmo revelado no primeiro vídeo há ainda três grandes obstáculos a ultrapassar. O primeiro, ocorre já entre esta e a próxima madrugada, quando a frota parar no ponto em que foi atacada a Flotilha da Liberdade, onde está previsto o lançamento de flores ao mar em homenagem às nove vítimas que iam a bordo do Mavi Marmara, assassinadas a mando do governo de Israel. O segundo, entrar efectivamente no Egipto, onde não está posta de parte quer a intervenção das Forças de Defesa Israelitas, quer o dito por não dito pelas autoridades egípcias.  Por último, conseguir que a totalidade da caravana e dos activistas entre em Gaza para entregar a ajuda recolhida internacionalmente. Como se vê no segundo vídeo, o bloqueio a Gaza para além de semear 80% de desemprego e uma inflação descontrolada, está a esvaziar o território de todos os bens que permitem a vida.

A acompanhar de perto nos próximos dias.

O leitor Índio Joe, atentamente, fez-nos chegar a mais recente adesão à campanha de boicote a Israel: o realizador inglês Mike Leigh. Conheça as suas razões na primeira pessoa.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

15 respostas a Gaza ao fundo do túnel

  1. koshba diz:

    ONU,UE e quejandos:fantoches de merda.É isto a democracia?Sagrada Propriedade Privada?!só qdo eles a têm na mão,conquanto sejam dos outros já não é sagrada.
    Democracia e pobrreza?,democracia e guerra?democracia e…?

  2. Mariana diz:

    Porque será que os medicamentos que foram transportados pela ultima flotilha estavam fora de prazo (meses)??? Bizarro.

  3. Renato Teixeira diz:

    Não ouvi nenhuma acusação dessas relativa à Flotilha. Curiosamente já ouvi relativamente à ONU, mas creio que as culpas, uma vez mais, devem ser imputadas a quem controla a fronteira e não a quem tenta lá fazer chegar o que quer que seja. Sabe o tempo que tantas vezes é preciso esperar para que entre mercadoria? Sabe a lista infinita de materiais proibidos? Sabe que até as ambulâncias com feridos graves e que não têm como ser tratados em Gaza chegam a ser retidas horas na fronteira?

  4. Mariana diz:

    Poderá ouvir e ver a “acusação” no programa Panorama da BBC, “Death in the Med.”

    http://www.youtube.com/watch?v=Xe1ttBy_Bb8

    Mais recentemente, alguns organizadores das flotilhas e afins afirmaram categoricamente que o seu principal objectivo não é humanitário mas político. Não tenho tempo agora para encontrar o link. Já não me recordo se foi na BBC, ITN ou Reuters. Procure, se desejar.

    Sim, Renato. Sei isso tudo. E sei mais algumas coisitas também.

    Os gajos mandam medicamentos sem validade mas a culpa é de Israel.
    Olhe, não tenho pachorra.

  5. Índio Joe diz:

    Hau Renato!

    Olha, vou-me juntar a alguns amigos que vão deixar de ler o vosso blog…

    Ao que parece, os teus colegas Nuno Ramos de Almeida e Sérgio Vicente deram ontem e hoje uma grande barracada, cortando aqui e insultando ali. O teu colega Nuno chegou mesmo a dizer a um conhecido meu algo como “vai dar sangue”…

    Não é bom para a nossa causa… mas sugiro que abras uma página tua ou um blog teu, onde possas escrever e divulgar as tuas opiniões que valem sempre.

    Um abraço índio

    Joe

  6. Luís Teixeira Neves diz:

    É pena que ninguém em Portugal esteja a participar nesta iniciativa.
    Eu não perdia tempo a responder a Marianas, Renato… São pessoas demasiado baixas… Basta ler o que escrevem…

  7. Mariana diz:

    Renato,

    Não leu o meu último comentário?

  8. Mariana diz:

    O Renato sabe quantos vezes as ambulâncias foram usadas para transportar bombas e/ou bombistas suicidas para Israel????

    Sabem quem é que monopoliza a distribuição de bens alimentares? O Hamas. A quem é que o Hamas dá os bens alimentares? Quem é que está no topo da cadeia alimentar na Faixa, por assim dizer?? As suas brigadas, que pouco mais são do que hooligans criminosos. Aliás, não são poucos os criminosos que trabalham para o Hamas. O que é que as brigadas fazem? VENDEM por preços exorbitantes os bens (gratuitos) que eram destinados aos Palestinianos. Sabe o que dizem a seguir? O culpado do Vosso sofrimento é ISRAEL!!!! (meu caro, eu sei que Israel É responsável por grande parte do sofrimento dos Palestinianos. Não tenho qualquer dúvida. Mas o que aqui escrevi é a verdade. Existia um mercado paralelo de bens de consumo e quem o dominava (ou ainda domina??) é o Hamas. Os que apoiavam ou ainda apoiam a Fath morrem à fome. Esta é a verdade, Renato. (no que a isto diz respeito)

    Israel controla tudo isto?? É Israel que diz ao Hamas o que fazer com os bens humanitários destinados aos Palestinianos?? Culpe Israel pelo boicote e pelas suas consequências. Até pode culpar Israel por outras coisas. Mas diga a VERDADE.

  9. Mariana diz:

    errata: SabE quem é que monopoliza a distribuição de bens alimentares?
    Os meus pedidos de desculpa pelos erros cometidos. A minha língua-mãe é o Alemão.
    Eu acho que você não conhece os seus preciosos “aliados” de conveniência.

  10. Mariana diz:

    Será que poderia publicar o comentário das 18:34 hrs
    É pedir muito? Faça o que lhe apetecer.

  11. Mariana diz:

    Só + 1 nota:

    Já ouviu falar do jornalista Turco Şefic Dinç?? O que é que ele disse numa entrevista concedida à televisão Turca??? Ele estava a bordo do Mavi Marmara. Investigue.

  12. Renato Teixeira diz:

    Mariana, é evidente que não se separa o propósito humanitário do político.
    Seguindo o seu ponto de vista deixaria de haver um problema no médio-oriente se deixasse de haver Hamas. Cada um mete a cabeça no monte de areia que quer.

    Luís Teixeira Neves, é de facto uma pena que em Portugal e para boa parte da esquerda este seja somente um assunto fúnebre. Esperemos então pelo próximo massacre para que se volte a sair do sofá. Cumps.

  13. Renato Teixeira diz:

    Índio Joe, reconsidere. Reconhecerá que a diversidade deste blogue é um dos seus principais argumentos bem como o calor do debate em algumas discussões. Não gosto de escrever sem contraditório, principalmente porque também não gosto de ler com esse método.

  14. Mariana diz:

    Renato,

    As suas conclusões precipitadas deixam-me perplexa. Como é que depreende isto (Seguindo o seu ponto de vista deixaria de haver um problema no médio-oriente se deixasse de haver Hamas. Cada um mete a cabeça no monte de areia que quer.) do que eu escrevi nos comentários anteriores??????

    Foi isto que eu escrevi???

    Eu não neguei a responsabilidade de Israel pela crise humanitária de Gaza. Apresentei-lhe a um outro aspecto do problema, tão importante como o bloqueio: a lógica da distribuição de bens alimentares e outros na Faixa. Identifiquei as duas principais causas da crise humanitária, a primeira externa (bloqueio imposto por Israel) e a segunda interna, ou seja,a manipulação de bens pelo Hamas.

    Foi isto que eu escrevi, Renato. Não escrevi outra coisa. Não me meta palavras na boca.

  15. Mariana diz:

    http://www.jpost.com/MiddleEast/Article.aspx?id=182120

    “Q) Has the control of Hamas over the Gaza Strip affected the support given to UNRWA?

    A) No. On the contrary, UNRWA began receiving more aid after Hamas took over. The donor countries did NOT WANT HAMAS TO MONOPOLISE the services, and they are familiar with the real problems that the Gaza Strip is facing, especially after the Gaza war in January. A lot of money was allocated, or at least pledged, for reconstruction. UNRWA will be able to accomplish a lot of reconstruction if the borders were opened and if the building materials needed for reconstruction are allowed to enter. If the borders were opened, we have a lot of money that can be used for reconstruction as well as for other activities such as education and so on. Thus, I do not think that the control of Hamas over the Gaza Strip has adversely impacted the issue of aid given to us. The opposite is true.”

    http://www.aawsat.com/english/news.asp?section=3&id=18456

Os comentários estão fechados.