As tripas do último esquerdista

No dia em que “anunciaram a morte dos sonhos” como uma amiga jornalista escreveu no seu facebook, o que preocupa o puro revolucionário do séc. XXI: a Coreia do Norte e Os Verdes.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a As tripas do último esquerdista

  1. zé neves diz:

    Tiago,

    Por acaso, não vejo porque razão a situação na Coreia do Norte é menos preocupante do que a situação em Portugal. Quanto ao resto, isto é, a lógica do teu post, parece-me que abres o flanco de um modo que não é conveniente: não tem nada de purismo dizer que a Coreia do Norte é um regime que merece toda a nossa crítica; depois, o post sobre os Verdes antecede o anúncio das medidas (nem acredito que me obrigues a discutir uma coisa a este nível de migalhas); por fim, a lógica do teu post é viciada. Se te preocupa que o Tunes se preocupe com a coreia do norte e com os verdes no dia do pec3, não achas ainda mais preocupante que tu te preocupes com o facto de ele se preocupar com isso? deixa-te de coisas, digo eu; sabes bem que eu me recuso a tomar o pcp como um todo e por isso estou distante de muitas críticas (mais do tom do que de conteúdo) que o João e o Miguel Serras Pereira fazem ao PCP. Mas não vejo como um militante do PCP não tenha que se aguentar quer com a posição de apoio do partido em relação à Coreia quer com a aldrabice da cena dos verdes (aldrabice que, porém, faço notar, para mim não tem nada de grave ou sequer de eticamente reprovável; apenas releva uma estratégia política que não me parece a mais saudável).
    abç

  2. Daniel Nicola diz:

    Pedra no sapato? Telhados de vidro?

    Enquanto o maior partido da esquerda portuguesa continuar a desculpabilizar esta monarquia decrépita e assassina, como poderá esperar a solidariedade dos trabalhadores portugueses no apoio à luta necessária por um país mais justo? Como poderá esperar a validação dos seus argumentos se sobre as vítimas do capitalismo tudo, sobre as vítimas da demência dos fantoches norte-coreanos nada?

    E que tal uma posta sobre Alegre e o Bloco? Se calhar já tem tudo a ver…

    Querer viver refém dos totalitarismos do sec. XX só poderá resultar na morte dos projectos políticos de esquerda para o sec XXI

  3. koshba diz:

    Um problema candente.A Coreia do Norte provocou a queda dos ‘mercados’,são culpados pelo q aconteceu na Wall Street,espalham a guerra pelo mundo fora com as suas 800 bases miltares;já para não falar das greves selvagens q têm levado os estados à ruína.Não fossem os banksters a terem lucros (??????) e o mundo estaria melhor.Zé Neves vai dar uma volta com a jornaleira era capaz de ser mais proficua,a experiência e escusavam-se de dizer baboseiras….Francamente,não se enxergam!

  4. ana diz:

    No dia em que “anunciaram a morte dos sonhos” …

    Mas … “a morte dos sonhos” deve-se também ao facto de que o que “preocupa o puro revolucionário do séc. XXI ser a Coreia do Norte e Os Verdes”

    Um texto dum pedreiro-livre, para descontrair e para a vida fazer-sentido …
    http://www.almocrevedaspetas.blogspot.com/2010/09/de-regresso-nada-declarar.html

  5. António Figueira diz:

    Zé Neves:
    E por que te incomodas tu que o Tiago se incomode com o que incomoda o João Tunes?
    O argumento parece-me circular; a Coreia é o que é e o João Tunes também (e são ambos auto-explicativos, acho que não preciso de dizer mais nada).
    Abraço, AF

  6. David diz:

    Não há internacionalismo proletário, Tiago, que me faça olhar com qualquer benevolência para Pyongyang. Nem para a enorme tragédia que foi o demencial Grande Salto em Frente ou a não menos demencial Revolução Cultural. Socialismo na RDPC? Não brinquemos

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    Zé, como se percebe pelos meus posts de ontem andei a ler blogues – coisa que já não fazia há alguns dias. Os posts de João Tunes já não me conseguem surpreender, 90% destilam ódio ao PCP. Ora esta fobia é tão extraordinária que, no dia em que foi anunciado o PECIII – as medidas foram sendo anunciadas ao longo do dia, o que de facto lhe importou foi a ditadura de Pyongyang e os Verdes. Dir-me-ás que nada tenho a ver com o que escreve João Tunes, o que é verdade. Mas permite-me retirar conclusões sobre qual é o objecto central da sua luta.

  8. Tiago Mota Saraiva diz:

    David, desafio-o a encontrar um elogio meu ao regime norte coreano.

  9. lingrinhas diz:

    que gozo que d´ouvir aquela figurinha ridicula dos a dizer o país precisa é de produzir por onde é que ela terá começado.

  10. zé neves diz:

    António, de acordo contigo e ainda bem que concordamos. A circularidade deste tipo de argumentação (porque diz mal de x, então está a defender y) é que deve ser quebrada. Eu não deduzi do que escrevi que ao Tiago interessa mais combater o João Tunes do que o PEC. Sei muito bem que assim não é. E acho que o Tiago também sabe que assim não é em relação ao Tunes. Por outro lado, compreendo que seja uma “boca”, mas andamos todos a brincar às bocas com coisas demasiado sérias: o regime da Coreia do Norte é uma desgraça tão grande como a maior das desgraças que por aí andam.

  11. zé neves diz:

    koshba, peço desculpa, mas nestes dias não tenho grande vontade em dialogar em defensores dos governos nacionais. vá tomar chá com o vital moreira e o antónio costa, que estão bem para si.

  12. António Figueira diz:

    Zé,
    De acordo com o teu acordo (nova circularidade!).
    Apesar disso, permito-me acrescentar: Pyongyang e João Tunes são duas heranças do pior século XX – sendo que eu não escrevo num blog da Coreia do Norte e tu aturas um blog com o João Tunes: boa sorte! 🙂
    Abraço, AF

Os comentários estão fechados.