Liberdade de dissidência

Acabo de ouvir alguns excertos das intervenções de Cavaco e de Sócrates nas comemorações do dia de hoje na TSF. O apelo de Cavaco ao consenso, à responsabilidade, à diluição das diferenças acompanhado das palavras de Sócrates falando de agitação irresponsavel, oposição inconsequente ao mesmo tempo que o PSD pela voz de um seu representante fazia questão de definir a sua autonomia (autonomia, não independência…) fazem com que me pergunte se em Portugal ainda existe liberdade de dissidir sem anátema social e politico.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

3 respostas a Liberdade de dissidência

  1. maumaria diz:

    Cavaco e Sócrates ,as reservas murais da suciedade!Pois!

  2. Leo diz:

    “O apelo de Cavaco ao consenso (…) fazem com que me pergunte se em Portugal ainda existe liberdade de dissidir sem anátema social e politico.”

    O problema não vem de agora, Rafael. Vem desde o comício de Mário Soares e Alegre na Alameda – apoiado por toda a direita, extrema-direita e extrema-esquerda – desde que andaram de braço dado nas lutas do “República” e da RR.

    O problema vem desde 1975. Mas como então, também agora a luta continua. E continuará. Eles sabem disso…

  3. Carlos Vidal diz:

    Junta-lhes o elogio de Soares (aos citados) e o pobre silêncio de Alegre.

Os comentários estão fechados.