A “adolescência” do Embaixador José Cutileiro

Ao comentar  a entrevista a Robert Fisk, o Embaixador José Cutileiro não deu qualquer hipótese. No seu entender, a visão deste jornalista padece de “adolescência emocional”, de um alegado ódio aos EUA e um suposto encantamento com a civilização árabe. José Cutileiro foi aos arames ao ouvir que “Israel é um Estado legal mas não é um Estado justo” e o único senão que encontra no campo israelita é o perigo de uma certa extrema-direita.

José Cutileiro está enganado a toda a linha. O principal problema dos sucessivos governos de Israel é que nenhuma força política, do Likud de Netanyahu aos trabalhistas de Barak até ao recém criado Yisrael Beiteinu de Lieberman, aceita a criação de um Estado Palestiniano. Estas forças políticas, e não outras, tornaram impossível a convivência entre os israelitas e quem quer que viva, hoje ou amanhã, na contiguidade das suas fronteiras.

A “adolescência” de Fisk é a única posição possível para lidar com a geriatria a que se remeteu o Estado de Israel desde que saiu da neonatologia. A “adolescência” de Fisk é a única posição madura para compreender o último Estado marcial do planeta.

[Ouça o programa aqui em podcast]

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

10 respostas a A “adolescência” do Embaixador José Cutileiro

  1. o da boa-fé diz:

    O que me vale é que quando ouço as reportagens do Visão Global, apago o rádio sempre que fala o embaixador, espécie de Carlos Magno que sobre TUDO discorre com a mesma ignorante certeza e adolescente parcialidade. É a caricatura da mente brilhante que defende sempre a ‘posição responsável’, ao mesmo tempo em que invariavelmente defende as posições do Ocidente irresponsável. Mais um opinion-maker da realpolitik. Bhlhaaac!!!

    Cheira-me que o embaixador ainda não saiu da puberdade…

  2. Renato Teixeira diz:

    Ora caro Boa Fé… faz bem em persistir apesar do Embaixador. A seriedade e a qualidade do trabalho de Ricardo Alexandre, a par da pobreza de quase tudo o resto, merece a atenção dos seus ouvidos.

    Apesar disso devo dizer que concordo no substancial da sua crítica. A qualidade e a pertinência do programa merecia um opinador com outra capacidade.

  3. Tenho dificuldades aki… não preciso de concordar (ou discordar…) de tudo, mas sempre gostei quer do José quer do João. Tenho coisas de ambos.

    Um dos meus livros de “formação” creio que é a tese de doutoramento dele, não estou seguro….

    Nome: “Ricos e Pobres no Alentejo”.
    Seminal.

    Qualquer de vosselências que tenha estado no Alentejo topa logo onde é Vila Velha e Vila Nova, não vou dixer.
    Também não vou explicar o que é o ‘direito de pernada’.
    😉

    Pequeno problemita: axo que isso está esgotado há séculos, peçam emprestado…

    🙂

  4. xatoo diz:

    “Israel é um Estado legal”??
    Se o comentador-embaixador é um parvalhão, este Fisk também não é nenhum radical de esquerda
    teria Israel respeitado ao menos os termos da resolução da ONU que fundamentou a criação de 2 Estados na Palestina?
    Claro que para os american-Sionistas as resoluções da ONU são papéis-de-limpar-o-cu
    O que valeu desde sempre foi a carta de Churchill logo após a 1ª GGuerra em que a Grâ-Bretanha quadriplicou as suas colónias.. que reconheceu formalmente a Jabotinski (1920) o direito de fundar um “lar nacional Judeu” na Palestina maioritariamente árabe

  5. Abilio Rosa diz:

    José Cutileiro foi o pior embaixador português que há memória.

    Na qualidade de comentador radiofónico é um triste. Não diz coisa com coisa.

    Ainda estou para perceber onde é que se formam os «embaixadores portugueses» e se eles estão preparados para defender o interesse de Portugal e dos Portugueses ou o interesse conjuntural das potências estrangeiras que nos «protegem».

  6. helena teixeira diz:

    Pueril, Sr. Cutileiro, o senhor parece não ter passado da infância, e seguramente nunca esteve em Jerusalem. em Belém, em Jericó e em muitos outros territórios ocupados e não “sagrados”. Para S.Excelência, nenhum estado é perfeito, na sua formação, a começar nos EUA…. talvez Israel, infere-se, tenha sido a única criação perfeita!!!
    O Sr. já teria lucidez quando aquela criação foi desenhada a esquadro e régua… ter-se-à esquecido das razões….diplomáticas………

  7. Renato Teixeira diz:

    Xatoo, gostemos ou não o tipo é factual. A ONU dá a legalidade a Israel. Mas à legalidade limpamos nós o cu. Fiquemos à espera de qualquer coisa justa para aquele canto do mundo.

  8. Justiniano diz:

    Caro boa-fé, viva!!
    Bem! Reduzamo-los, a todos, bem vista a coisa, à profunda adolescencia…Cutilei, Fisk, Israel, Teixeira…
    Depois, meditemos, meu caro boa-fé, em coisas realmente importantes, como a produção de trigo, vinho (tinto, claro) e cerveja!!!

  9. Renato Teixeira diz:

    Esqueceu caro Justiniano, o Grande Borda d´Água. Se que cair no goto do Boa Fé não o pode abordar sem o elogio ao melhor pasquim popular da “tuga”.

  10. Justiniano diz:

    Renato Teixeira, “Fiquemos à espera de qualquer coisa justa para aquele canto do mundo”…a Divina Providencia!! Aguardemos, então, por revelações vindouras!!

Os comentários estão fechados.