Golpe de estado no Equador

No momento que escrevo estas linhas, o desfecho do que parece ser uma tentativa de golpe de estado disfarçado de reivindicação salarial ainda não é claro. A informação ainda não é completamente esclarecedora, mas é certo que uma parte da Policia e do Exército aprisionaram o presidente do Equador, Rafael Correa, num hospital policial. Já houve tentativas de invasão e controlo da televisão publica por parte da direita equatoriana, num assalto comandado pelo advogado do ex-presidente do Equador. Manifestações de populares em apoio a Correa multiplicam-se por todo o Equador, assim como também se multiplica a repressão dos policias golpistas com cargas violentas sobre a população, utilizando gás lacrimogénico e, em algumas situações, segundo alguns relatos, munições reais. Confirma-se um morto e vários feridos. O balanço pode aumentar. Em Quito, populares são dispersados à bala, segundo a Telesur.

Depois do golpe de estado bem sucedido em 2009 nas Honduras, com uma repressão contínua desde então sobre sindicalistas, opositores, activistas de direitos humanos e jornalistas, assistimos hoje a mais uma tentativa de reprimir e calar pela força os governos progressistas ou revolucionários da América Latina. Esta América Latina, que durante décadas sofreu a repressão das ditaduras fascistas (apoiadas pelo governo norte-americano) que perseguiu, torturou e matou centenas de milhares de opositores, activistas, sindicalistas, comunistas, esquerdistas ou simples progressistas. Há cerca de 10 minutos, o vice-presidente venezuelano fazia um apelo ao Povo venezuelano para se solidarizar de forma massiva com o Povo Equatoriano, referindo a importância da vigilância popular constante, da unidade entre Povo e Forças Armadas que é preciso atingir. O golpismo da direita não dorme e a falta de vigilância revolucionária pode acabar rapidamente em muitas mini-operações condor.

Aqui, na nossa Europa já completamente dominada pelos oligópolios neo-liberais, com o controlo completo da opinião publica pela inevitabilidade dum modelo económico que assume claramente o seu sentido regressivo, espantamo-nos com estas intentonas (tantas vezes) repetidas. A direita do capital, dos interesses obscuros, não tem ética, não respeita nem de perto, nem de longe a vontade popular. Perdida na sua lógica umbilical, consome o seu entorno, canibalizando a sociedade.

“Quando a reacção mostra os dentes, temos que parti-los antes que morda”. Espero que o Povo Equatoriano ainda vá a tempo e que mostre na rua, enfrentando heroicamente os golpistas, a sua dignidade.

Adenda às 4.00 (portuguesas): Rafael Correa foi libertado. Fez um discurso emotivo à populaçao, onde denunciou a conspiraçao da oposiçao e defendeu a necessida de uma maior unidade para continuar da Revoluçao tranquila e ciudadana. Terminou a intervençao com “Hasta la victoria, siempre”.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

5 Responses to Golpe de estado no Equador

Os comentários estão fechados.