Porque vivem melhor os judeus de Teerão do que os palestinianos de Gaza? Porque rezam melhor os judeus de Beirute do que os muçulmanos de NYC?

Teerão e Gaza

Beirute e Nova Iorque

Enquanto a direita radical norte-americana protesta contra a construção de uma mesquita em Nova Iorque, o governo libanês (o tal com quatro ministros do Hezbollah) aplica fundos na reconstrução de uma sinagoga.

No mesmo sentido, Mike Whitney explica porque vivem melhor os judeus no Irão do que os palestinianos na Palestina:

25,000 Jews live in Iran. It’s the largest Jewish population in the Middle East outside of Israel. Iranian Jews are not persecuted or abused by the state, in fact, they are protected under Iran’s constitution. They are free to practice their religion and to vote in elections. They are not stopped and searched at checkpoints, they are not brutalized by an occupying army, and they are not herded into a densely-populated penal colony (Gaza) where they are deprived of the basic means of survival. Iranian Jews live in dignity and enjoy the benefits of citizenship.

Iranian president Mahmoud Ahmadinejad is demonized in the western media. He is called an anti-Semite and the “new Hitler”. But if those claims are true, then why did the majority of Iran’s Jews vote for Ahmadinejad in recent presidential elections? Could it be that most of what we know about Ahmadinejad is just baseless rumor and propaganda?

This excerpt appeared in an article by the BBC:

“(Ahmadinejad’s) office recently donated money for Tehran’s Jewish hospital. It is one of only four Jewish charity hospitals worldwide and is funded with money from the Jewish diaspora – something remarkable in Iran where even local aid organizations have difficulty receiving funds from abroad for fear of being accused of being foreign agents.”

When did Hitler ever donate money to Jewish hospitals? The Hitler analogy is a desperate attempt to brainwash Americans. It tells us nothing about what Ahmadinejad is really like.

The lies about Ahmadinejad are no different than the lies about Saddam Hussein or Hugo Chavez. The US and Israel are trying to create the justification for another war. That’s why the media credits Ahmadinejad with saying things that he never really said. He never said that he wanted to “wipe Israel off the map”. That’s another fiction. Author Jonathan Cook explains what the Iranian president really said:

“This myth has been endlessly recycled since a translating error was made of a speech Ahmadinejad delivered nearly two years ago. Farsi experts have verified that the Iranian president, far from threatening to destroy Israel, was quoting from an earlier speech by the late Ayatollah Khomeini in which he reassured supporters of the Palestinians that “the Zionist regime in Jerusalem” would “vanish from the page of time.”

He was not threatening to exterminate Jews or even Israel. He was comparing Israel’s occupation of the Palestinians with other illegitimate systems of rule whose time had passed, including the Shahs who once ruled Iran, apartheid South Africa and the Soviet empire. Nonetheless, this erroneous translation has survived and prospered because Israel and its supporters have exploited it for their own crude propaganda purposes.” (“Israel’s Jewish problem in Tehran”, Jonathan Cook, The Electronic Intifada)

Ahmadinejad poses no threat to Israel or the United States. Like everyone else in the Middle East, he just wants a breather from US and Israeli aggression.

This is from Wikipedia:

“The U.S. State Department has made claims of discrimination in Iran against Jews. According to its study, Jews may not occupy senior positions in government and are prevented from serving in the judiciary and security services and from becoming public school heads. The study says that Jewish citizens are permitted to obtain passports and to travel outside the country, but they often are denied the multiple-exit permits normally issued to other citizens. Allegations made by the U.S. State Department have been condemned by Iranian Jews. The Association of Tehrani Jews said in a statement, “We Iranian Jews condemn claims of the US State Department on Iranian religious minorities, announced that we are fully free to perform our religious duties and we feel no restriction on performing our religious rituals.”

Who should we believe; the Jews who actually live Iran or the troublemaking US State Department?

There are 6 kosher butcher shops, 11 synagogues and numerous Hebrew schools in Tehran. Neither Ahmadinejad nor any other Iranian government official has made any attempt to close any these facilities down. Never. Iranian Jews are free to travel (or move) to Israel if they chose. They are not imprisoned by an occupying army. They are not deprived of food and medicine. Their children do not grow up with mental disorders brought on by the trauma of sporadic violence. Their families are not blown up by gunships lobbing rounds on the beaches. Their supporters are not crushed by bulldozers or shot in the head with rubber bullets. They are not gassed and beaten when they peacefully demonstrate for their civil liberties. Their leaders are not hunted down and killed in targeted assassinations.

Roger Cohen wrote a very thoughtful essay on the topic for the New York Times. He said:

“Perhaps I have a bias toward facts over words, but I say the reality of Iranian civility toward Jews tells us more about Iran — its sophistication and culture — than all the inflammatory rhetoric. That may be because I’m a Jew and have seldom been treated with such consistent warmth as in Iran. Or perhaps I was impressed that the fury over Gaza, trumpeted on posters and Iranian TV, never spilled over into insults or violence toward Jews. Or perhaps it’s because I’m convinced the “Mad Mullah” caricature of Iran and likening of any compromise with it to Munich 1938 — a position popular in some American Jewish circles — is misleading and dangerous.” (“What Iran’s Jews Say”, Roger Cohen, New York Times)

Things aren’t perfect for Jews living in Iran, but they’re better than they are for Palestinians living in Gaza. Much better.

Mike Whitney lives in Washington state. He can be reached at fergiewhitney@nullmsn.com

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

17 respostas a Porque vivem melhor os judeus de Teerão do que os palestinianos de Gaza? Porque rezam melhor os judeus de Beirute do que os muçulmanos de NYC?

  1. paulo diz:

    http://www.payvand.com/news/10/may/1135.html
    porque enm tudo é tão simples renato
    a comunidade judaica era na decada de 70 de cerca de 130000 pessoas
    sem esqueçer as acusações de espionagem que recorrentemente sofrem
    e gaita isdso é que é defender um regime inqualificavel que é uma teocracia
    o renato defende este tipo de regimes? só pq são anti-americanos
    o que o destingue de um defensor dos EUA?
    nada

  2. Renato Teixeira diz:

    Deu-se ao trabalho de passar os olhos no texto? É que postou o seu comentário um minuto depois da publicação do artigo de MW.
    Para quem diz gostar de problematizar além do simples fez um comentário tão rápido como primário. Vou tentar uma resposta que compreenda:

    Não, não sou um apoiante desses regimes. Quer que escreva mais devagar?

  3. absurdo diz:

    Os judeus iranianos vivem melhor do que os muçulmanos israelitas?
    Os judeus iranianos têm mais direitos do que os muçulmanos israelitas?
    Os judeus iranianos têm menos deveres do que os muçulmanos israelitas?
    Só por curiosidade:
    “Iranian Jews, like Christians and Zoroastrians, have a representative in the Majlis (parliament). But only in 2003 was the blood money for Jewish people and other religious minorities made equal to that of a Muslim. Previously, blood money, the compensation that relatives of a murder victim can claim in lieu of the death sentence for the perpetrator, was half for the minorities.”
    “Sensitive posts in the judiciary and military are barred from Jews. ”

    O 3º local sagrado do Islão fica em Jerusalém, precisamente no local onde ficava o principal – senão único – local sagrado judaico, o Templo. Qualquer muçulmano pode frequentá-lo, sem qualquer problema.
    No Irão, ainda recentemente, 2 sinagogas foram atacadas, alegando que estariam a celebrar o dia de independência de Israel. Quantas mesquitas foram atacadas nos últimos tempos em Israel a propósito da independência do Irão?

    Só em Manhattan há nove mesquitas. Quer mesmo comparar a liberdade religiosa entre os imperialistas e o Irão? Ou qualquer estado do Médio-Oriente, com excepção do Líbano, por razões óbvias? ( e mesmo este..)

  4. Tenho uma dúvida existencial. imaginem que, sei lá, só me está a apetecer passar despercebido entre os pingos da chuva, ter uma vida normal, poder sentar-me num café, ler um livro ou um jornal, ir ao supermercado ou ao cinema ou a um museu sem me matarem, coisinhas assim fúteis e rotineiras …

    mas que tive o azar de nascer judeu emTeerão ou em Beirute ou palestinianos em Gaza ou mesmo muçulmano em Nova Iorque ?

    Como é que eu faço ??

    Tenho mesmo que emigrar ou há alguma espécie de ‘operação plástica’ que eu possa faxer ???

    🙁

  5. Ou se preferirem, qual é o truque para uma pessoa se escapar a uma condição que não escolheu, mas que foi escolhida para ela ??

  6. Abílio Rosa diz:

    Já o disse aqui: não simpatizo e até combato enérgicamente todos os governos ou regimes «inspirados» ou «apoiados» na religião.

    Normalmente são regimes reaccionários, retrógados e do ponto de vista revolucionário, devem ser destituidos o mais depressa possível.

    Todos os regimes teocráticos devem desaparecer do mapa.Sem apelo nem agravo.

    Uma coisa é certa. Nos EUA há liberdade religiosa. No Irão não existe, e já não falo na Arábia Saudita, nos pequenos paraísos do Golfo ou mesmo nos regimes corruptos da África do Norte. Até mesmo Israel a «liberdade religiosa» não passa duma bela teoria, pois o próprio Estado de Israel é um estado confessional. A religião judaica é a religião oficial de Estado.

    A verdade é que os muçulmanos podem construir uma grande mesquita em Nova York, mas os cristãos não podem eregir uma catedral no Irão ou na Arábia Saudita.

    Razão teve o Putin, quando recusou os milhões dos sauditas para estes construirem uma grande mesquita no centro de Moscovo, quando aquele disse que só seria possível quando os sauditas permetissem a construção duma catedral ortodoxa.

    Mas para mim, o melhor é não construirem nada, nem mesquitas, nem sinagogas, nem igrejas, nem tempos da IURD, nem pagodes chineses….

  7. Renato Teixeira diz:

    Absurdo: sim, sim e sim. E por último também sim.

  8. Uma ressalvinha apenas: no Bible Belt lá dos USA (google for it…) é ligeiramente complicado viver se uma pessoa não fôr ‘pentecosta’l (que diabo será isso ?) e não mostrar a fronha na igreja local e fazer os ruídos apropriados nas alturas certas.

    Mas é claro que se pode sempre sair dali…

    🙂

    (Canada is also your friend)

  9. Estorietas sobre liberdades e whathever:
    Tenho um amigo no Dubai (ou será os Emiratos qq.coisa ?) que é um exemplo da globalização: o gajú é inglês (de Londres) a mulher dele é italiana (de Milão) ele vende aos árabes milionários lá do place uns trapos quaisquer feitos na Suécia.

    E que dix ele ?

    Pah, whisky ainda é como o outro, posso sempre comprá-lo e beber um golinho em casa, desde que não seja na varanda. Agora isto aki é um forno, e ir à praia com a minha mulher é uma complicação

    =============================================

    Variação da mesma estória: estou numa praia no sul de Goa (Índia) e tropeço num casal de ‘tugas, ele de calções, ela de biquini preto, nada de especial.

    ‘Blah blah tudo bem etc. ‘atão o que estás a faxer aki ?’

    E o gajú dix ‘Pah, a gente vive em Karachi (Paquistão) e lá ir à praia com ela (a mulher) é uma brutalmente arriscado.’.

    Preciso de ir mais longe, ou ’tá tudo dito ?

  10. Carolina diz:

    Os Judeus Iranianos nunca agiram contra o estado Iraniano.
    Eram 250 000,mais ou menos. Politicamente são perfeitamente insignificantes. Não tem qualquer impacto político. Podem, por isso, ser utilizados. Se fossem um milhão e meio, as coisas seriam diferentes.

    Hoje são 25 000. Porquê? Presumo que o Renato não falará em limpeza étnica. E não houve, de facto. Não foi necessário. Bastou assustar.

    225 000 sairam do Irão desde a revolução de khomeini. Porquê? Será um fenomeno natural, esta migração en masse? Porquê?

    Os restantes 25 000 são usados pelo Irão sempre que este regime pretende demonstrar a sua “tolerância.” O regime Iraniano sabe que se os judeus Iranianos fossem atacados isto seria considerado um casus belli para Israel. Além disso, os judeus Iranianos são, em grande parte, ultra-ortodoxos profundamente anti-SECULARISTAS (tal como o regime do Irão), anti-zionistas (opõem-se ao estabelecimento do estado de Israel por razões religiosas e afirmam que o Holocausto foi “usado” para justificar a criação do estado de Israel). Eles, os ultra-ortodoxos, acreditam que a criação do estado Hebraico foi e é uma perversão dos ensinamentos da Torah e do Talmude. Foi por esta razão que participaram na conferência sobre o Holocausto organizada pelo regime. Para eles o estado de Israel é ilegítimo em termos religiosos. Ora, como pode ver este é um secto judaico que agrada aos teocratas Iranianos.

    Nota final: os Judeus Iranianos estão a ser usados pelo regime Iraniano como escudos contra um possível ataque às instalações nucleares Iranianas. Não é por acaso que as centrais nucleares estão situadas em cidades ou localidades com uma significante presença judaica. O Irão faz tudo e mais alguma coisa para que eles não partam.

    Finalmente, os responsáveis pela decisão de reabilitar a sinagoga que menciona aqui no post não são membros do Hezbollah. O sr tenta, com alguma mestria, demonstrar que o Hezbollah é tolerante. Uma perfeita mentira. Os membros do governo responsáveis pela pasta das obras publicas nada tem que ver com o Hezbollah. Além disso, os fundos que serão usados para a reconstrução são de JUDEUS. O Primeiro Ministro Hariri também prometeu 150 000 que ainda não transferiu, talvez por medo de retaliações.

    Repito: eram 250 000.

    São, hoje, 25 000

    Porquê?

    Sobre a sinagoga de Beirute…

    Leia com atenção. A reconstrução da Sinagoga nada tem a ver com o hezbollah. O dinheiro prometido por Hariri nunca foi atribuído.

    http://news.bbc.co.uk/2/hi/8494183.stm

    http://news.bbc.co.uk/2/hi/8494183.stm

  11. Carolina diz:

    A sua comparação de Nova Iorque com Beirute é perfeitamente demagógica. O Presidente dos EUA disse que era a favor da construção de uma mesquita perto do Ground Zero. O que está a acontecer nos EUA é uma discussão pública, aberta, sobre o projecto. Ou seja, o seu post refere-se à “DIREITA RADICAL” Americana e não a Nova Iorque como cidade. (esta sua inflexão agiprop é deveras infantil!!) Em Nova Iorque está-se a discutir o assunto. Nada foi decidido. É assim na Big Apple. Discute-se tudo, frontalmente. É uma cidade livre. É evidente que não há um único impedimento legal-constitucional que seja à construção da dita mesquita. Por conseguinte, a sua comparação é simplesmente absurda.

  12. Renato Teixeira diz:

    É nada.

  13. Eu sei que as coisas mudaram.

    Mas houve um tempo em que foi durinho…

    (sem som como convém…)

  14. A versão da homenagem feita com som, óbviamente no Canada (where else ?)

  15. José diz:

    Beirute e Teerão: duas cidades para onde os migrantes acorrem aos milhões, fugindo desalmadamente de Nova York.

  16. diz:

    Sr Renato,

    Sabia que os judeus iranianos, esses residentes no Paraíso da Tolerância, tão livres, tão felizes, sabia que ele não podem viajar em família? Pois é!
    Os judeus iranianos podem sair para o exterior, mas sempre a título individual, isto é, uma família judia nunca pode viajar em bloco para o estrangeiro. Estranho, não acha? Num país tããão livre como o Irão, isso não faz qualquer sentido, a menos que…
    Se fossemos maliciosos até poderíamos pensar que essa proibição serve para manter os judeus iranianos bem calminhos e de boquinha fechada, “senão…” a família pode sofrer represálias. É que é tão fácil acusar um pai, uma mãe ou um filho de “espionagem” a favor da “entidade sionista” (aka Israel)….

    Do texto que colocou aqui, gostei especialmente da frase “Ahmadinejad poses no threat to Israel or the United States. Like everyone else in the Middle East, he just wants a breather from US and Israeli aggression.”
    Que agressão é que o regime iraniano sofreu por parte de Israel que o tenha levado a apoiar o Hezbollah e o Hamas? Nenhuma! Pelo contrário, tem sido o Irão quem tem atacado Israel por via indirecta ao criar, endoutrinar, financiar, treinar e armar estes dois movimentos os quais, “de resistência”, têm pouco (a título de exemplo, as IDF já não ocupavam o Líbano há 6 anos quando o Hezbollah matou uma série de soldados e raptou outros dois, em pleno território israelita, despoletando a guerra de 2006)

    Em suma, já deu para perceber que o seu “post” não passa de propaganda barata baseada em mais propaganda barata ( texto em inglês) que cita mais propaganda barata (The Electronic Intifada – dá para perceber o quão imparcial é a fonte!).

    Basicamente, o que veiculou não passa de agitprop inquinada por falsas informações, daquelas que, infelizmente, por serem constantemente repetidas, se tornam “verdade”, pelo menos na mente dos pobres de espírito.

Os comentários estão fechados.