Enfim um bom cartaz e uma declaração classista sobre a greve geral

Via Precários Inflexíveis

“Não há saída sem instabilizar a burguesia”

Carvalho da Silva em entrevista ao Público

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 respostas a Enfim um bom cartaz e uma declaração classista sobre a greve geral

  1. JMG diz:

    Se Carvalho da Silva tem calos nas mãos é porque sofre de artrite.

  2. a anarca diz:

    Excelente cartaz 🙂
    mas como combater a inercia de um povo aburguesado* ?!

    *o pelintrão, um corpo sem massa nem energia que suporta toda a carga.

  3. Martelo diz:

    Oh renato, não deve ter lido o resto da entrevista. É dito por esse senhor qualquer coisa do genero “temos que mobilizar a burguesia” e “temos que fazer alianças com umaparte dela”…

  4. Renato Teixeira diz:

    Martelo, não me leu escrever sobre a entrevista, mas sim sobre a declaração. Há-de reconhecer que ela é classista, independentemente que a entrevista até possa não o ser.

  5. o da boa-fé diz:

    Os média e os académicos, muito diplomaticamente e sem ondas, baniram a linguagem classista do imaginário colectivo: dizem-nos que as classes acabaram, se já ‘todos’ vamos ao Continente de compras e ao Algarve de férias.

    Mas, se não é nada fashionable, o classismo é uma das poucas ‘teorias do mundo’ que explicam qualquer coisa de fundamental na realidade em que vivemos. Abertamente classita, o cartaz só podia mesmo explicar algo de estrutural na foda de contexto social em que estamos embrulhados.

    Que a greve anunciada possa servir de rastilho para um motim…

  6. Renato Teixeira diz:

    É boa fé. No que toca à compreensão do mundo todos temos nem que seja por isso uma costela do velho Marx. 😉 Que seja pelo menos qualquer coisa mais do que uma passeata tristonha e fúnebre sobre os escombros de mais um orçamento Sócrates aprovado…

Os comentários estão fechados.